Pular para o conteúdo principal

Taxa e política de câmbio

Por Gonzaga Mota - Professor aposentado da UFC

A taxa de câmbio é um indicador econômico extremamente relevante para a fixação de políticas, principalmente nesta época de globalização. Define-se como o preço da moeda estrangeira em termos de moeda nacional. Por exemplo, real e dólar (R$/ US$). Assim, para raciocinar, atualmente, no Brasil, US$ 1 custa em torno de R$ 4. Um exportador brasileiro ao vender mercadorias equivalentes a US$ 1 mil no mercado dos Estados Unidos, deveria receber, internamente, cerca de R$4 mil; ou então, o importador brasileiro ao desejar comprar um produto americano por US$ 1 mil deveria dispor de R$ 4 mil.
Por isso, as desvalorizações do real em comparação com o dólar estimulam as exportações do Brasil e desestimulam as importações. Todavia, quem elabora a política econômica precisa ficar atento aos efeitos colaterais negativos (inflação, crescimento instável, redução de produtividade, desemprego, indicadores sociais, dentre outros). 
Cremos ser a política cambial, em razão de variáveis endógenas e exógenas, uma das vertentes mais complexas na formulação de diretrizes para o desenvolvimento de um país. Por sua vez, por trás da demanda de divisas, fluxo representativo da saída de recursos para o exterior, citam-se: importação de bens e serviços, pagamentos financeiros, empréstimos concedidos, amortizações pagas, etc. Já a oferta de divisas, fluxo referente à entrada de recursos evidenciado por operações como exportação de bens e serviços, empréstimos obtidos no exterior, amortizações recebidas, etc. 


A taxa de câmbio pode ser analisada em três casos básicos: 1. Taxa flutuante, determinada pelas forças de procura e oferta no mercado de divisas; 2. Taxa fixa, tendo-se em conta o compromisso do Governo de estabilizar o câmbio e 3. Taxa intermediária, entre a flutuante e a fixa, ou seja, as chamadas bandas cambiais (cotações mínima e máxima para a taxa).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…