Pular para o conteúdo principal

Capitu traiu Bentinho? Lygia Fagundes Telles dá sua opinião

A suspeita da traição de Capitu em 'Dom Casmurro', uma das grandes polêmicas da literatura e que chegou à novela 'Bom Sucesso', foi comentada por Lygia Fagundes Telles ao Estado, quando ela fez 80 anos

Redação, O Estado de S. Paulo

Capitu traiu Bentinho?

A polêmica é antiga. Machado de Assis publicou Dom Casmurro em 1899 e desde então o debate divide opiniões: Capitu traiu ou não Bentinho?
Essa desconfiança acompanha Bentinho ao logo de todo o romance. A ideia de que Ezequiel é filho de seu amigo Escobar, e não dele, por causa de semelhança física e de suas atitudes, e por outros indícios que ele apresenta, vai se tornando insuportável para o narrador de Dom Casmurro, livro que é leitura obrigatória nas escolas e presença frequente nas listas de livros de vestibular.
livro de Machado de Assis apareceu na novela Bom Sucesso, que está sendo exibida pela Globo, e a dúvida sobre se Capitu traiu mesmo Bentinho voltou ao debate. A novela tem se apropriado de muitos textos literários para contar, especialmente, a história de Paloma (Grazi Massafera) e de sua amizade improvável com Alberto (Antonio Fagundes). Vivendo em mundos opostos, os dois são apaixonados por literatura.
Na cena, Marcos (Romulo Estrela), filho de Alberto e com quem Paloma já teve alguma coisa, vê Dom Casmurro nas mãos da moça e pergunta: “E aí, você acha que a Capitu traiu ou não traiu Bentinho?”. Ela responde que ainda não terminou de ler para saber, e ele emenda: “Eu acho que ela traiu sim. O Escobar era muito mais interessante do que aquele marido dela. Bentinho era um mala, ciumento, possessivo. Que nem o seu noivo”. 
Quando Lygia Fagundes Telles, a maior escritora brasileira viva, fez 80 anos, em 2013, conversamos com ela sobre sua trajetória e sobre autores diversos. Ela deu um depoimento interessante sobre como sua leitura de Dom Casmurro mudou com o passar do tempo.
À época, ela contou que estava na Faculdade de Direito quando leu pela primeira vez Dom Casmurro. Tinha comprado a edição do livro de Machado de Assis num sebo. “Achei que Capitu era uma santa, uma pobrezinha; e ele, Bentinho, um neurótico, um doido varrido, histérico. Conversei com as minhas colegas, éramos seis mulheres, sobre a leitura, e eu dizia: ‘Não pode isso, esse homem é um louco, neurastênico, desesperado, casado com uma santa em que via a traição’. E não leu mais o livro.
A segunda leitura foi na maturidade, relembrou. “Eu estava casada com o Paulo Emílio e preparávamos Capitu (roteiro filmado por Paulo César Saraceni e lançado pela Cosac Naify). Reli o livro e disse ao Paulo: ‘Mudei completamente de ideia, a mulher traiu ele, sim, o filho não era dele’. E ele me perguntou: ‘Você tem certeza? Cuco, você não pode ser juiz, temos que suspender o juízo, como o próprio Machado queria’. E eu: ‘Mas eu não posso suspender, esse homem é um doido, coitada dessa mulher’. ‘Cuco, não vista a toga de juiz. Vamos apresentar o roteiro como está no livro. Você está ficando com a cara do Bentinho!’ Capitu traiu Bentinho? Eu já não sei mais. Minha última versão é essa, não sei. Acho que, enfim, suspendi o juízo. No começo, ela era uma santa; na segunda, um monstro. Agora, na velhice, eu não sei.”
Mais recentemente, em 2018, o projeto Capitu, do Estado, entrevistou a escritora Ana Maria Machado, que revisitou Dom Casmurro em seu romance A Audácia Dessa Mulher. Para ela, a versão de Capitu já existe no livro de Machado.

A história de Dom Casmurro

Bentinho e Capitu são criados juntos e se apaixonam na adolescência. Mas a mãe dele, por força de uma promessa, decide enviá-lo ao seminário para que se torne padre. Lá o garoto conhece Escobar, de quem fica amigo íntimo. Algum tempo depois, tanto um como outro deixam a vida eclesiástica e se casam. Escobar com Sancha, e Bentinho com Capitu. Os dois casais vivem tranquilamente até a morte de Escobar, quando Bentinho começa a desconfiar da fidelidade de sua mulher e percebe a assombrosa semelhança do filho Ezequiel com o ex-companheiro de seminário.
Estadão Conteúdo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…