Pular para o conteúdo principal

Unifor sedia lançamento de livro que revela segredos sobre a produção mundial de tomates

Evento acontece nesta quarta-feira (18), a partir das 19h, dando ênfase à premiada obra "O Império do Ouro Vermelho", do jornalista francês Jean-Baptiste Malet


Jean-Baptiste Malet: pesquisa para questionar mercado
Foto: David Latour
Durante dois anos de árdua pesquisa, o jornalista francês Jean-Baptiste Malet esteve empenhado em algo urgente: a reconstrução de toda a cadeia de abastecimento do tomate, revelando os mecanismos políticos e mercadológicos que permitiram à China tornar-se, em uma década, a maior produtora e exportadora de duplo e triplo concentrado do fruto.
Se o recorte parece muito específico, a maneira como o profissional entremeia dados com informações sobre as condições de trabalho precárias e exploratórias em que os trabalhadores chineses e os imigrantes do sul da Itália se encontram, nos faz refletir sobre sistemas de produção no mundo todo.
Não à toa, Malet foi premiado com o Albert-Londres, considerado o maior do jornalismo francófono, ao trazer os assuntos à superfície no livro "O império do ouro vermelho: a história secreta de uma mercadoria universal".
Após ser publicada no Japão, na Espanha, na Alemanha e na França, a obra chega ao Brasil pela Vestígio, selo do Grupo Autêntica, apresentando o inédito estudo sobre um dos produtos mais conhecidos e consumidos em escala global: o molho de tomate. Nesta quarta-feira (18), a partir das 19h, a Universidade de Fortaleza sedia o lançamento do livro, com a presença do autor.
img1img1
Livro é publicado no Brasil pelo Grupo Autêntica
Discussões
Na ocasião, Jean-Baptiste participará de um bate-papo e, logo em seguida, exibirá o documentário homônimo, focando nas ressonâncias da empreitada. São atividades que têm, entre outros objetivos, apresentar os passos dados na concretização do material e suscitar novos olhares sobre o tema.
Malet, por exemplo, viajou dos confins da China à Itália, da Califórnia a Gana, para se encontrar com comerciantes, colhedores, empreiteiros, camponeses, geneticistas, fabricantes de máquinas e até mesmo um “general” chinês. Tudo de maneira a elucidar relevantes questões.
Os percursos também culminaram em polêmica. Na Itália, o livro foi publicado pela editora Piemme, do grupo Mondadori, que retirou o livro do seu catálogo em troca de um acordo secreto. A razão para tanto foi a pressão da Giaguaro, grande produtora italiana de tomates enlatados. A empresa estava especialmente preocupada com uma passagem do livro de apenas três páginas.
A corporação argumentou ainda, quando indagada sobre a apreensão de 1.500 barris de concentrado chinês podre e cheio de larvas e vermes, que se tratava de velhos estoques de concentrado destinados à destruição. Mas Jean-Baptiste Malet conta uma outra história, bem diferente. Ele afirma que a empresa comprou análises falsificadas de um laboratório ligado ao crime organizado e citado por uma investigação policial italiana com base em escutas telefônicas.
É com essas perspectivas que "O império do ouro vermelho" chega ao País para atestar a potência de uma investigação singular.
Serviço
Lançamento do livro "O império do ouro vermelho: a história secreta de uma mercadoria universal"
Nesta quarta-feira (18), às 19h, na Universidade de Fortaleza (Avenida Washington Soares, 1321, Edson Queiroz). Contato: (85) 3477-3000


Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …