Pular para o conteúdo principal

HÁ 55 ANOS, JEAN-PAUL SARTRE RECUSAVA O PRÊMIO NOBEL DE LITERATURA

Um dos maiores nomes da filosofia existencialista causou polêmica ao recusar o renomado prêmio

Jean-Paul Sartre é um dos mais conhecidos e influentes filósofos do século 20. Disseminador das ideias existencialistas, ele foi um homem astuto, excêntrico e dedicado, famoso pelos conflitos que teve em meio à esquerda francesa, por sua proximidade com os ideais do Partido Comunista Soviético.
Além de obras estritamente filosóficas, Satre também atuou na literatura, escrevendo romances e peças reflexivas que o renderam o Prêmio Nobel em 1964.
No entanto, naquele dia 22 de outubro em que o Instituto Nobel declarou Sartre como o vencedor na categoria Literatura, houve um estardalhaço na academia: o filósofo francês recusou o prêmio e o valor em dinheiro, pela primeira vez de forma voluntária.
À equipe do Nobel, Sartre lançou uma nota.
Crédito: Domínio Público

“Senhor secretário,
Segundo algumas informações eu teria este ano algumas chances de obter o prêmio Nobel. Ainda que seja sempre presunçoso falar de um voto antes que este ocorra, tomo a liberdade de escrever-lhe para evitar um mal entendido: por razões estritamente pessoais, não desejo figurar na lista dos possíveis agraciados. Sem que isso signifique questionar a alta estima que tenho pela Academia Sueca e pelo prêmio que ela concede, não posso e nem quero neste ano e nem no futuro aceitar o prêmio Nobel.
Peço-lhe, senhor Secretário, aceitar as minhas desculpas por uma situação que lastimo e crer em minha alta consideração,
Jean Paul Sartre.”
Sartre não abriria mão de seus princípios. O pensador explicou isso uma vez ao jornal Le Figaro, da França: além de lamentar o escândalo que seu ato gerou, também afirmou que sua atuação literária ocorre essencialmente livre e independente de instituições e julgamentos que categorizem a qualidade de seu trabalho.
Sartre / Crédito: Wikimedia Commons

O artista não queria receber prêmios que destacassem sua obra como mais relevante, assim como não queria ter seu nome associado à Real Academia Sueca de Ciências. Fez o mesmo ao ter tido a chance de receber a Legião de Honra francesa.
Além do mais, Sartre tinha total consciência de que a premiação do Nobel não tem como único, ou mesmo principal critério a qualidade artística de um trabalho, mas está diretamente ligada a uma projeção ideológica, política e imaginativa que tem preferência pelos modelos ocidentais de arte. Os vencedores do Nobel dizem muito sobre os compromissos do ocidente em relação ao mundo.
Porém, como a vitória no Nobel é separada da recepção do prêmio, o Nobel de Literatura de 1964 ainda é creditado a Jean-Paul Sartre, mesmo após a recusa. Sartre venceu pelo peso de suas obras como A Náusea, O Ser e o Nada, Entre Quatro Paredes e As Palavras.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …