Pular para o conteúdo principal

Outra Bruna na mira da Ancine, Marquezine

O tema do filme é mesmo a busca do pai - tanto no sentido alegórico, o de uma figura ausente da qual pouco ou nada se sabe como físico.
Bruna Marquezine interpreta a personagem Ophelia.
Bruna Marquezine interpreta a personagem Ophelia. (Reprodução)

Exibido no último Festival de Gramado, o longa de estreia do fotógrafo Klaus Mitteldorf, Vou nadar até você, que tem a atriz Bruna Marquezine como protagonista, deve chegar aos cinemas em outubro, depois de transtornos com a Ancine - Agência Nacional do Cinema, órgão oficial do governo federal cujo objetivo é fomentar, regular e fiscalizar a indústria cinematográfica - mais particularmente a última função, após o presidente Bolsonaro implicar com produções que se chocam com seus padrões morais. Segundo Mitteldorf, ele conseguiu terminar o filme "por milagre", porque "o dinheiro que era para a pós-produção e o lançamento do filme foi bloqueado pela Ancine."
Embora o filme não trate de garotas de programa como Bruna Surfistinha - longa citado por Bolsonaro como um contraexemplo de filme que ele quer apoiado pela Ancine - Vou nadar até você tem cenas de nudez de Bruna Marquezine. A atriz também aparece numa cena fumando um baseado ao lado de Fernando Alves Pinto, que interpreta o papel de Smutter, contratado pelo pai de Ophelia para seguir seus passos na longa viagem empreendida por ela (a nado) entre Santos e Ubatuba. No ponto de chegada mora Tedesco, fotógrafo e artista plástico que manteve uma relação amorosa com a mãe da moça.
O tema do longa é mesmo a busca do pai - tanto no sentido alegórico, o de uma figura ausente da qual pouco ou nada se sabe como físico. Tedesco (o ótimo ator alemão Peter Ketnath), a exemplo do diretor Mitteldorf, é um fotógrafo pioneiro no registro de imagens de surfe.
As referências autobiográficas não param por aí. As duas principais autocitações são duas (belas) séries fotográficas assinadas por Mitteldorf nos anos 1990, A morte de Ophelia (1992), recriação da tela do pré-rafaelita Millais, e O último grito (1998), em que a modelo Alexandra von Schwerin nada no Walchensee, lago dos Alpes bávaros, como se estivesse à beira de morte.
Vou nadar até você, desse modo, é uma longa reflexão sobre a morte e o paradoxo da fotografia documental - o fotógrafo pouco ou nada sabe sobre as pessoas que fotografa. Na busca pelo pai ausente, a Ophelia de Mitteldorf enfrenta uma jornada de autoconhecimento. Sofrida, bela. Santos nunca foi tão bem fotografada.

Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…