Pular para o conteúdo principal

“Flicts”, de Ziraldo, chega aos 50 anos revigorado por narrativa atemporal sobre autoaceitação


Clássico do cartunista mineiro ganha edição comemorativa pela Melhoramentos, com comentários de outros grandes nomes da literatura


Ver de verdade é exercício demorado. Percorre travessia talvez tão longa quanto achar-se. Atos em constante processo, fundem-se de maneira orgânica: para encontrar o genuíno eu, é preciso perceber com os olhos o interior. Palmilhar escombros, cruzar origens, perceber vontades. E nesse mundaréu de verbos, deixar-se aberto à dor e solidão que muitas vezes essas andanças provocam. Não é fácil captar-se.
Ziraldo compreendeu bem essa perspectiva e fez mais: abraçou-a por completo em doses máximas de criatividade. Concebeu um dos maiores clássicos da literatura infantojuvenil brasileira quando do desafio proposto pelo editor Fernando de Castro Ferro, da Expressão e Cultura.
À época, década de 1960, o cartunista mineiro pretendia editar uma coletânea das tiras semanais que publicava em dois veículos - o Jornal do Brasil e a revista O Cruzeiro. Para realizar o feito, contudo, teria que escrever um livro infantil em curto espaço de tempo, a fim de otimizar o esquema de produção dos conteúdos.
Nascia "Flicts", que, neste ano, celebra meio século em plena forma, revigorado pelo ânimo de gerações ao entrarem em contato com o livro. Texto-imagem sobre muita coisa, é universo de possibilidades abertas, num inventivo jorro cromático em direção ao profundo de nós mesmos, seja entre os de pouca ou maior idade. Afinal, conhecer a si, ao passo que atemporal, também desconhece ciclos. Ou melhor: imerge em todos eles.
0202
Trecho do livro, que aprofunda olhares sobre temas como autoaceitação e procura por lugar no mundo

INVENTIVIDADE

Flicts é apresentada à audiência como uma cor "muito rara e muito triste". Diante das outras, ela não parece possuir algo que a defina. Não tem a força do vermelho, a imensa luz do amarelo, nem a paz que tem o azul, conforme Ziraldo destaca. É "frágil, feia e aflita".
Por isso mesmo, tenta de todas as formas se integrar a um mundo onde a totalidade de cores parece saber muito sobre si - podia ser uma narrativa contada por nós mesmos, não é verdade? Nesse contexto, a jornada, ao passo que doída, vai revelar-lhe lições preciosas sobre o próprio eu.
Além de imergir em temáticas caras aos tempos de sempre, o cartunista destaca-se pela inventividade com a qual passa o recado. Se a obra ocupa espaço privilegiado no cenário artístico-cultural brasileiro, muito se deve ao engenhoso trabalho de percepção e arranjo de formas e tons que Ziraldo combina nas páginas, de maneira a expandir a consciência dos leitores sobre o estado de espírito da cor protagonista.
Não à toa, Flicts caminha em cenários construídos a partir do branco total, da flutuação no azul, no atravessar de uma esfera ou entre recortes de outras cores. É tonalidade afoita pela busca. Celebrar os cinquenta anos desse misto de percepções que a obra evoca ficou por conta da Editora Melhoramentos, unida à forte time.
A designer e sobrinha do autor, Adriana Lins, e o designer e escritor Guto Lins, assumiram o leme da proposta de reeditar o material, fac-similar à primeira edição, primando pela fidelidade ao projeto inicialmente idealizado pelo cartunista, mantendo diagramação e tipografia originais.
Também retorna às 80 páginas - outrora havia ficado com 40 devido às demandas mercadológicas - e, conforme a editora, deve sair assim em todas as próximas edições.
Nessa nova-antiga roupagem, vem ainda com um bônus: comentários de amigos de Ziraldo, relevantes personalidades das letras nacionais, tais como Rachel de Queiroz e Millôr Fernandes.
A crônica escrita por Carlos Drummond de Andrade no dia do lançamento do livro também está disponível na íntegra, logo nas primeiras páginas, resgatando as considerações feitas pelo poeta sobre a obra-prima do amigo.
"Que é Flicts? Não digo, não quero dizer. Cada um que trave contato pessoal com Flicts, e sinta o que eu sinto ao conhecê-la: um deslumbramento, um pasmo radiante, a felicidade de renascer diante do espetáculo das coisas em estado puro", confessa.
0303
Autógrafo de Neil Armstrong na obra, lançada no mesmo ano em que o astronauta pisou na Lua

PROCESSO

Ziraldo finalizou o livro em apenas dois dias, utilizando pedaços de papéis coloridos no protótipo, o que justifica a natureza minimalista e experimental da obra. Pela fácil apreensão do conteúdo - incapaz de negar sua complexidade, mas complementando-a - o material, reeditado várias vezes, já foi adotado como conteúdo pedagógico por escolas e ganhou os palcos a partir de adaptação para o teatro.
Igualmente, foi traduzido para idiomas como inglês e japonês, e, até hoje, não caiu no índice de vendagens da Melhoramentos. Pelo contrário: ano após ano, os exemplares ocupam as mãos do público, seja em eventos de maior porte ou na simples presença nas prateleiras das livrarias.
Para além de tudo o que mencionamos quanto aos aspectos técnicos e imaginativos da narrativa, o que justifica tamanha adesão por parte de leitores e leitoras? É que Flicts é bem mais que grafismos inteligentes esparramados por páginas em brochura. Com o enredo, Ziraldo entrega uma apoteose à sensibilidade sem desmerecer as questões comportamentais importantes para a compreensão própria e do mundo ao redor.
É sobre combater a discriminação e exaltar a diversidade, bem como considerar que nascemos únicos e, portanto, detentores de nossas jornadas. Perceber essas nuances é abrir espaço para que a liberdade de ser quem é convoque novos precedentes de aceitação e acolhimento ao novo e diferente.
Ao final da leitura desse cativante e verdadeiro recorte da vida, você verá que o universo, colorido ao extremo, tem espaço para todas as cores. Neil Armstrong é prova disso. Ao pisar no satélite maior que tudo vê, declarou: "A Lua é Flicts".
0404
Flicts
Ziraldo
Melhoramentos
2019, 80 páginas
R$44, 48


Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…