Pular para o conteúdo principal

Literatura usada para unir ideias e pessoas

A Arte do Encontro, que estreia nesta segunda, 7, às 22h, nova temporada, a 4ª, no Canal Brasil

por Estadão Conteúdo - Site

A Arte do Encontro com Tony Ramos estreia nova temporada
Em mais de 50 anos de carreira, Tony Ramos surgiu para o público de várias maneiras, iniciando sua trajetória na extinta TV Tupi. Lá estreou seu primeiro trabalho em telenovela, Nino, o Italianinho, em 1969. Já na Globo, vem divertindo o público com suas variadas interpretações. Desde se desdobrar para viver os gêmeos Quinzinho e João Victor, na novela Baila Comigo (1981), de Manoel Carlos, o jagunço Riobaldo, da série Grande Sertão: Veredas (1985), baseada em Guimarães Rosa, ou ainda o Tonico Ladeira, da cultuada Bebê a Bordo (1988), de Carlos Lombardi.
Então, há quatro anos, o ator aceitou o convite para comandar o programa de entrevistas A Arte do Encontro, que estreia nesta segunda, 7, às 22h, nova temporada, a 4ª, no Canal Brasil.
Tony Ramos, que se mostra um ótimo proseador, conta que ao receber o inesperado convite vindo do diretor Felipe Nepomuceno e da coprodutora Tereza Alvarez para apresentar o programa, tratou logo de dizer que não era um apresentador. Mas os dois argumentaram que o projeto era colocar o entrevistado no mundo da literatura, mas que tivesse ligação com suas respectivas áreas, cinema, teatro, música. "Achei a ideia ótima. Na verdade, trata-se de um bom bate-papo", revela o ator de 71 anos.
"Nessa arte do encontro, mesmo sendo uma pessoa que você já conhece na vida ou na profissão, você pode descobrir coisas que nunca havia imaginado", explica Tony, que comemora o fato de, ano a ano, o programa se firmar, construindo uma identidade. Para ele, um dos pontos relevantes da atração foi a ideia de ter uma mesa, como se fosse fazer a leitura prévia de algum espetáculo, quando elenco e equipe conhecem o texto a ser encenado. "Nessa estrutura, foram feitos programas adoráveis. Já fiz 52 programas, mas parece que estou sempre começando, a cada entrevistado é uma revelação, a cada programa, uma pulsação nova. É uma alegria muito grande, pois é um trabalho que me possibilita estar próximo de algo que adoro, que é ler. É uma alegria falar de literatura. Amo poesia."
O ator fala ainda da importância da leitura em tempos de textos breves. "Quando se fala 'dá um Google aí', significa ter informação imediata, mas conhecimento você só terá mergulhando nas páginas. Adoro ler jornais tomando meu café, lendo página por página, sorvendo o cheiro do papel", reflete. "Só pela leitura vamos conquistar o conhecimento, não há outra forma ou milagre."
O apresentador garante que seu programa tem de tudo, de Drummond a Vinicius, até duas versões de García Lorca, uma em espanhol, que Tony ama pela musicalidade da língua, e outra traduzida. "Abro o livro ao acaso e saio falando, e aí está o charme da coisa. Foi o que fiz com Ney Matogrosso, quando lemos Navalha na Carne, fizemos ali no momento, e isso é que é gostoso, o improviso."
O primeiro convidado da nova temporada será o ator, diretor, dramaturgo e cineasta Miguel Falabella, que vai falar sobre a representação como forma de resistência e também sobre o poder da arte, além da leitura de trecho do filme Meu Nome Não É Johnny. Outros nomes previstos são Gregório Duvivier, Cláudia Abreu, Lucinha Araújo, Dan Stulbach, Conceição Evaristo e outros.
Apesar de não escolher os convidados, Tony Ramos tem alguns nomes que adoraria levar ao programa. "Queria entrevistar Drauzio Varella, mas não foi possível. Mas a Bárbara Paz, minha colega de programa, conseguiu", conta. "Adoraria conversar, ler textos com o Roberto Carlos, o cantor, por ser alguém que admiro", diz, lembrando que Pelé também faz parte de sua lista de desejos.
Agora, se preparando para a minissérie O Selvagem da Ópera, de Maria Adelaide Amaral, sobre o maestro Carlos Gomes, o ator diz ver o meio artístico com preocupação. "Houve uma vilanização muito grande de que todo artista esteja mamando nas tetas do governo. É uma afirmação simplista, covarde." Para ele, o que se deseja é ter condições de realizar um espetáculo, pois nem todos têm carreira solidificada e ter apoio se torna fundamental. "Estou triste por uma categoria. Acho que vamos ter de apelar para a sensibilidade de pessoas que possam rever leis e mecanismos de forma absoluta."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…