Pular para o conteúdo principal

Lei do retorno

Por Paulo Eduardo Mendes*

Não tema a pecha de "isentão". É prerrogativa sua criticar ou elogiar quem quer que seja, nos espectros da esquerda ou da direita. É prerrogativa de qualquer um, aliás. Não tema, não tema.
Também dê de ombros se lhe chamarem, como se isso fosse um xingamento, de "politicamente correto". O fato é que existe uma caçada brutal, sanguinária até, a quem se posiciona contra a misoginia, a favor dos direitos de crianças e adolescentes e idosos, pela liberdade de opção sexual ou pela escolha religiosa, por educação de qualidade, por liberdade de expressão, por arte sem preconceito e sem censura. Por gente fina, elegante e sincera, enfim.
As redes sociais na internet estão neste momento cheinhas de arapucas tentando abocanhar e enquadrar quem venha a dar algum cavaco a posturas proativas e propositivas. Arapucas armadas por comportamentos rasteiros, traiçoeiros. Os tais dos "politicamente corretos" são vistos como chatos, mas estão longe disso. Na verdade, são o que são: corretos, politicamente. Ainda bem. Se quiser dar opinião em busca de mais gentileza e menos aspereza, lembre que ao seu lado está - sim, ao seu lado! - nada mais do que a Constituição Federal. O que muita gente entende apenas como "um livrinho" é o conjunto de normas que regem a sua, a minha, a vida de todos neste País tropical abençoado por Deus e bonito por natureza.
Pois diz lá a Constituição: "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença". Isso mesmo: se você tem atividade intelectual, ligue o botão de "dane-se" para os que, enjoados, entortam o nariz para o respeito que você tem para com as diferenças e os direitos de outrem.
Saiba que, até ordem em contrário, esta é uma Nação de gente livre. E, se a tal da ordem em contrário nos atalhar numa esquina da história, lembre que você tem todo o direito de não dar atenção a ela.

*Jornalista

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …