Pular para o conteúdo principal

Dia do Professor: a resistência como forma de salvar a educação pública

Com a vitória de Jair Bolsonaro foram intensificados os ataques aos docentes sobre todas as formas, através do incentivo à perseguição e à censura aos mestres, além de amplos cortes do orçamento do Ministério da Educação, principalmente das universidades federais e da pesquisa e extensão, prejudicando o desenvolvimento da ciência brasileira

(Foto: CECILIA BASTOS/Jornal da Usp)
No primeiro Dia do Professor – 15 de outubro – sob um governo abertamente fascista, o nosso nome é resistência aos desmandos de um governo que se baseia no não saber, na ignorância, na perseguição às professoras e professores e no corte de investimentos na educação pública, tão essencial para qualquer país que se respeite.

A desvalorização da carreira do magistério ganhou muita força com a posse do governo golpista de Michel temer em 2016 e a implantação do projeto neoliberal de desmonte do Estado e das políticas públicas de combate à pobreza e de incentivos aos estudos.
Com a vitória de Jair Bolsonaro para a Presidência da República foram intensificados os ataques aos docentes sobre todas as formas, através do incentivo à perseguição e à censura aos mestres, além de amplos cortes do orçamento do Ministério da Educação, principalmente das universidades federais e da pesquisa e extensão, prejudicando o desenvolvimento da ciência brasileira.
O congelamento dos investimentos no serviço público por 20 anos instituído pela da Emenda Constitucional 95 inviabiliza o Plano Nacional de Educação e a aplicação de 10% do Produto Interno Bruto para a melhoria da educação pública.
Isso tudo aliado aos projetos de privatização das escolas de Jair Bolsonaro na Presidência e João Doria no governo de São Paulo, entre outros governadores, cria dificuldades imensas ao exercício da profissão, que deixa de atrair a juventude por causa dos salários baixos, da falta de segurança, da violência e da falta de respeito a que estamos sujeitos diariamente.
O Piso Nacional Salarial dos Professores está em R$ 2.557,74, muito pouco para o tamanho da responsabilidade que temos sob nossos ombros. Pior ainda é saber que um número muito grande de prefeitos e governadores não respeitam nem esse piso.
Além disso, corremos o risco de ficarmos sem o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), que pode fazer a situação degringolar ainda mais, já que a maioria dos municípios depende do Fundeb para manter o ensino básico.
A ofensiva conservadora contra a educação pública nos remete ao campo da mobilização e organização para combater as propostas de limitação do saber, assim como se postar na resistência à opressão e repressão às professoras e professores comprometidos com a educação pública, laica, inclusiva, democrática e de qualidade.
Além de parabenizar os mais de 2,5 milhões de profissionais que se dedicam diariamente a transmitir seus conhecimentos para as crianças e jovens e mesmo com baixos salários e infraestrutura ínfima nas escolas resistem nesse ato de amor ao próximo que é a dedicação a tirar as pessoas da escuridão da falta de conhecimento.
Mesmo assim nos dedicamos ao nosso trabalho com muito amor e engajamento na resistência para a construção de um sistema de educação abrangente e democrático, com ampla participação da sociedade, do magistério e da juventude.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…