Pular para o conteúdo principal

Outra Bruna na mira da Ancine, Marquezine

O tema do filme é mesmo a busca do pai - tanto no sentido alegórico, o de uma figura ausente da qual pouco ou nada se sabe como físico.
Bruna Marquezine interpreta a personagem Ophelia.
Bruna Marquezine interpreta a personagem Ophelia. (Reprodução)

Exibido no último Festival de Gramado, o longa de estreia do fotógrafo Klaus Mitteldorf, Vou nadar até você, que tem a atriz Bruna Marquezine como protagonista, deve chegar aos cinemas em outubro, depois de transtornos com a Ancine - Agência Nacional do Cinema, órgão oficial do governo federal cujo objetivo é fomentar, regular e fiscalizar a indústria cinematográfica - mais particularmente a última função, após o presidente Bolsonaro implicar com produções que se chocam com seus padrões morais. Segundo Mitteldorf, ele conseguiu terminar o filme "por milagre", porque "o dinheiro que era para a pós-produção e o lançamento do filme foi bloqueado pela Ancine."
Embora o filme não trate de garotas de programa como Bruna Surfistinha - longa citado por Bolsonaro como um contraexemplo de filme que ele quer apoiado pela Ancine - Vou nadar até você tem cenas de nudez de Bruna Marquezine. A atriz também aparece numa cena fumando um baseado ao lado de Fernando Alves Pinto, que interpreta o papel de Smutter, contratado pelo pai de Ophelia para seguir seus passos na longa viagem empreendida por ela (a nado) entre Santos e Ubatuba. No ponto de chegada mora Tedesco, fotógrafo e artista plástico que manteve uma relação amorosa com a mãe da moça.
O tema do longa é mesmo a busca do pai - tanto no sentido alegórico, o de uma figura ausente da qual pouco ou nada se sabe como físico. Tedesco (o ótimo ator alemão Peter Ketnath), a exemplo do diretor Mitteldorf, é um fotógrafo pioneiro no registro de imagens de surfe.
As referências autobiográficas não param por aí. As duas principais autocitações são duas (belas) séries fotográficas assinadas por Mitteldorf nos anos 1990, A morte de Ophelia (1992), recriação da tela do pré-rafaelita Millais, e O último grito (1998), em que a modelo Alexandra von Schwerin nada no Walchensee, lago dos Alpes bávaros, como se estivesse à beira de morte.
Vou nadar até você, desse modo, é uma longa reflexão sobre a morte e o paradoxo da fotografia documental - o fotógrafo pouco ou nada sabe sobre as pessoas que fotografa. Na busca pelo pai ausente, a Ophelia de Mitteldorf enfrenta uma jornada de autoconhecimento. Sofrida, bela. Santos nunca foi tão bem fotografada.

Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…