Pular para o conteúdo principal

Museu da Fotografia Fortaleza recebe a exposição "Bob Wolfenson: Retratos"


A mostra reúne mais de 150 obras icônicas do consagrado fotógrafo brasileiro e tem curadoria de Rodrigo Villela e Fábio Furtado


Versátil. Talvez seja esta a característica mais marcante do fotógrafo brasileiro Bob Wolfenson. Com currículo de quase 50 anos de experiência, o paulistano não se limita. "Eu advogo a ideia de transitar por várias disciplinas da fotografia, eu sou fotógrafo de moda, de retrato, de nu, de publicidades e eu preciso de todos os outros que me habitam para fazer qualquer um", relata em entrevista ao Verso.
O consagrado artista estreia, neste sábado (5), a exposição "Bob Wolfenson: Retratos", no Museu da Fotografia Fortaleza. Com curadoria do gestor cultural Rodrigo Villela e assistência do documentarista Fábio Furtado, a mostra reúne mais de 150 imagens icônicas. A primeira montagem aconteceu em 2018, em São Paulo, e foi vista por mais de 9 mil visitantes. No dia da abertura em Fortaleza, o fotógrafo dará uma palestra seguida de uma visita guiada.
CaetanoCaetano
Caetano Veloso, 1988
Bob Wolfenson

PROXIMIDADE

Bob descreve a arte de fazer retratos como um encontro. Um momento imprevisível e breve. Não atribui a ele a característica de ser definidor da personalidade de alguém.
"Sou contra essa ideia de que o fotógrafo tem esse poder de retratar a alma de alguém, o retrato é um encontro, um encontro breve e não dá o direito a trancar a personalidade da pessoa"
.
Dos encontros da vida, Bob chegou à fotografia. Não foi por vocação que iniciou na área. Aos 16 anos, precisou buscar um emprego e foi quando a produção de imagens chegou como possibilidade. "Fui ser fotógrafo muito mais por necessidade do que por vocação, meu pai morreu e tive que trabalhar. Eu arrumei um emprego num estúdio e me tornei fotógrafo", lembra.
O formato dos retratos o conquistou ainda no início da carreira. "O que dá contundência a um retrato é que ele se comunica com o espectador por aspectos estéticos ou psicológicos que não sejam exatamente a persona da pessoa", explica sobre a escolha. "O texto que a Fernanda (Montenegro) escreveu para o meu livro fala que o retrato depois de um tempo se torna mais interessante do que na época em que foi feito, porque ele captura o momento, a atmosfera", acrescenta.
fernandafernanda
Fernanda Montenegro, 1995
Bob Wolfenson
O encontro com a atriz pelas lentes de Bob é singelo, mas imponente. O fundo branco como cenário e um sorriso à la Monalisa mostram uma Fernanda incorporando leveza. Outro destaque é o que estampa nossa capa. O retrato de Caetano Veloso por Bob data de 1988, registrado em terras cariocas. A face expressiva do cantor, no entanto, é enigmática. O que causa a ele tanta estranheza? O clique é tão famoso que, ao buscar pelo nome do fotógrafo no Google, é a primeira a aparecer.
Em seus retratos, personalidades das mais diversas áreas: da cultura, da moda, da música, do esporte. Caetano Veloso, Maria Bethânia, Fernanda Montenegro, Lázaro Ramos, Malu Mader, Caio Fernando de Abreu, Laerte, Sebastião Salgado, Leonilson e Belchior são alguns dos nomes que estarão na mostra. Para ele, não é possível pontuar qual foi o mais marcante. No entanto, confirma:
"Há algumas mais icônicas, que transcenderam a proposição delas. Fotos que se desprenderam do momento em que foram geradas e se transformaram em outras coisas"
.
lázarolázaro
Lázaro Ramos, 2017
Bob Wolfenson

TRAJETÓRIA

Bob passou por diferentes fases da fotografia, inclusive, a mais transformadora delas: a transição do analógico para o digital. Estudos remontam esse início ao ano de 1957, mas foi somente na década de 1990 que ela se consolidou. Apesar da técnica ter mudado, o fotógrafo acredita que o olhar de quem está por trás das lentes é o que realmente vale. "O que mudou foi o ritual. Não tem mais tanto tempo de espera, eu tenho possibilidade de rever, corrigir, mexer, houve um ganho muito grande", observa.
malumalu
Malu Mader, 1987
Bob Wolfenson
"Fotografia analógica é uma coisa para jovem, para aprender as coisas mais primárias. É preciso saber matemática, física e, para revelar, precisa saber sobre química. E tudo isso é muito importante para quem quer se transformar fotógrafo", conta, ressaltando a relevância dessa técnica.
Com relação ao próprio estilo de fotografar, ele não acredita que tenha feito tantas mudanças assim. "Segui numa linha mais ou menos constante, de ir a esse encontro desarmado e poder mostrar esses acontecimentos. Hoje em dia, eu tenho muito mais reputação, e as pessoas querem fazer um retrato comigo. Mas se você pegar fotos minhas dos anos 1980 e as de agora são na mesma linha", reflete.
Maria BethaniaMaria Bethania
Maria Bethânia, 1989
Bob Wolfenson
O paulistano iniciou sua carreira no mundo por trás das lentes ainda muito jovem, como assistente do fotógrafo publicitário Chico Albuquerque. Aos 28 anos, mudou-se para Nova York, onde trabalhou com o norte-americano Bill King. Após uma temporada de um ano e meio nos Estados Unidos, voltou ao Brasil. A experiência com King rendeu renome e Bob foi chamado para fazer trabalhos com grandes jornais e revistas do País.
Alguns de seus trabalhos foram colocados em oito livros. O último, lançado em 2017, leva o nome do fotógrafo e reúne 58 retratos de personalidades femininas, como as modelos Gisele Bündchen e Luiza Brunet, e a atriz Taís Araújo. A exposição, portanto, é mais um dos compilados dessa rica trajetória do exercício de captar expressões eternamente.
Serviço
Bob Wolfenson: Retratos
Abertura: Sábado (5), às 10h, no Museu da Fotografia Fortaleza (Rua Frederico Borges, 545, Varjota). Visitação de terça-feira a domingo, das 12h às 17h. Grátis. (3017.3661)


Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …