Pular para o conteúdo principal

Os primeiros museus do mundo testemunham o papel crucial da Igreja na cultura

A Igreja Católica foi decisiva para a pesquisa, a produção, o aprofundamento e a divulgação da cultura, da ciência e da arte

SISTINE CHAPEL EXHIBIT
Em artigo publicado pelo Correio dos Açores em 8 de novembro de 2015, o escritor José Maria C. S. André nos lembra que, durante alguns séculos, só em Roma existiam museus.
Ele relata que, a partir de quando o papado começou a ter influência na administração civil de Roma, os focos de atenção passaram a ser os pobres, a educação e a cultura. Os Papas queriam que, ao melhorarem de vida, as pessoas do povo também pudessem ter mais contato com a arte. Daí surgiram as belas praças decoradas com fontes e com esculturas e os edifícios públicos ornados com pinturas e preciosas tapeçarias. No século XV, visando proteger as obras de arte mais suscetíveis aos efeitos da intempérie, surgiram os primeiros museus do mundo.
O termo “museu” veio do grego “muséon”, que significa algo como “palácio das musas”: a expressão evoca as figuras femininas mitológicas que inspiravam as artes. Também não existiam edifícios dedicados a expor obras de arte, o que exigiu outra inovação. Quando os museus se espalharam pelo resto da Europa, seus edifícios, geralmente, “aproveitavam” palácios de regimes depostos, como o Hermitage em São Petersburgo, o primeiro edifício da National Gallery em Londres e o Louvre em Paris. Já os Museus do Vaticano, diferentemente, nasceram projetados para serem visitados pelo povo. Demoraram séculos para que fossem construídos outros museus “de raiz”, como o Calouste Gulbenkian em Lisboa e os Guggenheim de Nova Iorque e Bilbau.
Outra característica invulgar dos Museus do Vaticano, como destaca José Maria C.S. André, é o fato de não possuir peças roubadas. Enquanto grandes museus do mundo ostentam pinturas e esculturas roubadas de igrejas ou saqueadas dos tesouros egípcios e gregos, os Museus do Vaticano vivem a situação contrária: eles é que foram saqueados, no século XIX, por Napoleão Bonaparte. Estima-se que nada menos que um milhão de caixas foram levadas de lá para Paris, contendo obras de arte e arquivos. Após a queda do imperador, o que foi possível recuperar retornou a Roma.
O mais irônico, no entanto, talvez seja o fato de que, hoje em dia, as mesmas pessoas que atacam a Igreja tachando-a de “obscurantista” e “avessa às manifestações artísticas” também costumam atacá-la por causa do “desperdício” de oferecer arte ao povo! A Igreja é continuamente desafiada a vender todo o seu impagável patrimônio artístico para transformar o ganho em doação aos pobres, ao mesmo tempo em que é acusada de “intolerante” ao questionar as “mostras culturais” em que ofensas contra a fé católica são hipocritamente embaladas em suposta “arte”.
Aliás, se a Igreja criasse um museu dedicado a mostrar o quanto a sua contribuição foi decisiva para a pesquisa, a produção, o aprofundamento e a divulgação da cultura, da ciência e da arte, esse museu talvez só perdesse em tamanho para outro que se dedicasse a mostrar o quanto a Igreja foi atacada injustamente como inimiga da cultura, da ciência e da arte ao longo dos séculos.

Aleteia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…