Pular para o conteúdo principal

Jovens de Cascavel usam cordel para falar sobre feminismo nas escolas

As alunas criaram o projeto para promover reflexões sobre a cultura machista, bem como ajudar a entender os diversos papéis da mulher na sociedade 

Estudantes do Ensino Médio em Cascavel, no interior do Ceará, tiveram a ideia de criar um projeto para fomentar o diálogo sobre a equidade de gênero e estimular atividades sobre feminismo na escola e na comunidade. A iniciativa, intitulada de “Dice – Será que a sociedade ainda não entendeu?”, resultou na produção de um cordel e na mudança de várias realidades dentro da Escola Estadual de Educação Profissional Edson Queiroz.
As alunas sofriam com o machismo e, unidas, criaram o projeto para promover reflexões sobre a cultura machista, bem como ajudar a entender os diversos papeis da mulher na sociedade. A iniciativa, batizada de “Dice” – deusa grega da justiça – se pautou em diversas ações realizadas tanto na escola quanto fora dela.
Uma delas foi a organização de rodas de acolhimento, que propunham conversas sobre as dificuldades de ser mulher, além de trazer atividades que incluíam diálogos, discussões sobre músicas machistas e bate-papos. O sucesso foi tão grande que, desses encontros, surgiu uma apostila que mostra como identificar o machismo e formas de combatê-lo.
Iniciativa partiu de alunas do Ensino Médio da Escola Estadual de Educação Profissional Edson Queiroz (FOTO: Divulgação)
Iniciativa partiu de alunas do Ensino Médio da Escola Estadual de Educação Profissional Edson Queiroz (FOTO: Divulgação)
Como resultado, o “Dice” quebrou estereótipos científicos adicionando a produção acadêmica feminina dentro das aulas de sociologia e filosofia. Por sugestão das próprias alunas foram inseridos nomes de mulheres que marcaram a história para serem trabalhadas no currículo em sala de aula, tais como Hannah Arendt, Angela Davis, Viviane Mosé, entre outras pesquisadoras.

O cordel

A literatura de cordel é um patrimônio cultural brasileiro e, no Nordeste, a tradição carrega imensa força popular.
Fonte: Tribuna do Ceará

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …