Pular para o conteúdo principal

Em 'Todos os santos', Adriana Lisboa reflete sobre o perdão

O trauma causado por uma morte desperta nos personagens a reflexão sobre dor, superação e evocam reflexões existenciais.
No novo romance, Adriana Lisboa faz a personagem indagar sobre os efeitos de um trauma.
No novo romance, Adriana Lisboa faz a personagem indagar sobre os efeitos de um trauma. (Lucero Photography)

Por Jacques Fux*
Onde começa uma vida e uma história? Em cada história e vida, quantas fronteiras são ultrapassadas, quantas se multiplicam e quantas se interrompem bruscamente? Quantas chamas e somas não fecham, quantas se dissolvem? O que pode ser esquecido, o que deve ser lembrado e o que de fato conseguimos superar? Do que sofremos por não entender e o que pode passar a fazer sentido quando é resgatado da espuma do esquecimento? Do que lemos, o que fica e o que vai embora, talvez para sempre? Qual o poder da criação inventiva e do perdão?
Em Pardonner: l'impardonnable et l'imprescriptible, Jacques Derrida escreveu: “Porque o perdão implica, talvez, a entrada no jogo, como por hipótese, a entrada em cena do terceiro que, no entanto, ele deve ou deveria excluir. Em todo caso, segundo o bom senso mesmo, ninguém parece ter o direito de perdoar uma ofensa, um crime, um erro cometido no lugar de algum outro. Não se deveria jamais perdoar em nome de uma vítima, e sobretudo se ela está radicalmente ausente da cena do perdão, por exemplo, se ela está morta. Não se pode pedir o perdão aos vivos, aos sobreviventes, para os crimes dos quais as vítimas estão mortas. E por vezes os autores também. Estaria aí um dos ângulos desde os quais abordar todas as cenas e todas as declarações de arrependimento e de perdão pedido”.
O novo livro de Adriana Lisboa se propõe a refletir e perscrutar, em nome de um terceiro, sobre esse perdão – ou, ao menos, a compreensão pelo seu desaparecimento e por toda dor que ele causou. A autora, na voz de sua narradora Vanessa, conta o evento traumático pelo qual duas famílias – a sua e a de seu amigo/amor André – passaram. Profundamente abalados por uma morte e um luto não totalmente elaborado, esse evento sempre retorna e se reinicia à procura de uma compreensão a posteriori para, quem sabe, superar o fim da dor.
Sobre o evento traumático, Alain Badiou disse: “O evento é de um regime diferente das ações e paixões do corpo, mesmo que resulte delas” e “uma vida é composta de um único e mesmo Evento, sem toda a variedade do que acontece com ele”.
Vanessa narra o trauma em toda sua variedade e apresentando todas as veredas e travessias que dele surge. Ela tenta entender seu passado e a história de seu irmão mais novo, melhor amigo de André – agora, seu companheiro amoroso – que, muito jovem, sofre um acidente na piscina e morre antes que alguém possa socorrê-lo. Vanessa e André – e também suas famílias – ficam extremamente ligados por conta dessa grande perda.
No momento da narrativa, vivendo na Nova Zelândia como bióloga, Vanessa procura por suas reminiscências, pelas lacunas e falhas, e busca se perdoar pelo que aconteceu com o irmão, com sua família e com a família de André. A narradora, diante da descoberta de um grande segredo que coloca em risco toda a história tecida pelo trauma, tenta ainda recontar, reviver e compreender seu romance com André – seus encontros, desencontros, amores e outras dores. Muito é revelado, muito é superado e muita dor é poeticamente escrita.
Vanessa sempre se dirige ao André em busca de superação/redenção: “O que fica da gente. O que permanece de você na impermanência da nossa vida juntos, essas flores secas que catamos uma vez no deserto de Rangipo. O lugar das roupas no armário. O seu lado da cama. No final das contas, o que fica é o valor de cada hora, você não acha, André? O pigmento ocre soprado pelos neandertais sobre a parede de uma caverna. A concha e o osso de um peixe na estrutura de um sambaqui. A galinha do ensopado brasileiro que, assim como o cachorro do ensopado chinês, queria continuar viva. Tudo travessia. O corpo que perdeu uma terra agora perde outro corpo. Seria possível você não ter ido embora? O que eu precisaria ter feito, ou desfeito, ou refeito, para que você não fossem embora?”
Com uma bela prosa poética, Adriana Lisboa tece uma narrativa que viaja entre as memórias e os fatos, entre os limites da invenção e da narrativa com imagens e construções delicadas e sensíveis. Uma escrita que apresenta os começos, as fronteiras, as vidas, memórias, amores e dores múltiplas em busca de compreensão/perdão e também da própria tessitura literária.

TODOS OS SANTOS
De Adriana Lisboa
Alfaguara
152 páginas
R$ 49,90 e R$ 34,90 (e-book)

*Jacques Fux é matemático e escritor, autor de 'Meshugá: um romance sobre a loucura' (José Olympio, 2016), 'Nobel' (José Olympio, 2018), entre outros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …