Pular para o conteúdo principal

Um presente para a filha: escrever 365 livros em um ano

Além de exercitar a criatividade, pai cria histórias para a filha de 1 ano e 8 meses para incentivar a leitura e 'vencer a violência e a ignorância' 

Damien Cave, The New York Times
Matt Zurbo já escreveu oito livros infantis, quatro romances e é o autor de uma história oral do futebol australiano.
Matt Zurbo já escreveu oito livros infantis, quatro romances e é o autor de uma história oral do futebol australiano. Foto: Peter Tarasiuk / The New York Times
EAGLEHAWK NECK, TASMÂNIA - Quando Matt Zurbo afundou no sofá para escrever a sua 282ª historinha infantil, havia trabalhado o dia todo em uma fazenda de ostras, brincara com a filha na praia, nadara nas águas gélidas, e preparara um banquete vegetariano. Era pouco depois das 10 da noite, e os seus olhos fechavam de sono. Mas não por muito tempo. Com a ajuda de um uísque e de uma balada venezuelana, ele terminou o conto sobre uma menina que adorava dançar, e o publicou online a 1h da madrugada. Restavam apenas 83 histórias para concluir o seu desafio de escrever 365 histórias em 365 dias.
“Quanto mais as crianças gostarem de histórias e amarem os livros, melhor o mundo será para minha filha", disse Zurbo. “A imaginação vence a violência e a ignorância, e sempre vencerá”, continuou. O desafio de Zurbo, que ele intitulou com o nome da filha de 20 meses, Cielo, é um estudo sobre criatividade.
Ele não é apenas um escritor com quatro romances publicados, uma história oral do futebol australiano e oito livros infantis. É também um aventureiro que leva uma vida dura, cujas mãos não conseguem fechar depois de 30 anos limpando trilhas e replantando florestas no interior australiano. Ele relaxa cuidando da fazenda de ostras ao amanhecer.
As histórias de Zurbo variam de temas alegres (Day 168: Bare Feet) a absurdos (Dia 144: Backwards With Billy Hanging), líricos (Dia 7: The World’s Smallest Sound) ou pessoais (Dia 133: For Cielo).Nenhuma delas foi publicada em papel impresso, e tampouco há um marketing por trás do seu  projeto. “Esta é toda a sua beleza”, afirmou Matt Ottley, que ilustrou livros infantis vencedores de prêmios, como Luke’s Way of Looking. “Em geral, flutua ali na rede. É como descobrir um exuberante jardim secreto cuja existência ninguém conhecia”.
É a criação de um homem que não tem formação superior, conhecido pelo reflorestamento do deserto e ocasionalmente por uma luta de boxe, o que torna tudo isto ainda mais espantoso. “É difícil perceber toda a dimensão da sensibilidade e da beleza poética de alguns dos seus textos”, avaliou Helen Chamberlin, editora de livros infantis australiana que trabalhou com Zurbo no seu livro ilustrado Moon de 2015. “Ele impressiona todos os que o conhecem como um diamante bruto”.
Matt Zurbo, de 52 anos, disse que o seu projeto de escrever 365 livros em um ano é um presente para Cielo, mas também não se importaria se um editor publicasse uma ou duas histórias. Nos últimos tempos, contou, tenta ser um bom pai, baseando-se no que o pai dele, ilustrador, e a mãe, decana do teatro de vanguarda de Melbourne, Pram Factory, fizeram por ele: instilar no filho o amor pela criatividade.
Quatro horas depois de publicar a história sobre a menina que dançava, ele estava na cozinha misturando as sobras do jantar com ovos, o almoço que levaria no trabalho. As histórias parecem surgir como ondas repentinas, mesmo enquanto trabalha. Zurbo disse que teve uma ideia inspirada pelo conto da menina que dançava do dia anterior. “Ela está dançando com um monstro que ninguém vê”, contou. “E o seu irmão, sem saber, faz o monstro rir”.
Algumas das histórias de Cielo brotam destas espécies de iterações. Mas muitas delas começam com pessoas que ele conheceu e com o que elas relatam a respeito dos seus filhos. Dia 102: The Best Skier in the World se baseia no filho de um amigo que quebrou a perna esquiando e precisa de alguma distração. Dia 209: Austin’s First Game é para Dave “Wally” Cusic, o capitão do time de futebol americano, os Dodges Ferry Sharks. Os contos são histórias pelo simples amor pelas histórias. Cielo, que é gratuito, é um projeto irrealista e incansável quanto o seu criador. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…