Pular para o conteúdo principal

Ioepa e Infraero levam a literatura paraense ao Aeroporto de Belém

A 7ª Edição da Campanha Livro Viajante já está no Aeroporto Internacional de Belém, em Val-de-Cans, com a distribuição de mais de 1.500 livros, dos mais variados gêneros, que estarão à disposição dos passageiros nas salas de embarque até o próximo dia 5 de novembro. A ação da Infraero (Empresa de Infraestrutura Aeroportuária), em homenagem ao Dia Nacional do Livro – 29 de Outubro, visa estimular o hábito da leitura, e conta com a parceria da Imprensa Oficial do Estado do Pará (Ioepa), por meio do Projeto “Portal do Conhecimento”.
A escritora Lorena Valente vai autografar seu primeiro livro, “Efemérides”Foto: Divulgação
Nesta edição, a Imprensa Oficial optou por apresentar aos viajantes que passam pelo Aeroporto de Belém cerca de 120 livros, de quatro autores paraenses, que foram lançados com o selo da Ioepa na 23ª Feira Pan-Amazônica do Livro e das Multivozes, realizada de 24 de agosto a 1º de setembro.

“São livros produzidos pela Imprensa Oficial que foram destinados, também, para que leitores que viajam pelos céus do nosso País possam estar acompanhados das impressões e aventuras produzidas pelos escritores e publicados na nossa editora pública”, disse o presidente da Imprensa Oficial, Jorge Panzera.
Encontro com escritores - Os autores paraenses selecionados pela Imprensa Oficial também irão autografar os livros direto no aeroporto. A tarde de autógrafos desta quarta-feira (30) será com Ester Pereira Septmio, a autora do infantil “Mirrão”. A obra é uma reflexão sobre a vida e o meio ambiente, uma narrativa sobre a história de amizade de um menino que mora em uma fazenda com um sapo. O escritor Luiz Peixoto Ramos, conhecido por seu personagem “Jabutigão”, também autografará suas principais obras.
Na quinta-feira (31), será a vez de Nelson Maués divulgar sua obra “De Mosqueiro a Xangai: que viagem é essa?” aos viajantes, que terão acesso à segunda edição do livro, ampliada e revisada, com 254 páginas, sobre a trajetória do ídolo do basquete paraense, que nasceu na Ilha de Mosqueiro (distrito de Belém).
Na sexta-feira (1º), a Imprensa Oficial apresentará dois escritores do Projeto Livro Viajante. O fotógrafo Mauro Fernandes vai autografar o livro “Raízes: quilombos do Marajó”, que mostra paisagens, fauna, flora, atividades econômicas, o dia a dia e os personagens de quilombos marajoaras, em especial na área do município de Salvaterra, como o Salvar, Vila União, Mangueira e Pau Furado.
Também autografará seu primeiro livro a escritora Lorena Valente, autora de “Efemérides”, agraciado pela Academia Paraense de Letras com o Prêmio Barão do Guajará 2017. “Fico muito feliz de ser convidada para esse vento, até porque é uma experiência super inovadora. Nunca tinha ouvido falar nesse sentido. Cria uma expectativa muito grande na gente, de pensar o livro circulando por tantos lugares diferentes”, ressaltou a jovem escritora.
Círculo de cultura - O “Livro Viajante” é realizado pela Infraero desde 2013, e surgiu a partir do BookCrossing, conceito que nasceu nos Estados Unidos em 2004 e pode ser definido como a prática de deixar um livro num local público para que outros o encontrem, leiam e voltem a deixá-lo à disposição de outra pessoa que possa ter acesso à obra.
Os livros já estão espalhados pelas salas de embarque do Aeroporto de Belém desde a tarde desta terça-feira (29), identificados com o selo da campanha, por meio de uma tag que explica o objetivo da iniciativa e pede ao viajante que, ao pegar o livro para ler, deixe-o no próximo aeroporto. Parte desses exemplares foi doada pelos participantes da 6ª Edição do Spotter Day Infraero, que ocorreu no aeroporto da capital paraense em junho deste ano.
O superintendente do Aeroporto Internacional, Fábio Rodrigues, destacou que o Projeto Livro Viajante “é gratificante, pois incentiva e proporciona ao passageiro que passa pelo aeroporto um momento de leitura. A ideia é fazer com que a obra escolhida como companheira de viagem seja deixada no próximo aeroporto de destino. Dessa forma, permitimos que aquele livro viaje todo o País e o mundo, multiplicando conhecimento e disseminando cultura”, reforçou.
Serviço: Tarde de autógrafos do Projeto Livro Viajante com escritores paraenses de terça-feira (30) a (1º/11), a partir das 14h30, no Mezanino do Aeroporto Internacional de Belém – próximo à escada rolante. Nesta quarta-feira (30), será com Ester Pereira Septmio (livro Mirrão); na quinta (31), com Nelson Maués (livro De Mosqueiro a Xangai: que viagem é essa?) e na sexta-feira (1º/11) com Mauro Fernandes (livro Raízes: quilombos do Marajó) e Lorena Valente (Efemérides).
Fonte: https://www.agenciapara.com.br/noticia/16014

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …