Pular para o conteúdo principal

Gratuita, exposição 'Unifor Plástica' reúne 25 artistas e tem a 'palavra' como tema

Celebrando a 20ª edição, evento se reafirma como uma das mais tradicionais mostras de artes do Ceará. Com o título "Simultaneidades - A Arte com a Palavra", reúne um acervo de artistas cearenses ou radicados no Estado


A palavra, erguida nos dizeres de um povo e nas consequentes mutações da língua, é ferramenta poderosa à reflexão de uma sociedade. A oralidade crivada nas trocas comunicativas e cotidianas é um acervo vivo e manancial de pesquisa incessante. Esmiuçar a história dos cearenses, originárias da comunhão e fruição das letras é uma das ambições da 20ª Unifor Plástica. A abertura oficial da mostra será na quinta-feira (10) e o período de apresentação acontece de 11 de outubro de 2019 a 1º de março de 2020.
Para contemplar uma edição considerada especial, o desafio foi atiçar o olhar profundo para as artes visuais do Ceará, unindo artistas que já brilharam no tradicional evento e nomes de destaque na nova geração, de diferentes faixas etárias e percursos. A exposição volta às suas origens, apresentando apenas artistas cearenses ou radicados no Estado. Assim, 25 convidados estão unidos por um precioso bem da cultura local. A palavra do Ceará se ergue como um afago precioso.
Julia DebasseJulia Debasse
A carioca Julia Debasse adentra as complexidades das fronteiras orais em "No início era o verbo e no fim o mundo sem fim". Histórias e vivências são traçadas por meio dos recursos gráficos de um mapa imaginário
Ares Soares
Empregada esporadicamente ao longo da história, a manifestação da "palavra" foi absorvida em pinturas, tapeçarias, sendo incorporada às artes plásticas no início do século XX, a partir das vanguardas modernistas, futurismo, cubismo, surrealismo e dadaísmo.
Tal arcabouço foi fundamental para as decisões da curadora Denise Mattar, responsável pela missão de unir tantas expressões e forças narrativas e visuais. Assim, acontece a "20ª Unifor Plástica: Simultaneidades - A Arte com a Palavra". Uma chance imperdível para compreender as muitas leituras e expressões de cearenses do passado, presente e futuro.
Para a presidente da Fundação Edson Queiroz, Lenise Queiroz Rocha, adentrar os costumes, estilos e variações da palavra nas artes é uma das formas de se compreender quanto a oralidade é algo intrínseco nas relações sociais e culturais do Estado. Ainda que a tecnologia e as novas configurações sociais tenham redesenhado cenários diferentes, o cearense é, por natureza, um prosador.
Francisco D'Almeida e os detalhes de Francisco D'Almeida e os detalhes de
Francisco D'Almeida e os detalhes de "O altar de San Juan I"
Ares Soares
"A '20ª Unifor Plástica: Simultaneidades - A Arte com a Palavra' é uma ode a tudo aquilo que a cultura cearense é capaz de produzir com suas raízes fixadas em cordéis, contos e cânticos, lendas e bordados. Como tudo aquilo que nossos antepassados produziram e, de algum modo, influenciaram nossos artistas hoje. O legado está nas diversas texturas, cores, dobras e toda a plasticidade de vídeos, manuscritos, gravuras, pinturas, fotografias e outros meios em que a palavra impera, ainda que metamorfoseada", expressa a presidente.
Escolha das obras
A recorrência do uso da palavra na produção das artes visuais local, seja filmada, escrita, gravada ou meramente como suporte da obra, ergueu-se como fio condutor inicial para escolha das obras. Além das mentes presentes, o artista Francisco de Almeida terá uma sala especial. Para selecionar os artistas da Unifor Plástica, Denise Mattar contou com o suporte de Cecília Bedê, além de recorrer a outras pessoas da área como o curador Bitu Cassundé.
José GuedesJosé Guedes
Entre os trabalhos selecionados, José Guedes explora um dos sentimentos mais universais do homem e reforça o caráter de união da palavra às vanguardas modernistas
Ares Soares
Um dos artifícios iniciais da seleção foi o mergulho no portfólio e trajetória de cada criador. Tal cuidado foi preponderante à identificação de uma raiz ou incidência estética nas artes do Ceará. Entusiasmada com o trabalho, a poucos dias da abertura oficial, Denise divide um episódio que ilustra bem o crivo seletivo. Ao mostrar para pessoas próximas algumas das peças envolvidas escutou um "Isso se parece com o Leonilson". A comparação com a criatividade de José Leonilson Bezerra Dias (1957-1993), o Leonilson, foi seguida de uma correção pontual. "O Leonilson é que se parece com esse lugar", resgata a curadora.
Cada obra é comentada e referenciada pela organizadora com afeto e cuidado. "É daqui. Tem essa história da relação com o cordel, a fala cantada, expressões do Ceará que são superinteressantes, a poesia, a construção das frases", estipula a entrevistada. O acervo protagonizado pelos 25 artistas, mescla de obras inéditas e outras produzidas anteriormente. A relação entre curadoria e participantes foi demarcada pela contribuição mútua.
Henrique ViudezHenrique Viudez
Peças de Henrique Viudez inspiradas na poesia "Pássaro Azul", de Charles Bukowski
Ares Soares
Artistas que haviam realizado trabalhos em pequeno formato agora serão apresentados em um formato maior. Outros ampliaram séries já existentes, também estimulados pela proposta. Os visitantes da "20ª Unifor Plástica: Simultaneidades - A Arte com a Palavra" terão a oportunidade de visitar uma exposição poética, que discute assuntos da atualidade, como a inserção da mulher na sociedade, a presença indígena, a especulação imobiliária, além de questões eternas do ser humano como a dor, o amor, a perda, o isolamento e as expressões da religiosidade.
Rian FonteneleRian Fontenele
"Poemetos de Memórias e Sal", de Rian Fontenele
Ares Soares
Denise Mattar fala sobre a importância da exposição para a arte local. "A Unifor Plástica é uma exposição tradicional, cujo formato foi se adaptando aos novos tempos, até chegar a ser uma mostra com curadoria. Fiquei bastante contente com o convite para fazer esse trabalho que me deu a oportunidade de conhecer melhor a cena artística da cidade. Pude ver que há artistas cuja obra tem fôlego para ter uma circulação maior. Embora no mundo todo o momento não seja dos mais propícios à produção artística, vejo vigor na produção cearense e um processo de evolução do seu circuito artístico local, que está ocorrendo vagarosamente, mas felizmente não está parado", declara.
Homenagem
A Sala Especial dedicada a Francisco Delalmeida também terá obras já realizadas e algumas criadas para a exposição. Delalmeida é um artista que usa a xilogravura, em grandes formatos, no qual Francisco encontra soluções inesperadas e criativas para continuar produzindo. A força visual do artista natural de Crateús reforça o poder da arte local.
Serviço
20ª Unifor Plástica: Simultaneidades - A Arte com a Palavra. De 11 de outubro de 2019 a 1º de março de 2020, no Espaço Cultural Unifor (Av. Washington Soares, 1321, Edson Queiroz). Horário: 9h às 19h (terça a sexta-feira) e de 10h às 18h (sábado e domingo). Gratuito. Contato: (85) 3477-3319
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …