Pular para o conteúdo principal

Doña Bárbara, o maior clássico da literatura venezuelana completa 90 anos

O escritor Rómulo Gallego é comparado ao brasileiro Machado de Assis e teve 15 indicações ao Prêmio Nobel de Literatura

Brasil de Fato | Caracas (Venezuela)
A Venezuela também é um celeiro da literatura latino-americana. O mais clássico dos romances venezuelanos, o livro "Doña Bárbara", de Rómulo Gallego, completou 90 anos em 2019. Sua primeira edição foi publicada em 1929. Desde então foi traduzido em 12 idiomas e reeditado mais de 20 vezes na Venezuela.
A obra chegou a ser considerada como "possivelmente o romance latino-americano mais conhecido", pela Hispanic Review, revista estadunidense dedicada à publicação de pesquisas e obras literárias hispânicas.
Gallego está para a literatura venezuelana, como Machado de Assis está para a brasileira. Doña Bárbara retrata a Venezuela rural dos anos 1920, a disputa pela terra, o poder do latifúndio, o classismo, mas também a reconciliação racial, assim como os vícios e virtudes do homem e da mulher venezuelanos.
O autor também fez carreira política, chegando a governar o país por nove meses, e trabalha alguns aspectos da construção cultural da sociedade venezuelana.
O petróleo e o êxodo rural
“Gallego retrata nesse livro a parte mais nobre dos homens e das mulheres venezuelanos, mas também a mais miserável”, afirma o escritor venezuelano Nelson Guzman, doutor em filosofia e professor de Ciências Sociais da Universidade Central da Venezuela.

Escritor Nelso Guzman fala sobre os 90 anos do livro de Rómulo Gallego (Foto: Fania Rodrigues)
A história se passa no estado de Apure, na planície venezuelana, na época em que começou o êxodo do campo para a cidade.
A Venezuela é o país com a menor população rural da América Latina. Justamente na década de 1920, o país passou a exportar petróleo e deu um giro na sua economia. Em 1928, a Venezuela era o segundo maior produtor e exportador de petróleo do mundo, com 275 mil barris por dia. Foi o petróleo venezuelano que possibilitou a etapa estadunidense da segunda Revolução Industrial.
Esse processo de industrialização com base no petróleo acelerou a migração interna. Foi nessa efervescência econômica e a transição entre o rural e o urbano que sugiram os personagens de Rómulo Gallego, um autor que terminou influenciando várias gerações de escritores latino-americanos.
Doña Barbara
Reza a lenda que o romance teria sido escrito em tão somente 27 dias, em algum mês do ano de 1927, segundo o escritor venezuelano Nelson Guzman (Foto: Fania Rodrigues)
O sexto dos 17 livros escritos por Gallego, Doña Barbara é considerado sua obra-prima. Apesar de nunca ter ganhado o Nobel, o trabalho do escritor venezuelano recebeu quinze indicações ao Prêmio Nobel de Literatura, de acordo com a Academia Sueca.
Um certo Evaristo Luzardo, forasteiro rico que decidiu se instalar na zona e fundou por lá sua fazenda: Altamira. Quanto Evaristo morre começa a etapa mais intensa da trama, pois a longa extensão de terra passa a ser o centro das disputas. O herdeiro de Evaristo, o jovem Santos Luzardo, havia mudado para a capital, Caracas, ainda adolescente, onde estudou e se tornou “doutor” (advogado).
Nesse meio tempo, a fazenda esteve abandonada nas mãos de administradores de reputação duvidosa. O descuido que permitiu a ascensão da personagem que dá título ao livro: Doña Bárbara, que toma as rédeas da administração da fazenda, que nesse momento já tinha mudado de nome e passou chamar Barcareña.
O autor descreve a personagem principal, Doña Bárbaba, como uma mulher de origem indígena de beleza única: ela é quem tem o controle da situação. Bárbara é uma sobrevivente da violência do campo e do machismo, que mais tarde fez uso da violência em benefício próprio.
Quando o herdeiro, Santos Luzardo, decide vender a fazenda para mudar-se para o exterior, ele volta ao lugar e se dá conta do abandono e do descuido. Doña Barbara, por sua vez, tinha tornado-se violenta, astuta e severa.
Doña Bárbara representava então a barbárie típica do campo nessa época. Suas formas contraditórias são o produto de sua herança mestiça e refletem o comportamento selvagem de seu ambiente. Seu comportamento é uma reação ao trauma que sofreu em sua infância, tendo sido vítima de estupro.
Já o advogado Santos Luzardo é caracterizado pelos modos típicos da "civilização e do progresso", um homem com "grande profundidade psicológica e é essencialmente uma boa pessoa".
Santos apaixona-se por Bárbara.
Para o crítico de arte Alejandro Carrillo, o personagem Santos Luzardo tinha algo de Hamlet. “Ele levanta questões muito simples mas esclarecedoras sobre a incerteza que o rodeia, as intrigas do palácio, o envenenamento do pai, a traição. ‘Algo fede no reino da Dinamarca’, disse o príncipe dinamarquês. Algo cheirava mal na atmosfera da terra natal do jovem advogado apressado, quando percebeu que em sua fazenda tinha algumas coisas que não iam bem”.
Também escritor e professor de Música da Universidade Central da Venezuela, Alejandro Bruzual, concorda que Gallegos discute grandes dilemas. “O personagem Maricela, filha de Doña Bárbara, questiona o conceito de educação, pois ‘educação não é apenas ler e escrever’, diz a personagem. E tem esse conflito entre civilização e barbárie que a novela não resolve”, destaca.

Escritor e professor Alejandro Bruzual destaca particularidades de Doña Bárbara (Foto: Fania Rodrigues)
O escritor explica ainda que o livro possui várias metáforas. “O livro é permeado pela violência. A força da violência da nação. Vemos duas metáforas principais, uma delas é o cavalo selvagem, que representa a planície selvagem venezuelana. É o símbolo da força indomável da Venezuela do século 20, o espírito rebelde que está presente na cultura. E o segundo é a conciliação racial, apresentado pelos personagens Maricela e Nelson. É uma novela absolutamente otimista”, diz Alejandro Bruzual.
Portanto, esse romance, considerado um clássico da literatura, parece ter sido construído por Rómulo Gallego como uma peça sinfônica, com ritmo da boa pluma, algumas pausas e muitos pontos de tensão, onde estão presentes os dilemas e sentimentos universais.

Atriz mexicana María Félix representa o papel de Doña Bárbara em filme de 1943 (Foto: Arquivo)
Edição: Rodrigo Chagas e Daniela Stefano

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …