Pular para o conteúdo principal

Dia Internacional dos Idosos: sejam protagonistas na sociedade

Papa Francisco e idosa
No Dia Internacional dos Idosos recordamos os convites fervorosos do Papa Francisco para que os idosos e os jovens recebam toda a nossa atenção, porque são eles que alimentam a cultura da esperança e garantem a sobrevivência de um país, de uma pátria, da Igreja.
 
Cidade do Vaticano
“Quando os idosos são negligenciados perdemos – digamos isso sem sentir vergonha – a tradição, que não é um museu de coisas velhas, é a garantia do futuro, é o suco das raízes que faz a árvore crescer e dar flores e frutos”. As palavras do Papa Francisco na missa da Casa Santa Marta na segunda-feira (30/09) ressoam como uma advertência para o Dia Internacional das Pessoas Idosas, instituído pela ONU em 1990.

Um bilhão de pessoas com mais de sessenta anos

Hoje, há cerca de um bilhão de homens e mulheres com mais de 60 anos e as previsões indicam que até 2030 mais 400 milhões chegarão a esta idade, marcando um crescimento de quase 50% e superando o número de jovens e crianças com menos de 10 anos.
As pessoas com mais de 80 anos chegarão a triplicar nos próximos 30 anos, passando de 143 milhões de 2019 a 429 milhões em 2050. O maior aumento será nos países em desenvolvimento, onde atualmente vivem quase dois terços dos idosos do mundo. O maior crescimento será na Ásia, enquanto que a África terá um maior aumento percentual de idosos.

Oportunidades e desafios de uma sociedade que envelhece

“O envelhecimento da população – adverte a ONU – está destinado a se tornar uma das mais significativas transformações sociais do século XXI”. Por isso a importância de celebrar este Dia para sensibilizar a opinião pública sobre as oportunidades e os desafios de uma sociedade que envelhece em um ritmo cada vez maior, com a conscientização da contribuição que os idosos dão à sociedade e a sua valorização plena.

O carinho do Papa Francisco pelos idosos

O Papa Francisco mostrou inúmeras vezes com palavras e gestos concretos a sua solicitude para com as pessoas idosas – “eu também sou idoso” recordou -, solicitando a todos que não deixem de dar atenção aos que sofrem por doenças, exclusão ou solidão. “São as raízes e a memória de um povo”, os anciãos são um tesouro”, “são a sabedoria”, “um patrimônio das nossas comunidades” ou senão – disse o Papa – “quantas vezes se descartam os idosos com comportamentos de abandono que são uma verdadeira eutanásia encoberta”. “O idoso não é um alieno. Os idosos somos nós: daqui a algum tempo, não muito, inevitavelmente, mesmo se não pensamos nisso. E se não aprendermos a tratar bem os idosos, também nós seremos tratados assim”. “Gostaria – é um desejo manifestado pelo Papa Francisco – “que o Prêmio Nobel fosse dado aos idosos que dão memória à humanidade”.

Idosos na pobreza, esquecidos e discriminados

O protagonismo dos idosos é confirmado pela própria ONU que neste dia reitera o “significativo papel” desenvolvido na sociedade como “líderes” e “guardiões da tradição”, e ao mesmo tempo denunciando a vulnerabilidade: “muitos vivem na pobreza, com deficiências ou sofrem discriminações”. E se o melhoramento das condições médicas em escala global – faz notar a ONU – levou ao aumento do número de idosos, “também aumentaram as suas necessidades e sua contribuição ao mundo”.

Mesmas oportunidades para todas as idades da vida

O tema do Dia do Idoso 2019 é “Viagem rumo a igualdade de idade”, para que os idosos tenham condições de participar ativamente da vida social, econômica e política em todas as formas de desenvolvimento, reduzindo as desigualdades de velhice dentro dos países e entre os países. Tudo isso na convicção de que a todos, independente da idade, sexo, deficiência, etnia, religião e status econômico devem ser garantidas oportunidades iguais de inclusão social, indispensável para alcançar até 2030 os objetivos fixados pela ONU na Agenda para o Desenvolvimento Sustentável.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …