Pular para o conteúdo principal

Chico Buarque ironiza Bolsonaro sobre diploma do prêmio Camões

O presidente disse que assinará o documento em 31 de dezembro de 2026 e o cantor e compositor respondeu.
Chico ganhou o prêmio Camões, a maior distinção em literatura da escrita portuguesa.
Chico ganhou o prêmio Camões, a maior distinção em literatura da escrita portuguesa. (FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO)

Após o presidente Jair Bolsonaro afirmar, na terça-feira (8), que só assinaria o diploma do Prêmio Camões, destinado a Chico Buarque, em 31 de dezembro de 2026, o cantor e compositor fez uma rara declaração em sua página no Instagram. "A não assinatura do Bolsonaro no diploma é para mim um segundo prêmio Camões", diz o post do músico. A fala de Bolsonaro dá a entender também que ele tentará a reeleição e que confia em nova vitória nas urnas.

O anúncio de que Chico Buarque de Holanda havia vencido o Prêmio Camões de 2019, pelo conjunto de sua obra, foi feito em maio passado e o valor total é de 100 mil euros (R$ 447 mil), com o pagamento dividido entre Brasil e Portugal. A parte brasileira, por sinal, já foi paga em junho.
Trata-se da maior distinção em literatura da escrita portuguesa. A eleição aconteceu na Biblioteca Nacional, no Rio, onde, após uma reunião de duas horas, um júri anunciou o nome vencedor.

Governo dividido
O fato dividiu o governo Bolsonaro porque Chico Buarque é conhecido por ser militante de esquerda. Sem cerimônia apoio os ex-presidentes Lula e Dilma, além de Fernando Haddad nas últimas eleições. Chico, inclusive, já visitou Lula na Superintendência da Polícia Federal (PF), em Curitiba (PR), em Curitiba, onde ele cumpre pena de 8 anos, 10 meses e 20 dias no caso do triplex em Guarujá (SP).
Neste contexto, a ala mais ideológica defende que o presidente não assine, o que seria um gesto claro contra a esquerda brasileira. Já a ela moderada pensa a nível global e, por isso, defende a assinatura de Bolsonaro para evitar problemas diplomáticos com Portugal.

Agência Estado / Dom Total

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…