Pular para o conteúdo principal

Documentário "Soldados da Borracha" denuncia triste capítulo da recente história nacional


Dirigida por Wolney Oliveira, produção será exibida nesta quarta-feira (4) em sessão especial do Cine Ceará


Promessas de melhores dias levaram cerca de 60 mil nordestinos para a região amazônica. Metade morreu antes de voltar para casa
Segunda Guerra Mundial (1936-1945) é um dos assuntos mais instigantes para o cinema. Episódios do sangrento campo de batalha e as consequências sociais e políticas do conflito alimentam a imaginação de roteiristas e diretores. Ficção ou documentário, a denúncia do horror já encheu as telas.
Para alguns realizadores da área interessa investigar as trajetórias de criaturas quase anônimas, vítimas de todo tipo de crueldade que um evento desses é capaz de gerar. O documentário "Soldados da Borracha", de Wolney Oliveira, se insere nesta lista.
Premiado na última edição do Festival Internacional de Documentários "É Tudo Verdade", a obra será exibida hoje, às 19h30, em sessão especial do Cine Ceará - Festival Ibero-americano de Cinema. A seleção da qual participa reúne filmes que não integram as mostras competitivas.
A faixa já apresentou ao público "A vida invisível", (Karim Aïnouz) e "Maria do Caritó" ( João Paulo Jabur). Na sexta-feira (6), será a vez de "Pacarrete", que também encerra o evento.
Contextos
Em plena Segunda Guerra Mundial, um acordo de cooperação entre os governos do Brasil e Estados Unidos levou cerca de 60 mil nordestinospara a região amazônica. A missão era extrair látex dos seringais e destinar à indústria norte-americana de armamentos. Àquela altura, revela uma das fontes consultadas na obra, a borracha para os ianques era item ainda mais precioso que o envio de tropas da Força Expedicionária Brasileira (FEB) para a Europa.
O Japão cortou o fornecimento de borracha ao bloquear áreas produtivas de látex situadas na Ásia. Por volta de 1942, controlava 97% das regiões produtoras do Pacífico. Tal estratégia tornou crítica a disponibilidade do produto aos aliados. Por meio do Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores para a Amazônia (Semta), brasileiros eram recrutados e encaminhados aos seringais.
Pobres, flagelados pela estiagem, homens e mulheres escutaram promessas de melhores dias. Muitos foram levados à força. Metade morreu sem nunca voltar para casa.
Hoje, os poucos sobreviventes esperam o reconhecimento como"heróis da pátria" e a prometida aposentadoria equivalente à dos pracinhas que lutaram no Velho Mundo. "Soldados da Borracha" resgata memórias de abandonados. São depoimentos dolorosos, porém capazes de evidenciar a fibra destes combatentes por justiça.
Até chegarem ao Norte, enfrentaram todo tipo de humilhação. Muitos chegavam fracos por conta da disenteria, reflexo das péssimas condições alimentares. Lá, recebiam o mínimo.
"Uma colher com garfo pregado, uma camisa de 'algodãozinho' e uma calça azul. Cigarro só dava para tapear de início. E acabou a história. Dinheiro? Conversa de bêbado", detalha o soldado Jeová Santos.
Morriam pela mata. Malária, ataques de animais e fome eram a realidade daquele "sonho dourado". Para garantir o sustento mínimo, precisavam extrair cerca de 50 kg. Equivalente a comer na floresta durante uma semana apenas. O regime era de escravidão. Muitos eram acorrentados e nem tiveram chances de enterrar seus familiares.
Em 2004, Wolney lançou "Borracha para a Vitória" (2004) e parte dos entrevistados daquele momento retornam na premiada atualização de 2019. Contribui para o resgate um serviço de edição mais atraente, marcado pela inserção de animações. Outro ponto interessante é reportar os últimos esforços do Governo brasileiro em reparar este genocídio. Que outros filmes e livros denunciem um episódio tão perverso do Brasil.
Serviço
29º Cine Ceará - Festival Ibero-americano de Cinema
Exibição especial de "Soldados da Borracha", de Wolney Oliveira. Hoje (4), às 19h30, no Cineteatro São Luiz (Rua Major Facundo, 500, Centro). Gratuito. Ingressos com distribuição no local

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…