Pular para o conteúdo principal

Bienal chega ao fim da 19ª edição com debates sobre maternidade e literatura transexual

Em edição marcada por polêmica política com prefeito Marcello Crivella, feira tem último dia recheado de boas opções de mesas e debates


Por G1 Rio

Em uma edição marcada por, além de muitos livros e debates, uma grande polêmica envolvendo o prefeito Marcelo Crivella e sua proibição de vender livros com conteúdos considerados impróprios sem lacre, a 19ª Bienal do Livro chega ao fim neste domingo (08).
Quem vai curtir a saideira tem muito o que aproveitar. São 22 mesas, de assuntos variados, esperando para receber o público. O G1 separou alguns destaques da programação do último dia.
Mauricio de Sousa abre a Bienal do Livro de 2019 — Foto: Fernanda Rouvenat/G1Mauricio de Sousa abre a Bienal do Livro de 2019 — Foto: Fernanda Rouvenat/G1
Mauricio de Sousa abre a Bienal do Livro de 2019 — Foto: Fernanda Rouvenat/G1
Mauricio de Sousa autografa gibis
Pavilhão Laranja - 11h - Estande da Mauricio de Sousa Produções
Mauricio de Sousa participa de sessão de autógrafos da revista em quadrinhos do Edu, novo personagem da Tuma da Mônica com doença rara. A história aborda a importância do diagnóstico precoce da Distrofia Muscular de Duchenne (DMD) e fala sobre inclusão.
Thaís Fersoza fala sobre seu livro 'Nasce uma mãe' — Foto: Jessica Mello/G1Thaís Fersoza fala sobre seu livro 'Nasce uma mãe' — Foto: Jessica Mello/G1
Thaís Fersoza fala sobre seu livro 'Nasce uma mãe' — Foto: Jessica Mello/G1
Maternidade e seus desafios
Pavilhão Verde - 13h - Encontro com autores
Convidadas: Thais Fersoza e Stephanie Sapin
Mediadora: Renata Sturm
A atriz e apresentadora Thais Fersoza conversa com a instrutura de gestantes Stephanie Sapin (Nasceu, e agora?) sobre seu livro “Nasce uma mãe” e os desafios da maternidade.
Fabrício Carpinejar discute os limites da privacidade na era digital — Foto: Divulgação/ImpulseOnFabrício Carpinejar discute os limites da privacidade na era digital — Foto: Divulgação/ImpulseOn
Fabrício Carpinejar discute os limites da privacidade na era digital — Foto: Divulgação/ImpulseOn
Evasão de Privacidade
Pavilhão Azul - 15h - Café literário
Convidados: Fabricio Carpinejar, Cora Rónai e Pedro Doria
Mediadora: Elis Monteiro
Em tempos digitais, como ficam os nossos dados, compartilhados o tempo todo, com e sem autorização? Esse é o debate proposto pela mesa.
Lázaro Ramos fala sobre audiobooks — Foto: Divulgação/TV GloboLázaro Ramos fala sobre audiobooks — Foto: Divulgação/TV Globo
Lázaro Ramos fala sobre audiobooks — Foto: Divulgação/TV Globo
Novos suportes do livro e leitura: audiobooks
Pavilhão verde - 17h30 - Conversa com autores
Convidados: Lázaro Ramos, Pastor Henrique Vieira e Camila Fremder
Mediadora: Flávia Oliveira
Camila Fremder (Adulta sim, madura nem sempre), Lázaro Ramos (Na minha pele) e Pastor Henrique Vieira (O Amor como revolução) debatem o crescimento do audiobook no Brasil. Com sessão de autógrafos.
Luiza Marilac integra mesa de debate sobre literatura transexual — Foto: DivulgaçãoLuiza Marilac integra mesa de debate sobre literatura transexual — Foto: Divulgação
Luiza Marilac integra mesa de debate sobre literatura transexual — Foto: Divulgação
Literatura trans
Pavilhão Verde - 19h - Arena #SemFiltro
Convidados: Luiza Marilac, Nana Queiroz, Natalia Travassos, Tarso Brant, Amara Moira e Mulher Pepita
Mediador: Felipe Cabral
A mesa vai abordar o crescimento da literatura escrita por pessoas transgêneras no Brasil, o país em que mais se mata transexuais no mundo.
Miriam Leitão discute os fatos recentes da história do país — Foto: GloboNewsMiriam Leitão discute os fatos recentes da história do país — Foto: GloboNews
Miriam Leitão discute os fatos recentes da história do país — Foto: GloboNews
Um longo olhar sobre o Brasil
Pavilhão Azul - 19h - Café literário
Convidados: Mário Magalhães, Miriam Leitão e Melina Risso
Mediador: Bernardo Mello Franco
Na mesa que encerra essa Bienal, Mário Magalhães, Miriam Leitão e Melina Risso falam dos fatos recentes da História do Brasil para lançar um olhar múltiplo sobre o futuro do país, com mediação do jornalista Bernardo Mello Franco.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…