Pular para o conteúdo principal

Nobel de Literatura concederá dois prêmios para recuperar prestígio

Nobel de Literatura concederá dois prêmios para recuperar prestígio
(2018) Escultura do inventor sueco Alfred Nobel em Estocolmo - AFP/Arquivos
A Academia Sueca, que teve que adiar o Prêmio Nobel de Literatura de 2018 devido a um escândalo sexual registrado em meio à era do #MeToo, concederá dois prêmios nesta quinta-feira (10/10), para tentar recuperar seu prestígio.
O escândalo revelou os segredos que ocorriam no interior de uma instituição afetada por intrigas e corrupção, destruindo a fama de uma nação luterana construída sobre os valores da transparência, honradez e igualdade.
Após a intervenção do rei, as renúncias em cadeia, uma reforma dos estatutos e os violentos ataques da imprensa, os guardiães do templo aspiram a falar só de literatura.
Como todos os anos desde 1901, os prognósticos apontam para uma série de nomes, embora a academia guarde o segredo da votação de seus 18 membros até o último momento.
Nas apostas soam os nomes da escritora francesa da ilha de Guadalupe Maryse Condé, do autor queniano Ngugi Wa Thiong’o e da poetisa canadense Anne Carson.
A Academia Sueca, criada em 1786 e fundada no modelo da antiga Academia Francesa, teve que adiar por um ano o anúncio do Nobel de Literatura 2018, algo sem precedentes nos últimos 70 anos.
A instituição não conseguiu chegar a um acordo sobre como administrar as relevações de agressões sexuais de um francês, Jean-Claude Arnault, influente personalidade da cena cultural sueca.
Casado com uma acadêmica, Arnault recebia generosos subsídios da academia, se vangloriava de ser “o membro 19” e, segundo testemunhas, revelava o nome dos futuros laureados a seus amigos.
Os acadêmicos discordaram sobre a forma de enfrentar a crise, causando renúncias sucessivas, entre elas a da secretária permanente Sara Danius.
Jean-Claude Arnault foi condenado a dois anos e meio de prisão por estupro.
– O ano do consenso –
Os nomes dos laureados do Nobel de Literatura serão revelados nesta quinta às 13H00 (08H00 em Brasília).
Os críticos entrevistados pela AFP preveem nomes consensuais, entre eles ao menos uma mulher, talvez a chinesa Can Xue, a russa Lyudmila Ulitskaya, a americana Joyce Carol Oates ou a polonesa Olga Tokarczuk.
O Prêmio Nobel de Literatura foi concedido a apenas 14 mulheres entre uma centena de homens desde sua criação, em 1901.
Entre os autores homens, destacam-se nos palpites o poeta e romancista romeno Mircea Cartarescu, o japonês Haruki Murakami e o checo Milan Kundera, nacionalizado francês.
Para Svante Weyler, escritor e ex-editor, a Academia Sueca e o prêmio podem recuperar seu prestígio, “mas só com uma seleção muito acertada dos laureados”.
Segundo ele, a “Svenska Akademien” optará por nomes clássicos que tenham grande reconhecimento nos meios literários e entre o público.
Mas “de maneira nenhuma algum que possa causar uma controvérsia política”, indica.
O jornalista e escritor francês Olivier Truc, autor de “L’Affaire Nobel” (O caso Nobel), publicado na França pela editora Grasset, indica que a instituição já foi alvo de controvérsias “quando outorgou o prêmio a dois de seus membros em exercício”, referindo-se à decisão de dar o prêmio em 1974 a Harry Martinsson e Eyvind Johnson.
Em 2016, a escolha do músico americano Bob Dylan também causou fortes críticas no mundo das letras.
Outro caso é quando o ganhador não aceita um prêmio a seu ver desvalorizado, como ocorreu em 1964 com Jean-Paul Sartre, adverte a crítica sueca.
– Reputação afetada –
O comitê do Prêmio Nobel, composto normalmente por cinco membros que recomendam um laureado ao resto da academia, deve incluir em 2019 e 2020 “cinco especialistas externos”, especialmente críticos, editores e autores de entre 27 e 73 anos.
Depois do escândalo, estas nomeações externas foram impostas pela Fundação Nobel, que financia o prêmio.
“As mudanças foram muito frutíferas e temos esperança para o futuro”, declarou à AFP o novo secretário permanente, Mats Malm, dias antes do anúncio dos premiados.
Mas para muitos o mal já está feito.
“Depois de ter estado associado à literatura de primeira ordem, o Prêmio Nobel está agora relacionado para muitos ao #MeToo… e a uma organização que tem falhas de funcionamento”, lamenta Madelaine Levy, crítica no jornal Svenska Dagbladet.
“Resta ainda muito trabalho por fazer, temos certeza”, aponta Malm.
Fonte: IstoÉIndependente

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…