Pular para o conteúdo principal

Livro de arquiteta cearense resgata a estrutura das cozinhas ancestrais às modernas


Ana Virginia Furlani passeia pelos hábitos de cozinhar e de comer em publicação lançada na Casa Cor Ceará esta semana


Quanto tempo você passa na cozinha de casa? Para a arquiteta cearense Ana Virginia Furlani, essa resposta pode dizer muito também sobre o ato de preparar alimentos e de comê-los. "Se o espaço for convidativo, você fica nele por várias horas e faz comidas que vão muito além das ultraprocessadas ", acredita a autora do livro "Cozinha: Do fogo aberto ao século XXI", lançado esta semana na Casa Cor Ceará.
A obra, publicada pela editora Senac Ceará, nasceu como uma tese de conclusão de curso, escrita entre os anos 2005 e 2008, quando Furlani fazia uma pós-graduação na Universidade Politécnica da Catalunha. À época, o foco era apresentar uma história da gastronomia e da arquitetura das cozinhas euro-americanas, uma vez que os livros que tinha acesso eram todos dessa região.
Há dois anos, porém, quando retomou a leitura do trabalho, resolveu dar novo fôlego a ele, incluindo uma reflexão sobre as cozinhas do Brasil, desde o período da colonização.
A compreensão de que nossa cultura é formada pelo tripé branco, índio e negro é fundamental para que possamos entender a nossa cultura alimentar e, dentro dela, a arquitetura das cozinhas", escreve a arquiteta.
Dentro dessa perspectiva, a autora observou, por exemplo, que vivemos no único país onde existem duas circulações residenciais segregadas, uma social e outra de serviço, "fato que por si só já demonstra a maneira como a sociedade e, consequentemente, a arquitetura se comportam com relação ao serviço doméstico", analisa.

PUBLICAÇÃO

A atualidade de discussões como essa e o aumento das buscas por conteúdos relacionados à culinária estimularam Furlani a publicar o livro no Brasil. "Hoje a cozinha virou objeto de desejo. O que tem de programa de gastronomia na TV e de livros sobre o assunto, não é verdade? As pessoas estão investindo nesse espaço e cozinham porque querem, não porque são obrigadas, visto que têm a praticidade dos aplicativos e todo tipo de cozinha ao alcance do celular", acredita a autora.
Ela não esconde a satisfação de oferecer uma bibliografia histórica sobre esse assunto.
A cozinha já foi dos escravos, da empregada doméstica, da dona de casa, de ninguém - com a geração micro-ondas -, e voltou a ser o coração da casa. Minha alegria é ver que hoje ela tem o destaque que merece e quis transmitir isso com essa publicação", expressa.
Os interessados em adquirir a obra podem encontrá-la no Espaço Cozinha de Origem, da Casa Cor Ceará (Rua Visconde de Mauá, 950), também assinado por Ana Virginia Furlani. Aos sábados e domingos, sempre das 19h às 20h, o ambiente receberá oficinas gratuitas de gastronomia. "É o combo perfeito. Você passa lá, aprende a fazer um prato e ainda sai com o meu livro", convida a arquiteta. Vale ressaltar que o ingresso para a Casa Cor é R$50 (inteira) e o passaporte para todos os dias, R$150.
Image-1-Artigo-2585231-1Image-1-Artigo-2585231-1
COZINHA: DO FOGO ABERTO AO SÉCULO XXI
Ana Virginia Furlani
Editora Senac Ceará
2019, 216 páginas
R$ 62,30

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…