Pular para o conteúdo principal

'Estilo é resposta à discriminação', diz Mahershala Al, vencedor de dois Oscars

Vencedor de dois Oscars, ator fala sobre cinema, fé, racismo e de ter virado embaixador da marca Zegna.
Cena do filme 'O Hotel Greenwich', idealizado pelo ator Robert De Niro, em Nova York.
Cena do filme 'O Hotel Greenwich', idealizado pelo ator Robert De Niro, em Nova York. (Divulgação)

O Hotel Greenwich, idealizado pelo ator Robert De Niro, em Nova York, é de uma elegância distinta, com sofás de couro, tapetes iranianos e prateleiras repletas de clássicos da contracultura. Foi ali que o ator Mahershala Ali recebeu a reportagem, vestindo blazer de alfaiataria verde-garrafa com uma camiseta da mesma cor em um tom mais claro totalmente em harmonia com a sofisticação cool do ambiente.
Vencedor do Oscar de melhor ator coadjuvante por Moonlight, em 2017, e Green book, 2019, Ali vive o auge da carreira aos 45 anos, aclamado pela crítica e com grandes oportunidades ao seu dispor. Virou também um ícone de estilo, sempre nas listas dos mais bem-vestidos representando a Ermenegildo Zegna, a marca masculina mais chique da Itália.
Com porte majestoso e o semblante doce, Ali encarna o cavalheiro de uma nova era, na qual a masculinidade tem a ver com sensibilidade, equilíbrio e fé. Criado pela mãe cabeleireira, em Oakland, na Califórnia, o ator era um dos poucos afro-americanos no colégio. Ótimo jogador de basquete, adorava as disciplinas de Humanas, escrevia poesia e acabou tomando gosto pelo teatro. Antes de estourar em Moonlight, precisou abrir mão do papel de sucesso em House of cards para seguir seu coração. "Busco me sentir completo holisticamente."
Masculinidade
O que torna um homem admirável hoje? Ternura, amorosidade, integridade, fé, equilíbrio... O homem do momento é um sujeito doce e sensível às desigualdades e minorias e, nesse aspecto, poucos galãs de Hollywood se posicionam tão bem quanto Mahershala Ali.

Para entender seu magnetismo, é preciso saber que Ali é um homem de frases bem pensadas e um discursos um tanto místico. Suas atuações na série House of cards e em Luke Cage renderam sua fama de profissional sério, impulsionando a carreira cinematográfica. Antes disso, já havia atuado em O curioso caso de Benjamin Button até o reconhecimento de seu talento chegar com o Oscar de melhor ator coadjuvante em Moonlight, em 2017. Seus discursos ao receber a estatueta, nos dois casos, foram emocionantes – Ali é o primeiro ator muçulmano a receber a estatueta.

O novo modelo de masculinidade flerta com o feminino, em busca de um reposicionamento diante das transformações radicais da sociedade e da onda crescente de movimentos feministas. Não à toa, Ali agora foi escolhido como rosto da marca Ermenegildo Zegna para uma campanha-manifesto "What makes a man?" Em um filme fashion, o ator segura uma flor, arrancando pétalas enquanto fala sobre o amor. Não deixa de ser uma quebra de paradigma.

Por isso, é simbólico o fato de a marca italiana adaptar agora suas criações investindo em looks mais casuais e produzindo mensagens como essa, que reexaminam o papel do homem moderno e desafiam sutilmente a masculinidade tóxica.
Mahershala Ali é um homem grande, musculoso, naturalmente elegante, que aprendeu a se vestir bem desde pequeno. "Isso faz parte da cultura negra", diz ele. "Sempre fui consciente de como ser negro é algo que fala por mim antes mesmo de eu abrir a boca." Na entrevista, Ali fala sobre masculinidade hoje, sua experiência no cinema e desigualdade em Hollywood. 
Como define os novos códigos de masculinidade? Que tipo de homem é você?

Estou preocupado com movimento, crescimento e expansão. Permanecer em um só lugar nos torna estagnados, não nos ajuda a evoluir. Quero evoluir. Tenho orgulho de ser aberto, consciente e disposto a ouvir e aprender.

Depois de vencer o segundo Oscar, este é um momento muito excitante para você. De que forma Moonlight Green book mudaram a sua vida?

Todos procuramos nos sentir mais completos. Estou buscando me sentir completo holisticamente, em todos os aspectos da minha vida, e a atuação é um deles. Esses trabalhos me abriram novas oportunidades e acessos, e não digo isso só em termos financeiros. Com eles, atingi um nível profundo de satisfação com relação ao que gostaria de dizer como artista.

Acredita que o cinema e a moda podem ajudar a formar sociedades menos desiguais?

Não há muito espaço na moda para pessoas como eu. Então, ver um homem afro-americano como embaixador de uma marca de moda italiana, por exemplo, gera um impacto positivo. Não acho que alguém racista vai mudar sua mentalidade do dia para noite por me ver numa campanha, mas o fato disso não ocorrer antigamente e agora virar uma realidade gera um momento de pausa para que as pessoas reflitam sobre questões raciais. No cinema, diferentes contribuições também devem aparecer e outras histórias precisam surgir. É necessário esforço cultural para possibilitar a comunicação em diferentes comunidades, nas quais a opressão atinge certas pessoas. Narrativas sobre gays, mulheres negras, transgêneros ajudam a gerar um impacto saudável em nossas relações.

O que mudou nos últimos anos nos EUA em relação ao preconceito racial?

Não acho que as mudanças ocorreram exclusivamente nos EUA. Esse movimento é global, estamos criando novas narrativas que podem ajudar a conscientizar as pessoas. Quando nos tornamos conscientes de algo não saudável, de um comportamento tóxico, podemos fazer mudanças e agir mais corretamente. Acho que as facilidades de conexão entre as pessoas hoje estão abrindo caminhos para o convívio entre diferentes raças e culturas. Mas é preciso continuar passando a mensagem. Estamos apenas no começo.

O que o seu estilo diz sobre você? Em quem se inspira?
Meu pai me impactou nesse sentido. O estilo dele era extraordinariamente cool e ele estava sempre me fazendo ter noção do que escolher para usar em Nova York ou na Califórnia. Minha mãe era cabeleireira e eu, que sempre fui introvertido, sentia que meu estilo podia falar por mim. Uma das primeiras coisas que aprendi foi combinar roupas, cores, texturas. Isso fez parte da minha educação e acho que faz parte da cultura negra também, já que a gente não tem chance de conseguir um trabalho ou algo assim se não estiver bem vestido. Não digo que isso é algo positivo. Mas ter estilo é uma reação, uma resposta à discriminação que vivemos como negros. Sempre fui consciente de como ser negro é algo que fala por mim antes mesmo de eu abrir a boca.

Hoje, a televisão e as plataformas de streaming dominam a cena. Os meios e as plataformas importam para você?

Para mim, não importa qual seja a plataforma, desde que nós possamos aprender com histórias, estilos de vida e nos conectar com a condição humana. Se a história é produtiva, nós podemos tirar algo daquilo na tela, em qualquer que seja o formato. Busco apenas ter certeza de que minha contribuição importa e causa um impacto positivo nas pessoas.

O que leva em conta ao escolher seus papéis?

Costumo olhar para atores que admiro, como Daniel Day Lewis, e entender como conseguem se transformar a cada interpretação. Se você tem a ousadia de estar nesse meio, precisa aprender a se ver no lugar de outra pessoa e esquecer quem você é. Tenho isso em vista quando escolho um papel.

Está animado em protagonizar Blade, o caçador de vampiros?

É meu primeiro trabalho com a Marvel, nunca havia tido a oportunidade de fazer um filme de ação. Na verdade, fiz alguns trabalhos do tipo, mas meus personagens sempre morriam antes da verdadeira ação começar (risos), então não quero morrer desta vez!

Há outros projetos em andamento?

Quero partir para a produção. Na verdade, já estou produzindo um trabalho para a HBO, e estou bem animado.

A que você diz não?

Ao que é improdutivo. Seja um trabalho ou uma conversa. Se não é produtivo, não faz sentido.

Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…