Pular para o conteúdo principal

Os primeiros museus do mundo testemunham o papel crucial da Igreja na cultura

A Igreja Católica foi decisiva para a pesquisa, a produção, o aprofundamento e a divulgação da cultura, da ciência e da arte

SISTINE CHAPEL EXHIBIT
Em artigo publicado pelo Correio dos Açores em 8 de novembro de 2015, o escritor José Maria C. S. André nos lembra que, durante alguns séculos, só em Roma existiam museus.
Ele relata que, a partir de quando o papado começou a ter influência na administração civil de Roma, os focos de atenção passaram a ser os pobres, a educação e a cultura. Os Papas queriam que, ao melhorarem de vida, as pessoas do povo também pudessem ter mais contato com a arte. Daí surgiram as belas praças decoradas com fontes e com esculturas e os edifícios públicos ornados com pinturas e preciosas tapeçarias. No século XV, visando proteger as obras de arte mais suscetíveis aos efeitos da intempérie, surgiram os primeiros museus do mundo.
O termo “museu” veio do grego “muséon”, que significa algo como “palácio das musas”: a expressão evoca as figuras femininas mitológicas que inspiravam as artes. Também não existiam edifícios dedicados a expor obras de arte, o que exigiu outra inovação. Quando os museus se espalharam pelo resto da Europa, seus edifícios, geralmente, “aproveitavam” palácios de regimes depostos, como o Hermitage em São Petersburgo, o primeiro edifício da National Gallery em Londres e o Louvre em Paris. Já os Museus do Vaticano, diferentemente, nasceram projetados para serem visitados pelo povo. Demoraram séculos para que fossem construídos outros museus “de raiz”, como o Calouste Gulbenkian em Lisboa e os Guggenheim de Nova Iorque e Bilbau.
Outra característica invulgar dos Museus do Vaticano, como destaca José Maria C.S. André, é o fato de não possuir peças roubadas. Enquanto grandes museus do mundo ostentam pinturas e esculturas roubadas de igrejas ou saqueadas dos tesouros egípcios e gregos, os Museus do Vaticano vivem a situação contrária: eles é que foram saqueados, no século XIX, por Napoleão Bonaparte. Estima-se que nada menos que um milhão de caixas foram levadas de lá para Paris, contendo obras de arte e arquivos. Após a queda do imperador, o que foi possível recuperar retornou a Roma.
O mais irônico, no entanto, talvez seja o fato de que, hoje em dia, as mesmas pessoas que atacam a Igreja tachando-a de “obscurantista” e “avessa às manifestações artísticas” também costumam atacá-la por causa do “desperdício” de oferecer arte ao povo! A Igreja é continuamente desafiada a vender todo o seu impagável patrimônio artístico para transformar o ganho em doação aos pobres, ao mesmo tempo em que é acusada de “intolerante” ao questionar as “mostras culturais” em que ofensas contra a fé católica são hipocritamente embaladas em suposta “arte”.
Aliás, se a Igreja criasse um museu dedicado a mostrar o quanto a sua contribuição foi decisiva para a pesquisa, a produção, o aprofundamento e a divulgação da cultura, da ciência e da arte, esse museu talvez só perdesse em tamanho para outro que se dedicasse a mostrar o quanto a Igreja foi atacada injustamente como inimiga da cultura, da ciência e da arte ao longo dos séculos.

Aleteia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…