Pular para o conteúdo principal

11 de setembro de 2001, “dia obscuro na história da humanidade"



São palavras de João Paulo II ao recordar a tragédia de 11 de setembro. Passaram-se 18 anos do dia que mudou para sempre a história dos Estados Unidos e do mundo inteiro. Era o ano 2001 quando um grupo de sequestradores derrubou quatro aviões no solo americano, matando quase 3 mil pessoas. A oração de Bento XVI e Francisco no Ground Zero
Cidade do Vaticano
20461_25092015AEM.jpg
Uma terça-feira qualquer de setembro que em poucos minutos se transforma no pior ataque terrorista na história dos Estados Unidos. São 8h46 (hora local) quando o voo American Airlines atinge a Torre Norte do World Trade Center, no coração de Nova Iorque causando um grande incêndio. Pouco depois um outro avião atinge a Torre Sul. Polícia e bombeiros tentam evacuar os dois edifícios. Porém, as operações não são simples. A Torre Sul desaba sobre si mesma: uma nuvem de pó invade o céu de Nova Iorque cobrindo tudo e todos. Pouco depois desaba também a segunda Torre. Enquanto isso um avião da American Airlines 77 cai sobre o Pentágono, a sede do Departamento de Defesa americana e o quarto ataque, foi bloqueado graças à revolta dos passageiros da United Airlines 93.

A proximidade de João Paulo II

Milhões de pessoas com o olhar fixo na TV assistiram ao vivo o que estava acontecendo, petrificados e incrédulos. Bombeiros, policiais e proteção civil cobertos de cinzas tentavam salvar o maior número possível de pessoas. Estruturas destruídas, sirenes que ecoavam em um silêncio surreal, depois os gritos e tosses de sufocamento de homens e mulheres.
As imagens correram o mundo inteiro, chegando também ao Vaticano, aos olhos de João Paulo II que no dia seguinte, durante a Audiência Geral, pediria para que não o aplaudissem para assim poder criar um clima de recolhimento e oração por todas as vítimas do que definiu “um dia obscuro na história da humanidade, uma ofensa terrível contra a dignidade do homem”. Apesar dos sofrimentos e a dor pela perda de vidas humanas, o futuro Santo recordou a todos que “mesmo quando a força das trevas parece prevalecer, o crente sabe que o mal e a morte não são a última palavra”.

A cruz no meio das cinzas: sinal de esperança

Entre as imagens que passavam pelas telas de todo o mundo há também a de uma cruz. Durante as operações de socorro, a um certo ponto, no meio do pó, das cinzas e dos detritos destaca-se aos olhos dos bombeiros uma cruz. É formada por duas traves de metal da estrutura do World Trade Center. Diante daquele sinal, mais tarde, muitas pessoas de várias religião iriam se recolher em oração, criando assim a Cruz do Ground Zero, símbolo de conforto para todos os que perderam amigos e parentes.
Hoje, 18 anos depois daquele dia, a cruz está conservada no National September 11 Memorial & Museum, um espaço realizado para homenagear todas as pessoas que perderam a vida nos ataques terroristas de 2001.

O memorial e a visita de Bento XVI

O memorial de 11 de setembro é um lugar que representa a sobrevivência, o renascimento e a recordação. Todos os nomes das vítimas estão gravados em bronze nos dois espelhos de água que formam o núcleo do memorial. A piscina norte e a piscina sul foram construídas nos pontos exatos onde ficavam as Torres Gêmeas. As piscinas simbolizam a perda de vidas humanas e o vazio físico deixado pelos ataques terroristas.
O Papa Bento XVI foi o primeiro a visitá-lo, em 2008. Ao chegar no local decidiu não pronunciar nenhum discurso. Depois, ao encontrar os parentes das vítimas e as equipes de resgate recolheu-se em oração pedindo ao Senhor “concedei-nos a sabedoria e a coragem de trabalhar incansavelmente por um mundo onde reinem a paz e o amor verdadeiros entre as Nações e nos corações de todos”.

A recordação de Francisco

Depois de Bento XVI, em 2015, também Francisco visitaria o lugar símbolo da tragédia. O Pontífice fez uma oração com 12 líderes religiosos depois de ter encontrado os familiares das vítimas e recordava que “este lugar de morte transforma-se também num lugar de vida, de vidas salvas, em uma canção que nos leva a afirmar que a vida está destinada sempre a triunfar sobre os profetas da destruição, sobre a morte, que o bem prevalece sempre sobre o mal, que a reconciliação e a unidade sairão vencedores sobre o ódio e a divisão” porque “apesar das diferenças, das discrepâncias, é possível viver um mundo de paz”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…