Pular para o conteúdo principal

Nos 80 anos de Espedito Seleiro, familiares e amigos o reverenciam como mestre

O artesão cearense é referência e inspiração para aqueles que o rodeiam


O entretenimento maior para a família do mestre Espedito Seleiro sempre foi o trabalho. Desde que eram só ele e a esposa, dona Francisca, o ofício já ocupava o lugar de protagonista. "Ele trabalha até demais, mulher", comenta entre risos a companheira, que não esconde a admiração: "Mas é muito gente boa. Eu gosto é de tudo nele", completa, com a mesma certeza do primeiro encontro, ela aos 14 anos de idade e ele aos 21.
Quando vieram os filhos, o processo de assimilação do artesanato em couro foi semelhante ao do próprio Espedito com o pai Raimundo e o avô Gonçalo. "Comecei novinho. Ele trabalhando e eu já tava em cima de uma mesa, mexendo", conta Maninho, aos 42. Wellington, cinco anos mais velho, também desfrutou dessa experiência. "Tô aqui desde que comecei a me entender por gente. De uma maneira ou de outra, ajudando ou dando trabalho, mas sempre lá", recorda.
espeditoespedito
Espedito Seleiro com o filho Wellington e as netas Rayssa e Mayssa, no ateliê em Nova Olinda
FOTO: THIAGO GADELHA
O processo, como fica perceptível, é gradual na família de seleiros, e as filhas de Wellington, Rayssa, 13 anos, e Mayssa, 4, são provas vivas disso. "A gente começa aos poucos, nos pontinhos, que é mais fácil, depois pega na lâmina, corta o couro, e aí vai desenvolvendo, criando, aprendendo mais, pegando a prática", destaca o pai.

REVERÊNCIA

O mérito de ter um trabalho que agrega a família de forma harmoniosa é reconhecido por todos. "Nesses 80 anos, acho que isso é um privilégio tanto para ele quanto para nós, que permanecemos unidos", observa Maninho.
E o irmão Wellington complementa, ressaltando a humildade do pai frente a toda a comunidade, mesmo com o sucesso.
Aqui não importa a pessoa, quem chega é bem-vindo. O que eu mais admiro nele é exatamente essa simplicidade. Qualquer um que vier, ele dá a maior atenção. É isso que importa", reconhece.

INSPIRAÇÃO

Mesmo quem não tem o sangue de seleiro correndo nas veias, é tratado como se fosse da família. É o caso de Alan Cordeiro, 18 anos, que atua como guia do Museu do Ciclo do Couro e inspira-se na história do artesão para construir a sua própria. "Os 80 anos dele significam muito crescimento, tanto das pessoas que trabalham com ele como da própria cidade. Toda essa trajetória significa isso, de quanto um homem daqui do interior, do Cariri, humilde, que começou um trabalho simples, torna-se um ícone cultural e econômico", evidencia.
O mestre realmente é referência, seja para quem está começando ou quem tem um caminho traçado, a exemplo do amigo e designer paulista Marcelo Rosenbaum. "Espedito é inspiração para mim em todos os sentidos. Fico muito feliz quando estou ao lado dele, ouvindo causos, conversas cheias de humor; e o acabamento dele é uma loucura mesmo, a criatividade, a noção estética de equilíbrio, de proporção. Ele é um mestre, na dimensão toda do uso, do fazer, da manufatura, da criatividade". 
espeditoespedito
Marcelo Rosembaum considera Espedito Seleiro uma inspiração
FOTO: NATINHO RODRIGUES
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …