Pular para o conteúdo principal

Exposição de Sebastião Salgado em basílica italiana alerta sobre ameaças à Amazônia

O fotógrafo acusou Bolsonaro por políticas de exploração que, segundo ele, aceleraram o processo de destruição da Aamazônia.
Sebastião Salgado em sua exposição 'Genesis', em 2018.
Sebastião Salgado em sua exposição 'Genesis', em 2018. (Flickr)

Por Antonio Denti e Oriana Boselli
Centenas de pessoas enfrentaram a chuva na noite de domingo (22) para ver fotos da Amazônia feitas pelo aclamado fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado, expostas na Basílica de São Francisco de Assis, na região italiana da Úmbria, e ter a chance de ouvi-lo falar sobre as ameaças enfrentadas pela região.
As imagens em preto e branco mostram povos nativos da Amazônia, enquanto músicas clássicas do compositor Heitor Villa-Lobos tocavam ao fundo, no que quase parecia um réquiem para as partes da Amazônia que já foram perdidas pelo desmatamento e pela mineração.
Dirigindo-se ao público, Salgado disse que aquele é "o modelo econômico predatório que está em todo lugar do mundo. Nosso sistema de agricultura, nosso sistema industrial, nosso sistema de consumo que causaram a destruição da Amazônia".
O evento ocorreu na cidade de Assis na véspera de uma cúpula climática da Organização das Nações Unidas (ONU) e foi um de muitos ao redor do mundo para atrair atenção às mudanças climáticas e a outras questões ambientais.
São Francisco de Assis escreveu o Cântico do Irmão Sol, uma oração em louvor à criação que se refere ao irmão Sol e à irmã Lua e é uma referência para ambientalistas católicos e não católicos.
Salgado disse que tem trabalhado nesse projeto fotográfico ao longo dos últimos sete anos e viveu em meio a 12 tribos na Amazônia.
O fotógrafo afirmou que o presidente Jair Bolsonaro não pode ser completamente responsabilizado pela destruição da floresta amazônica, que começou há décadas, mas acusou Bolsonaro por políticas de exploração que, segundo o fotógrafo, aceleraram o processo.
Padres católicos da Amazônia devem se reunir no Vaticano no próximo mês para debater o futuro da igreja na região. Salgado saudou o encontro e disse que os religiosos deveriam discutir formas de introduzir um modelo econômico duradouro para proteger a floresta tropical.
"Caso contrário, ela nunca será protegida. Nós vamos perder a floresta. Pode ser em 10 anos ou pode ser em 20 anos, mas vamos perdê-la", disse.

Reuters

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…