Pular para o conteúdo principal

'O terceiro homem', venerado por cinéfilos mas ignorado em Viena, faz 70 anos

'A Áustria é o único país onde este filme foi um fracasso', afirma Gerhard Strassgschwandtner, que criou um museu dedicado ao famoso longa-metragem.
Museu em Viena em homenagem ao filme
Museu em Viena em homenagem ao filme "O Terceiro Homem". (AFP)

Os turistas que procuram a Viena crepuscular imortalizada no filme O terceiro homem não sabem, mas esta obra-prima do cinema noir nunca conquistou um lugar no coração dos habitantes da capital austríaca. "A Áustria é o único país onde este filme foi um fracasso", afirma Gerhard Strassgschwandtner, que criou um museu dedicado ao famoso longa-metragem, dirigido pelo britânico Carol Reed.
O filme em preto e branco, que estreou em setembro de 1949, se passa em uma Viena desfigurada pela Segunda Guerra Mundial e se apoia na fama de Orson Welles, um dos nomes do elenco.
"O terceiro homem fez sucesso no pós-guerra e recebeu a Palma de Ouro em Cannes, além do Oscar de fotografia. Em poucos anos se tornou uma obra reverenciada pelos cinéfilos. "Se transformou em uma obra da cultura pop em todo o mundo, do Japão aos Estados Unidos", explica Norbert Ketter, diretor da secretaria de Turismo de Viena.
A trilha sonora do longa-metragem, composta pelo vienense Anton Karas e quase integralmente interpretada com cítaras, vendeu 2 milhões de discos em todo o mundo. O filme fez tanto pela imagem da capital da Áustria como os palácios da imperatriz Sissi.
A cada ano, milhares de turistas visitam locais que aparecem no filme, como os canais subterrâneos em que acontece uma das cenas de perseguição mais famosas da produção.
Viena, ninho de espiões
A britânica Maggie Regan assistiu o filme pela primeira vez em Viena, há 15 anos, e retornou à capital austríaca para o aniversário de 70 anos do lançamento. "Queria voltar para assistir aqui de novo. A sala estava lotada. Algumas pessoas assistiram pela primeira vez. É tão bem filmado e bem interpretado. Captura uma atmosfera fascinante com personagens arquetípicos incríveis,", declarou Regan.
Orson Welles interpreta Harry Lime, um traficante perseguido pela polícia. Ele aparece apenas no fim do filme, depois de uma complexa investigação feita por Holly Martins (o ator americano Joseph Cotten), que viaja à Áustria para tentar encontrar o velho amigo.
Filmada como um labirinto de ruínas, a atmosfera da Viena do pós-guerra - ocupada por ingleses, americanos, russos e franceses, e sempre saturada de espiões – foi o cenário ideal para o escritor britânico Graham Greene, autor do roteiro, cuja vida dupla como escritor e espião era um segredo aberto.
Strassgschwandtner observa que foi justamente a imagem pouco atrativa da cidade que irritou os vienenses. "Os moradores da cidade acompanharam com entusiasmo as filmagens de uma produção internacional, mas o resultado final os mostrou como pessoas que procuravam comida no lixo, negociando no mercado negro e que se recusavam a cooperar com a polícia. Não gostaram", recorda Strassgschwandtner.
Um admirador na CIA
Quando Strassgschwandtner inaugurou seu museu no centro de Viena, onde reuniu sua coleção de mais de 3 mil peças, ele e sua esposa Karin Höfler pensavam que era destinado basicamente ao público austríaco porque o longa-metragem "é um documento raro filmado sobre a Viena da época". "Mas 99% de nossos visitantes são estrangeiros, especialmente americanos e ingleses", explica.
George Hilton, um britânico da cidade de Leeds, descobriu O terceiro homem há apenas quatro meses e fala do filme com grande paixão. "É uma história que faz você prender a respiração. Viena mantém algo da atmosfera para mim, seja dia ou noite. Foi o local perfeito" (para o filme), completou.
Hilton e outros visitantes não ficam desapontados nem quando Strassgschwandtner conta que Welles passou apenas uma tarde filmando nos canais subterrâneos a famosa cena de perseguição.
Consagrado como ator e diretor desde Cidadão Kane, de 1941, Welles se recusou a passar mais tempo no sistema de esgoto de Viena e obrigou a produção a filmar em um estúdio em Londres as outras cenas em que ele deveria aparecer.
O impacto do filme foi tamanho que marcou até um verdadeiro espião. O ex-diretor da CIA Leon Panetta relatou em suas memórias a emoção que sentiu em 2010 ao desembarcar no aeroporto de Viena. "A única coisa que faltava era o som da cítara tocando a trilha do filme O terceiro homem"

AFP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…