Pular para o conteúdo principal

Novela Bom Sucesso apresenta clássicos da literatura para telespectador

Thais Perez | @_thaisperez
A dramaturgia televisiva é uma das produções culturais mais populares do Brasil. A televisão é casa de enredos que evocam a frenesi e paixão do telespectador ou então estão apenas ali, como um companheiro para noites que precisam de uma distração das dores do mundo real. 
Algumas novelas podem ser consideradas rasas pelo público, com histórias simplistas e até mesmo clichês. Contudo, seus enredos cativantes podem ser atrativos e portas de entrada para outros universos, como o da literatura.
A novela Bom Sucesso, que vai ao ar na faixa das sete pela TV Globo é um desses exemplos. A história começou com Paloma, personagem de Grazi Massafera, descobrindo que teria poucos meses de vida através de um exame. Depois de alguns dias vivendo seus dias como se fossem os últimos, Paloma descobre que seu exame foi trocado com o de Alberto, interpretado por Antônio Fagundes.
Os dois iniciam uma amizade essencial para a recuperação de Alberto de um câncer terminal. Enquanto Paloma ensina a Alberto os prazeres da vida simples, Alberto mostra à Paloma o mundo da literatura.
Dono de uma editora, Alberto tem uma grande biblioteca onde troca experiências com a moça, que se torna a sua cuidadora.
Nos diálogos, são citados autores como Franz Kafka, Ernest Hemingway e Machado de Assis. Clássicos como Peter Pan, de J. M. Barrie e Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carrol são temas de conversas entre os personagens.
Os livros lidos pelos personagens tem ligação com as dúvidas, medos e histórias dos personagens. Envolvida em um triângulo amoroso, Paloma lê Dom Casmurro, por exemplo. A novela teve alguns episódios filmados na Bienal do Livro do Rio de Janeiro.
ÉRAMOS SEIS.
Com texto adaptado do livro de mesmo nome, da autora Maria José Dupré, estreou nesta segunda-feira uma nova adaptação de Éramos Seis na TV Globo. A obra foi lançada em 1943, e faz parte da série Vaga-Lume desde o início da década de 1970.
A trama, que conta a história de uma família que luta para viver com dignidade, aborda acontecimentos históricos como a gripe espanhola de 1918, a Revolução Paulista de 1924, e a Revolução Constitucionalista de 1932.
A nova versão foi adaptada por Ângela Chaves e dirigida por Carlos Araújo, trazendo como protagonistas Glória Pires e Antonio Calloni.
Por O Vale

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…