Pular para o conteúdo principal

Livro traduz para o português importante manuscrito sobre a América e o Brasil


Bibliófilo José Augusto Bezerra e a brasilianista Ingrid Schwamborn organizam a obra, com rica iconografia de mapas e ilustrações da época


Desde que adquiriu a cópia manuscrita da “Lettera al Soderini”, José Augusto Bezerra tomou para si a tarefa de esmiuçar e divulgar os principais detalhes acerca do documento. Trata-se de um opúsculo de 32 páginas, cujos primeiros exemplares são raríssimos, outrora sob posse apenas de algumas instituições de extremo respeito no mundo, caso das bibliotecas do Museu Britânico, da Universidade de Princeton e Palatina de Florença.
“Sabíamos que o original do manuscrito não mais existia e uma cópia secular da carta que deu o nome à América tratava-se de um documento valioso, que devia ser preservado para a posteridade”, situa o bibliófilo cearense.
Com o escrito em mãos, ele se uniu a outros destacados estudiosos para trazer à superfície o livro “A Carta de Américo Vespúcio, em Lisboa (1504) e o mapa de Martin Waldseemüller, com o nome America, delineando as terras do futuro Brasil (1507)”.
Lançada no último dia 24 de agosto durante a XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará, com o apoio das Edições UFC, a obra despertou grande interesse do público, haja vista o esgotamento dos exemplares no evento.
Natural: o título chega de maneira a corrigir falhas da tradução da lettera para o latim, que haviam sido cometidas pelo humanista e cartógrafo alemão Martin Waldseemüller, e reafirma a relevância da imagem de Américo Vespúcio – prejudicada, ao longo da história, por interesses de Estado. 
“Tudo enriquecido com dados e provas, por meio de documentos, mapas e preciosas contribuições de renomados autores contemporâneos, como os Drs. Ottmar Ette e Luciano Formisano”, valida José Augusto que, junto aos dois últimos citados e à brasilianista Ingrid Schwamborn, se debruçou num período de dois a três anos no material. A obra, de grande envergadura histórica e social, resguarda ainda grande iconografia de mapas e ilustrações da época.
img2img2
Bibliófilo José Augusto Bezerra organizou a obra juntamente à brasiliana Ingrid Schwamborn
Foto: Nah Jereissati
A partir desta semana, o livro poderá ser encontrado tanto na Academia Cearense de Letras quanto no Instituto do Ceará, onde já estava. Por assumir caráter bilíngue (português-alemão), também está sendo lido no exterior, ampliando os olhares não apenas sobre o Brasil e o continente americano, como abrindo novas perspectivas de análise sobre uma terra encoberta de detalhes a desbravar. 
Confirmação
O desejo de confirmar se o documento teria realmente pertencido a Francisco Adolfo de Varnhagen – considerado, na visão de José Augusto, pai da História do Brasil – foi o principal motivo para que se iniciasse a empreitada de descortinar o arquivo.
“Também incluo nesse cenário a visão da professora brasilianista Ingrid Schwanborn que, desde os primeiros momentos, reconhecendo a importância do manuscrito, convenceu-me a estudarmos melhor e divulgarmos o raro impresso”, complementa.
Dentre as novidades intrínsecas ao livro, está o fato de essa ser uma fiel e inédita cópia manuscrita do original da “Lettera al Soderini” que pertenceu a Varnhagen, uma das maiores autoridades mundiais nos estudos sobre Américo Vespúcio – inclusive com observações dele, em português, no referido arquivo. E também a pioneira tradução do arquivo do italiano para o português e alemão.
De acordo com José Augusto Bezerra, “essa carta foi fundamental para o conhecimento e divulgação do que depois foi a América e também o Brasil, pois, na terceira viagem, Vespúcio veio logo após Pedro Álvares Cabral para mapear as terras por ele descobertas. Isso porque Cabral só ficara uns dias em Porto Seguro. Aqui, Vespúcio deu nome a locais geográficos importantes, como o rio São Francisco e a Baía de Todos os Santos”.
img3img3
"Mapa de Martin Waldseemuller segundo Americo Vespucio", de 1507
Foi a lettera, com o relatório das quatro viagens nas mãos dos humanistas responsáveis pela estruturação de um novo mapa múndi, que fomentou a inclusão do quarto continente. Daí, decidiram nomeá-lo “America”, em homenagem a Américo Vespúcio, à frente das descrições da nova terra. 
Essa decisão teve repercussões, cujos debates podem ser lidos no livro. Para adiantar, uma das questões envolvendo a nomenclatura deve-se ao fato de o termo ter sido colocado no feminino, pois assim eram os outros continentes. 
Surpresas
A descoberta de uma informação de Adolpho Varnaghen na introdução do livro “Américo Vespúcio, seu caráter, seus escritos”, em Lima (1865), foi a maior surpresa encontrada por José Augusto quando da imersão no material. Adolpho dedica a obra ao marquês Dino Caponi como gratidão por ter lhe deixado consultar o exemplar impresso da lettera. 
“Fez isso, principalmente, por ter lhe presenteado com uma cópia fiel, com fac-símiles, justamente como a que temos, o que confirma que esta foi a lettera que lhe pertenceu”, complementa o bibliófilo. 
Por sua vez, da parte de Ingrid Schwamborn, um dos fascínios na pesquisa foi descobrir, em 2017, que não havia traduções do italiano nem para o português, nem para o alemão, do documento. Foi quando decidiu publicá-lo nas duas línguas, presentes na corrente edição.
img4img4
A Carta de Américo Vespúcio, em Lisboa (1504) e o mapa de Martin Waldseemüller
Organização: José Augusto Bezerra e Ingrid Schwamborn

Edições UFC
2019, 228 páginas
R$ 60


Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …