Pular para o conteúdo principal

Mauc e Museu da Fotografia Fortaleza (MFF) sediam 13ª Primavera dos Museus; Veja programação

Objetivo da ação é alertar para a necessidade de preservar a memória e ampliar o acesso da população aos museus brasileiros


Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) coordena a 13ª Primavera dos Museus. Até 29 de setembro, 848 instituições de todo o Brasil protagonizam um total de 2.650 eventos. Entre outras atividades, o público pode conferir uma agenda marcada por seminários, exposições, oficinas, visitas mediadas, exibições de filmes e palestras. 
Em 2019, a programação é norteada pelo tema “Museus por dentro, por dentro dos museus”. A proposta é aproximar público e museus do debate em torno da preservação destes espaços. Engajar a comunidade a abraçar e defender o cotidiano museológico.
Fortaleza também está no mapa do evento e reúne os esforços conjuntos do Museu de Arte da UFC (Mauc) e Museu da Fotografia Fortaleza (MFF). As duas instituições realizam o “Seminário Interinstitucional Por dentro e para além dos museus: arte, educação e patrimônio”. O evento é aberto ao público e as inscrições são presenciais. Acontece nos dias 25 e 26 (Mauc) e no dia 27 no Museu da Fotografia, nos turnos da manhã e tarde.
Amanhã, às 9h, o Mauc protagoniza a abertura do Primavera dos Museus na capital cearense. A parceria com o Laboratório de Arte Contemporânea (LAC) e Laboratório de Investigação em Corpo, Comunicação e Arte (Licca – UFC) investe na reflexão do tema “Arte e decolonialidade”. Após abertura com as presenças da diretora do Mauc, Graciele Karine Siqueira e do coordenador geral do MFF, Pedro Sergio Lima Ortale, a manhã de quarta-feira prossegue com a conferência “Colonialidade e resistência nas artes de dizer”, com participação de Fatima Vasconcelos (Ludice Grupo de Pesquisa/UFC) e mediação de Claudiana Alencar (Uece – Universidade Estadual do Ceará). 
Em seguida, o painel “Decolonizando o olhar: arte e política na periferia” recebe Karine Araújo (Coletivo Doisvetin), Leon Reis (Negritude Infinita). Rômulo Silva (Laboratório Conflitualidade e Violência – Covio – Uece) e Nágila Gonçalves (Museu da Cultura Cearense). No turno da tarde, às 13h, Iago Barreto Soares (Caravana do Museu Indígena Tremembé de Almofala) e Leandro Santos Bulhões de Jesus (UFC) iluminam “Artes e Museus Indígenas no Ceará”.
Por volta de 15h, “Processos criativos afro-indígenas: curadorias decoloniais” reúne Aline Furtado, Clébson Oscar, Izabelle Louise Tremembé (Licca/UFC) e Eduardo Moreira (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE)
Proteção dos museus e inclusão destes espaços no dia a dia dos brasileiros é um desafio, argumenta Pedro Sergio Lima Ortale. Para o representante do MFF, o Brasil é dono de um patrimônio cultural significativo. A discussão da preservação e acesso a este acervo é significativo. “O debate é rico e questiona como os educadores podem potencializar a ação dos museus como equipamentos culturais vivos e que dialogam com a sociedade”, pontua o entrevistado. É uma demanda que exige atenção tanto da comunidade como de gestores. 
“Os museus são equipamentos que salvaguardam a memória, a discussão sobre cultura. Falamos muito da nossa diversidade e observamos pouco que ela está não só nos museus, como teatros e outros locais onde se realiza a arte. Isso é pouco valorizado. 10% do PIB da França advêm do turismo de espaços e equipamentos culturais”, alerta Ortale. 
Coletividade
A perda irreparável causada pelo incêndio no Museu Nacional, em setembro de 2018, ainda repercute no meio acadêmico. Em nota de divulgação do Primavera dos Museus, o Ibram reconhece que a crise do setor museológico nacional exige de instituições, profissionais e sociedade novas formas de prevenção, gestão e manutenção. 
A ideia de que os museus são guardiões da história é uma situação que envolve esforços da coletividade. “O ato de produzir processos, guardar artefatos e expor memoráveis coleções, sem abrir mão da segurança, demanda batalha diária contra os mais variados agentes de riscos que ameaçam de maneira incessante a integridade física e química dos museus e seus acervos, pois existir é correr riscos e resistir é combater riscos”, diz o Instituto.
MFFMFF
Acessibilidade aos muitos públicos é um dos temas do evento
Sula Bassi
A participação do Museu da Fotografia nesta 13ª edição reafirma a atuação do equipamento na divulgação da cultura e ensino. “O MMF se reafirma como espaço relevante para o Ceará e Brasil. É reconhecido como espaço que dialoga com a produção e a ciência fotográfica, a partir de outros ambientes ou dimensões da cultura. A partir de um olhar sobre a produção estética, dialoga fortemente com a sociedade, realiza projetos na comunidade e a traz para conhecer o museu”, arremata o gestor.
Na quinta (26), a conferência “Por que um museu pode ser perigoso?” traz o debate de Francisco Régis Lopes Ramos (UFC) e Saulo Moreno Rocha (Mauc/UFC). Outras abordagens como “Dia de visitar o Museu: qual o papel do professor?” (Berenice Abreu - Uece) , “Educando o olhar: patrimônio, cultura e cidade” (Edilberto Florêncio - UVA) e “Museu, educação e patrimônio industrial” (Patricia Xavier - Museu da Indústria) são destaques. 
Na sexta (27), o temano MFF será “Por dentro dos museus: estratégias de salvaguarda e comunicação do patrimônio”. Outras discussões envolvem “Documentação e conservação do patrimônio musealizado”, que aproxima do público a Casa de José de Alencar e os seus múltiplos acervos. 
O painel “Acessibilidade e inclusão: democratização do acesso e fruição do patrimônio cultural” evidenciam o processo de contínuas políticas de contato da sociedade com as peças dispostas nos museus. Keli Pereira, Larissa Sales (MFF), Marcia Bitu Moreno, Lara Lima e Carlos Viana (Museu da Cultura Cearense) são alguns dos convidados do dia.
A Primavera dos Museus busca a reflexão dos brasileiros em torno da sua história. Conhecer estes espaços por dentro simboliza identificar raízes, saberes e demandas sociais que ainda carecem de informação. Assim, preservar o passado é um ato de constante reflexão. 
Serviço
13ª Primavera dos Museus 
De 25 e 27 de setembro, no Museu da Fotografia Fortaleza (Rua Frederico Borges, 545, Varjota) e Museu de Arte da UFC (Av. da Universidade, 2854, Benfica). Gratuito. 

Programação
Quarta-feira (25)
Local: Museu de Arte da UFC (MAUC)
Tema: Arte e decolonialidade – parceria com o Laboratório de Arte Contemporânea (LAC) e Laboratório de Investigação em Corpo, Comunicação e Arte (LICCA) – UFC
09h: Abertura – Graciele Karine Siqueira (diretora do Museu de Arte da UFC) e Pedro Sergio Lima Ortale (Coordenador geral do Museu da Fotografia Fortaleza)
09h30: Conferência: Colonialidade e resistência nas artes de dizer
Fatima Vasconcelos (Ludice Grupo de Pesquisa/UFC). Mediação: Claudiana Alencar (UECE – Universidade Estadual do Ceará)

10h30: Painel 1: Decolonizando o olhar: arte e política na periferia
Karine Araújo (Coletivo Doisvetin); Leon Reis (Negritude Infinita); Rômulo Silva (Laboratório Conflitualidade e Violência – COVIO – UECE)
Mediação: Nágila Gonçalves (Museu da Cultura Cearense)

13h: Conferência: Artes e Museus Indígenas no Ceará
Iago Barreto Soares (Caravana do Museu Indígena Tremembé de Almofala)
Mediação: Leandro Santos Bulhões de Jesus (UFC)

15h: Painel 2: Processos criativos afro-indígenas: curadorias decoloniais
Aline Furtado; Clébson Oscar; Izabelle Louise Tremembé (LICCA/UFC)
Mediação: Eduardo Moreira (IFCE)

Quinta-feira (26)
Local: Museu de Arte da UFC
Tema: Educação em Museus e para o patrimônio
09h: Conferência: Por que um museu pode ser perigoso?
Francisco Régis Lopes Ramos (UFC)
Mediação: Saulo Moreno Rocha (MAUC/UFC)

10h30: Mesa redonda: A ação do Núcleo Educativo do MAUC: as experiências das(os) educadoras(es)
O ensino de História através da Educação Patrimonial: o Museu como espaço de ensino e aprendizagem
Ana Lígia de Araújo Costa (História – UECE)

Narrativas museais: a experiência da construção do Núcleo Educativo do Museu de Arte da UFC
Bianca Amarante (História – UFC); Igor Eduardo (Pedagogia – UFC); Jully Dionizio (Letras Libras – UFC); Thaís Cândido Vieira (Letras Italiano – UFC)
Mediação: Luciana Sousa (UFMG)

13h: Mesa redonda: Educação em Museus e para o patrimônio: experiências – Parte I
Dia de visitar o Museu: qual o papel do professor?
Berenice Abreu (UECE)

Educando o olhar: patrimônio, cultura e cidade
Edilberto Florêncio (UVA)

Museu, educação e patrimônio industrial
Patricia Xavier (Museu da Indústria)

Mediação: Lia de Paula (Museu da Fotografia Fortaleza)
15h: Mesa redonda: Educação em Museus e para o patrimônio: experiências – Parte II
O Educativo do Museu de Arte Contemporânea do Ceará
Cris Soares (Educativo MAC.CE)

Relatos de uma experiência em curadoria colaborativa
Natália Maranhão (CAIXA Cultural Fortaleza)

Patrimônio do Meu Eu: vivências educativas na Casa do Capitão-Mor Centro de Referência Cultural e Histórica de Sobral
Neyci Sotero (Secretaria de Cultura de Sobral)

Mediação: Keli Pereira (Museu da Fotografia Fortaleza)
Sexta-feira (27)
Local: Museu da Fotografia Fortaleza

Tema: Por dentro dos museus: estratégias de salvaguarda e comunicação do patrimônio
09h: Painel 1: Gestão de museus e do patrimônio cultural
Experiências com gestão e políticas públicas nos museus cearenses
Cristina Holanda (Fundação Memorial Padre Cícero/Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte)

Patrimônio Cultural da Casa José de Alencar: novos olhares, novas possibilidades
Frederico Pontes (Casa José de Alencar/UFC)

Museu da Imagem e do Som – MIS | SIM.Ce: à procura da Simpoiesis
Silas de Paula (Museu da Imagem e do Som do Ceará)

Mediação: Graciele Karine Siqueira (MAUC/UFC)
13h: Painel 2: Documentação e conservação do patrimônio musealizado
A Casa de José de Alencar e os seus múltiplos acervos, com Márcia Pereira de Oliveira (Casa José de Alencar/UFC)
O que é o “dentro” dos museus?, com Saulo Moreno Rocha (MAUC/UFC)
Mediação: Adson Rodrigo (Secultfor)
14h30: Painel 3: Acessibilidade e inclusão: democratização do acesso e fruição do patrimônio cultural
Acessibilidade no Museu da Fotografia Fortaleza
Keli Pereira, Larissa Sales (Museu da Fotografia Fortaleza)

Projeto Acesso: ações inclusivas no campo museológico
Marcia Bitu Moreno, Lara Lima e Carlos Viana (Museu da Cultura Cearense)

Design Computacional e experiências com arte acessível
Roberto Vieira (UFC)

Acessibilidade no MAUC: ações que fazem a diferença
Carlizeth Campos (MAUC/UFC)

Mediação: Gerda Holanda (Memorial da UFC)
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …