Pular para o conteúdo principal

Um PGR pra chamar de seu


Algumas instituições, a exemplo do Ministério Público dos Estados e do Distrito Federal, têm seus dirigentes escolhidos pelos seus integrantes, dentre aqueles que figuram em uma lista tríplice, formada pelos três candidatos mais votados, em eleição direta.

Trocando em miúdos, o Procurador Geral de Justiça, chefe do Ministério Público Estadual, deve ser escolhido dentre aqueles que formam a lista tríplice.

O Procurador Geral da República, chefe do Ministério Público Federal, de forma bem diferente, é escolhido pelo Presidente da República, dentre os integrantes da carreira, maiores de 35 anos, após aprovação da maioria absoluta dos senadores.

Assim estabelece o art. 128 da Constituição Federal de 1988.

Por mais democrática que seja nossa CF, e por mais que tenha dotado o MP de uma feição necessária para zelar pelo regime democrático de direito, está claro que o legislador constituinte preferiu estabelecer algumas “amarras”, de modo a possibilitar certa “ingerência” por parte do Executivo, notadamente, quando da nomeação daquele que dirigirá a instituição.

No caso do MPF, é permitido ao Presidente nomear aquele que bem desejar, para ser o PGR.

Sabe-se que uma eleição legitima o candidato, daí porque, para minimizar os efeitos de possíveis ingerências do Executivo no MP, a partir de 2003, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) vem realizando eleições para a formação de lista triplica a ser encaminhada ao Presidente da República, a fim de que este escolha o PGR.
Essa prática de escolher o PGR dentre os que figuram na lista tríplice, vem sendo respeitada desde o governo Lula até o de Michel Temer. 

O atual Presidente, ao escolher para o cargo de PGR aquele que não figurava na lista tríplice, por votação dos membros do MPF, por certo, agiu dentro da lei.

Não há dúvidas quanto a isso.

Mas de que vale então uma votação se o mais votado não é eleito? Nem mesmo dentre aqueles que integram uma lista tríplice?

Quando os membros do MP votam para escolher dentre os seus pares aquele que chefiará a instituição, acreditam que sua vontade será respeitada e o mais votado será o escolhido.

A atitude do Presidente em escolher para chefe do MPF aquele que sequer figura entre os três mais votados, revela, a nosso ver, um desapreço pelo valor da própria democracia.

Na verdade, tal atitude reflete seu próprio interesse, de escolher alguém de sua conveniência, que possa corresponder aos seus anseios pessoais e que possa chamar de seu.

O MP não atua a serviço de governos ou de presidentes e governadores.

A esperança é que o futuro PGR não venha a esquecer disso, do seu verdadeiro papel constitucional.

Haja esperança.

Grecianny Carvalho Cordeiro
Promotora de Justica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …