Pular para o conteúdo principal

Capitu traiu Bentinho? Lygia Fagundes Telles dá sua opinião

A suspeita da traição de Capitu em 'Dom Casmurro', uma das grandes polêmicas da literatura e que chegou à novela 'Bom Sucesso', foi comentada por Lygia Fagundes Telles ao Estado, quando ela fez 80 anos

Redação, O Estado de S. Paulo

Capitu traiu Bentinho?

A polêmica é antiga. Machado de Assis publicou Dom Casmurro em 1899 e desde então o debate divide opiniões: Capitu traiu ou não Bentinho?
Essa desconfiança acompanha Bentinho ao logo de todo o romance. A ideia de que Ezequiel é filho de seu amigo Escobar, e não dele, por causa de semelhança física e de suas atitudes, e por outros indícios que ele apresenta, vai se tornando insuportável para o narrador de Dom Casmurro, livro que é leitura obrigatória nas escolas e presença frequente nas listas de livros de vestibular.
livro de Machado de Assis apareceu na novela Bom Sucesso, que está sendo exibida pela Globo, e a dúvida sobre se Capitu traiu mesmo Bentinho voltou ao debate. A novela tem se apropriado de muitos textos literários para contar, especialmente, a história de Paloma (Grazi Massafera) e de sua amizade improvável com Alberto (Antonio Fagundes). Vivendo em mundos opostos, os dois são apaixonados por literatura.
Na cena, Marcos (Romulo Estrela), filho de Alberto e com quem Paloma já teve alguma coisa, vê Dom Casmurro nas mãos da moça e pergunta: “E aí, você acha que a Capitu traiu ou não traiu Bentinho?”. Ela responde que ainda não terminou de ler para saber, e ele emenda: “Eu acho que ela traiu sim. O Escobar era muito mais interessante do que aquele marido dela. Bentinho era um mala, ciumento, possessivo. Que nem o seu noivo”. 
Quando Lygia Fagundes Telles, a maior escritora brasileira viva, fez 80 anos, em 2013, conversamos com ela sobre sua trajetória e sobre autores diversos. Ela deu um depoimento interessante sobre como sua leitura de Dom Casmurro mudou com o passar do tempo.
À época, ela contou que estava na Faculdade de Direito quando leu pela primeira vez Dom Casmurro. Tinha comprado a edição do livro de Machado de Assis num sebo. “Achei que Capitu era uma santa, uma pobrezinha; e ele, Bentinho, um neurótico, um doido varrido, histérico. Conversei com as minhas colegas, éramos seis mulheres, sobre a leitura, e eu dizia: ‘Não pode isso, esse homem é um louco, neurastênico, desesperado, casado com uma santa em que via a traição’. E não leu mais o livro.
A segunda leitura foi na maturidade, relembrou. “Eu estava casada com o Paulo Emílio e preparávamos Capitu (roteiro filmado por Paulo César Saraceni e lançado pela Cosac Naify). Reli o livro e disse ao Paulo: ‘Mudei completamente de ideia, a mulher traiu ele, sim, o filho não era dele’. E ele me perguntou: ‘Você tem certeza? Cuco, você não pode ser juiz, temos que suspender o juízo, como o próprio Machado queria’. E eu: ‘Mas eu não posso suspender, esse homem é um doido, coitada dessa mulher’. ‘Cuco, não vista a toga de juiz. Vamos apresentar o roteiro como está no livro. Você está ficando com a cara do Bentinho!’ Capitu traiu Bentinho? Eu já não sei mais. Minha última versão é essa, não sei. Acho que, enfim, suspendi o juízo. No começo, ela era uma santa; na segunda, um monstro. Agora, na velhice, eu não sei.”
Mais recentemente, em 2018, o projeto Capitu, do Estado, entrevistou a escritora Ana Maria Machado, que revisitou Dom Casmurro em seu romance A Audácia Dessa Mulher. Para ela, a versão de Capitu já existe no livro de Machado.

A história de Dom Casmurro

Bentinho e Capitu são criados juntos e se apaixonam na adolescência. Mas a mãe dele, por força de uma promessa, decide enviá-lo ao seminário para que se torne padre. Lá o garoto conhece Escobar, de quem fica amigo íntimo. Algum tempo depois, tanto um como outro deixam a vida eclesiástica e se casam. Escobar com Sancha, e Bentinho com Capitu. Os dois casais vivem tranquilamente até a morte de Escobar, quando Bentinho começa a desconfiar da fidelidade de sua mulher e percebe a assombrosa semelhança do filho Ezequiel com o ex-companheiro de seminário.
Estadão Conteúdo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…