Pular para o conteúdo principal

11 de setembro de 2001, “dia obscuro na história da humanidade"



São palavras de João Paulo II ao recordar a tragédia de 11 de setembro. Passaram-se 18 anos do dia que mudou para sempre a história dos Estados Unidos e do mundo inteiro. Era o ano 2001 quando um grupo de sequestradores derrubou quatro aviões no solo americano, matando quase 3 mil pessoas. A oração de Bento XVI e Francisco no Ground Zero
Cidade do Vaticano
20461_25092015AEM.jpg
Uma terça-feira qualquer de setembro que em poucos minutos se transforma no pior ataque terrorista na história dos Estados Unidos. São 8h46 (hora local) quando o voo American Airlines atinge a Torre Norte do World Trade Center, no coração de Nova Iorque causando um grande incêndio. Pouco depois um outro avião atinge a Torre Sul. Polícia e bombeiros tentam evacuar os dois edifícios. Porém, as operações não são simples. A Torre Sul desaba sobre si mesma: uma nuvem de pó invade o céu de Nova Iorque cobrindo tudo e todos. Pouco depois desaba também a segunda Torre. Enquanto isso um avião da American Airlines 77 cai sobre o Pentágono, a sede do Departamento de Defesa americana e o quarto ataque, foi bloqueado graças à revolta dos passageiros da United Airlines 93.

A proximidade de João Paulo II

Milhões de pessoas com o olhar fixo na TV assistiram ao vivo o que estava acontecendo, petrificados e incrédulos. Bombeiros, policiais e proteção civil cobertos de cinzas tentavam salvar o maior número possível de pessoas. Estruturas destruídas, sirenes que ecoavam em um silêncio surreal, depois os gritos e tosses de sufocamento de homens e mulheres.
As imagens correram o mundo inteiro, chegando também ao Vaticano, aos olhos de João Paulo II que no dia seguinte, durante a Audiência Geral, pediria para que não o aplaudissem para assim poder criar um clima de recolhimento e oração por todas as vítimas do que definiu “um dia obscuro na história da humanidade, uma ofensa terrível contra a dignidade do homem”. Apesar dos sofrimentos e a dor pela perda de vidas humanas, o futuro Santo recordou a todos que “mesmo quando a força das trevas parece prevalecer, o crente sabe que o mal e a morte não são a última palavra”.

A cruz no meio das cinzas: sinal de esperança

Entre as imagens que passavam pelas telas de todo o mundo há também a de uma cruz. Durante as operações de socorro, a um certo ponto, no meio do pó, das cinzas e dos detritos destaca-se aos olhos dos bombeiros uma cruz. É formada por duas traves de metal da estrutura do World Trade Center. Diante daquele sinal, mais tarde, muitas pessoas de várias religião iriam se recolher em oração, criando assim a Cruz do Ground Zero, símbolo de conforto para todos os que perderam amigos e parentes.
Hoje, 18 anos depois daquele dia, a cruz está conservada no National September 11 Memorial & Museum, um espaço realizado para homenagear todas as pessoas que perderam a vida nos ataques terroristas de 2001.

O memorial e a visita de Bento XVI

O memorial de 11 de setembro é um lugar que representa a sobrevivência, o renascimento e a recordação. Todos os nomes das vítimas estão gravados em bronze nos dois espelhos de água que formam o núcleo do memorial. A piscina norte e a piscina sul foram construídas nos pontos exatos onde ficavam as Torres Gêmeas. As piscinas simbolizam a perda de vidas humanas e o vazio físico deixado pelos ataques terroristas.
O Papa Bento XVI foi o primeiro a visitá-lo, em 2008. Ao chegar no local decidiu não pronunciar nenhum discurso. Depois, ao encontrar os parentes das vítimas e as equipes de resgate recolheu-se em oração pedindo ao Senhor “concedei-nos a sabedoria e a coragem de trabalhar incansavelmente por um mundo onde reinem a paz e o amor verdadeiros entre as Nações e nos corações de todos”.

A recordação de Francisco

Depois de Bento XVI, em 2015, também Francisco visitaria o lugar símbolo da tragédia. O Pontífice fez uma oração com 12 líderes religiosos depois de ter encontrado os familiares das vítimas e recordava que “este lugar de morte transforma-se também num lugar de vida, de vidas salvas, em uma canção que nos leva a afirmar que a vida está destinada sempre a triunfar sobre os profetas da destruição, sobre a morte, que o bem prevalece sempre sobre o mal, que a reconciliação e a unidade sairão vencedores sobre o ódio e a divisão” porque “apesar das diferenças, das discrepâncias, é possível viver um mundo de paz”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…