Pular para o conteúdo principal

8 livros para conhecer Malala Yousafzai

Com a estreia da peça infantil 'Malala - A Menina Que Queria ir Para a Escola', baseada em livro de Adriana Carranca, conheça outros títulos sobre Malala

Redação, O Estado de S. Paulo

8 livros sobre Malala
Para crianças, jovens leitores ou adultos, há bons livros sobre Malala Yousafzai nas livrarias brasileiras. Um deles, Malala - A Menina Que Queria ir Para a Escola, é um livro reportagem da jornalista Adriana Carranca, que era repórter do Estado quando Malala sofreu o atentado. A obra foi adaptada para o teatro e a peça faz temporada em São Paulo até 28 de outubro.

8 livros sobre Malala Yousafzai

Malala - A Menina Que Queria ir Para a Escola

Autora: Adriana Carranca
Ilustração: Bruna Assis Brasil
Editora: Companhia das Letrinhas
Lançamento: 2015
(96 págs.; R$ 34,90)
Malala Yousafzai cresceu entre os corredores da escola de seu pai, Ziauddin Yousafzai, e era uma das primeiras alunas da classe. Quando tinha dez anos viu sua cidade ser controlada por um grupo extremista chamado Talibã. Armados, eles vigiavam o vale noite e dia, e impuseram muitas regras. Proibiram a música e a dança, baniram as mulheres das ruas e determinaram que somente os meninos poderiam estudar. Mas Malala lutou pelo direito de continuar estudando. Em 9 de outubro de 2012, quando voltava de ônibus da escola, sofreu um atentado a tiro. A jornalista Adriana Carranca visitou o vale do Swat dias depois do atentado, hospedou-se com uma família local e conta neste livro tudo o que viu e aprendeu por lá, e conta tudo para as crianças neste livro reportagem.

Malala: Pelo Direito das Meninas à Educação

Autora: Raphaële Frier
Ilustração: Aurélia Fronty
Editora: Pequena Zahar
Lançamento: 2019
(48 págs.; R$ 59,90)
Autoras contam, em texto e imagem, a história de Malala, uma jovem mulher, exemplo de caráter e dignidade, e inspiração para todos os povos de todas as raças e crenças. O livro infantil conta com a seção “Para compreender melhor”, em que o leitor encontrará material de pesquisa que inclui textos, fotos, mapa e documentos sobre a vida de Malala.

Malala e Seu Lápis Mágico

Autora: Malala
Ilustração: Kerascoët
Editora: Companhia das Letrinhas
(44 págs.; R$ 37,90)
Um livro de Malala Yousafzai para os pequenos leitores sobre a importância de lutar pelos próprios direitos ― e nunca deixar de sonhar. Quando era apenas uma menina vivendo no Paquistão, o maior desejo de Malala era ter um lápis mágico. Mas quando seu direito à educação foi colocado em perigo por homens que acreditavam que meninas não deveriam ir à escola, Malala percebeu que a sociedade em que vivia precisava de mudanças imediatas.

Malala/Iqbal

Autora: Jeanette Winter
Editora: Verus
Lançamento: 2015
(40 págs.; R$ 34,90)
Edição 2 em 1 com as histórias de duas crianças paquistanesas que bravamente lutaram contra a injustiça de seu mundo. Malala é a menina que não tem medo. É assim que todos conhecem a jovem que acredita que uma criança, um professor, um livro e uma caneta podem mudar o mundo. Por isso ela protesta contra os talibãs que querem impedir as meninas de seu país de irem à escola. Iqbal tinha apenas quatro anos quando foi obrigado a trabalhar na fábrica de tapetes. Junto com outras tantas crianças, ele tecia acorrentado para que não pudesse fugir. Quando ele descobre que finalmente está livre, passa a frequentar a escola, vai bem nos estudos e começa a protestar por outras crianças que ainda não se libertaram. Mesmo sendo ameaçado pelos donos, Iqbal visita fábricas de tapetes por todo Paquistão e cruza o oceano para espalhar sua mensagem de liberdade.

Eu sou Malala (Edição juvenil): Como uma Garota Defendeu o Direito à Educação e Mudou o Mundo

Autoras: Malala e Patricia McCormick
Editora: Seguinte
Lançamento: 2015
(216 págs.; R$ 39,90)
Autobiografia da mais jovem ganhadora do prêmio Nobel da Paz, escrita especialmente para o público juvenil. Uma jovem comum, Malala Yousafzai gostava acompanhar seus programas de TV preferidos, vivia brigando com os irmãos e adorava ir à escola. Mas em pouco tempo tudo mudaria. Ela tinha apenas dez anos quando o Talibã tomou conta do vale do Swat, onde ela vivia com os pais e os irmãos. Em 9 de outubro de 2012, quase perdeu a vida por isso: foi atingida por um tiro na cabeça quando voltava de ônibus da escola. No livro, ela conta sua história e mostra que todos podem mudar o mundo.

Longe de Casa: Minha Jornada e Histórias de Refugiadas Pelo Mundo

Autora: Malala
Editora: Seguinte
Lançamento: 
(232 págs.; R$ 39,90)
Ao longo de sua jornada, a paquistanesa Malala Yousafzai visitou uma série de campos de refugiados, o que a levou a pensar sobre sua própria condição de migrante ― primeiro dentro de seu país, ainda quando criança, e depois como ativista internacional, livre para viajar para qualquer canto do mundo, exceto sua terra natal. Em Longe de casa, um livro de memórias e uma narrativa coletiva, Malala explora sua própria trajetória de vida e apresenta as histórias de nove garotas de várias partes do mundo.

Eu sou Malala: A História da Garota que Defendeu o Direito à Educação e Foi Baleada Pelo Talibã

Autoras: Malala e Christina Lamb
Editora: Companhia das Letras
Lançamento: 2013
(360 págs.; R$ 44,90)
Livro conta a história da menina que se tornou um símbolo global de protesto pacífico e a candidata mais jovem da história a receber o Prêmio Nobel da Paz. Eu Sou Malala é a história de uma família exilada pelo terrorismo global, da luta pelo direito à educação feminina e dos obstáculos à valorização da mulher em uma sociedade que valoriza filhos homens. O livro, escrito por Malala em parceria com a jornalista britânica Christina Lamb, acompanha a infância da garota no Paquistão, os primeiros anos de vida escolar, as asperezas da vida numa região marcada pela desigualdade social, as belezas do deserto e as trevas da vida sob o Talibã. 

Livre Para Voar: A Jornada de um Pai e a Luta Pela Igualdade

Autores: Ziauddin Yousafzai e Louise Carpenter
Editora: Companhia das Letras
Lançamento: 2019
(168 págs.; R$ 44,90)
Ziauddin Yousafzai tem motivos de sobra para ser um pai orgulhoso: Malala sobreviveu a um atentado do Talibã, ingressou na prestigiosa Universidade de Oxford e se tornou a mais jovem vencedora do prêmio Nobel da paz e uma das principais vozes da luta pelos direitos das mulheres. O livro é o relato de um menino gago que cresceu em uma pequena vila no Paquistão e se tornou um dos grandes ativistas pela igualdade de gênero. Exemplo para os pais que querem que seus filhos façam a diferença, Ziauddin mostra como o respeito e a educação são capazes de criar um mundo melhor para todas as crianças.
Estadão Conteúdo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …