Pular para o conteúdo principal

Taxa e política de câmbio

Por Gonzaga Mota - Professor aposentado da UFC

A taxa de câmbio é um indicador econômico extremamente relevante para a fixação de políticas, principalmente nesta época de globalização. Define-se como o preço da moeda estrangeira em termos de moeda nacional. Por exemplo, real e dólar (R$/ US$). Assim, para raciocinar, atualmente, no Brasil, US$ 1 custa em torno de R$ 4. Um exportador brasileiro ao vender mercadorias equivalentes a US$ 1 mil no mercado dos Estados Unidos, deveria receber, internamente, cerca de R$4 mil; ou então, o importador brasileiro ao desejar comprar um produto americano por US$ 1 mil deveria dispor de R$ 4 mil.
Por isso, as desvalorizações do real em comparação com o dólar estimulam as exportações do Brasil e desestimulam as importações. Todavia, quem elabora a política econômica precisa ficar atento aos efeitos colaterais negativos (inflação, crescimento instável, redução de produtividade, desemprego, indicadores sociais, dentre outros). 
Cremos ser a política cambial, em razão de variáveis endógenas e exógenas, uma das vertentes mais complexas na formulação de diretrizes para o desenvolvimento de um país. Por sua vez, por trás da demanda de divisas, fluxo representativo da saída de recursos para o exterior, citam-se: importação de bens e serviços, pagamentos financeiros, empréstimos concedidos, amortizações pagas, etc. Já a oferta de divisas, fluxo referente à entrada de recursos evidenciado por operações como exportação de bens e serviços, empréstimos obtidos no exterior, amortizações recebidas, etc. 


A taxa de câmbio pode ser analisada em três casos básicos: 1. Taxa flutuante, determinada pelas forças de procura e oferta no mercado de divisas; 2. Taxa fixa, tendo-se em conta o compromisso do Governo de estabilizar o câmbio e 3. Taxa intermediária, entre a flutuante e a fixa, ou seja, as chamadas bandas cambiais (cotações mínima e máxima para a taxa).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …