Pular para o conteúdo principal

Oitavo volume da revista Scriptorium, dedicada à bibliofilia, é lançado nesta terça-feira (1)

Publicação reúne textos de Ana Miranda, Tales de Sá Cavalcante, entre outros nomes de relevo da literatura cearense


A bibliofilia é, antes de tudo, um ato de apego e respeito ao conhecimento. Atividade milenar - consta que Alexandre, O Grande, é considerado o criador da primeira e maior biblioteca da humanidade - possui verbete no dicionário Aurélio Buarque de Holanda cujo significado dimensiona a proposta que o ofício abraça.
"Amor aos livros, especialmente os belos e raros. Entende-se a arte de colecionar livros tendo em vista circunstâncias especiais ligadas à publicação deles", demarca. Há mais, porém, muito mais a se considerar nesse processo. Refletir sobre as questões que atravessam obras e, sobretudo, fatores ligados a elas, também é imperativo para perpetuar seu legado e ressonância.
Esse, pelo menos, é o principal fundamento da Scriptorium, revista da Associação Brasileira de Bibliófilos. Fundada há aproximadamente 10 anos, é uma publicação que elege as distintas perspectivas sobre a bibliofilia como maneira de fazer com que a temática continue sempre urgente, pautando o hoje em diversas frentes.
"Trata-se de não apenas valorizar o livro como objeto, mas a escrita e a leitura, ultrapassando, assim, a forma fetichizada que muitas vezes as obras são encaradas por parte de leitores e leitoras".
A afirmação é de Lúcio Alcântara, bibliófilo e editor da revista, uma das poucas no País a falar exclusivamente de temas inerentes aos livros.
O oitavo volume da publicação, com periodicidade anual, será lançado nesta terça-feira (1), às 18h30, no prédio BS Design. O material tem distribuição gratuita e apenas 300 exemplares estarão disponíveis para aquisição.

COMEMORAÇÃO

Além do lançamento, o dia será de festejar as três décadas de atuação da Expressão Gráfica e Editora. A casa nasceu de um projeto idealizado por Francisco Eulálio Santiago Costa, e segue como uma das principais empresas de fomento ao livro cearense, à frente da publicação de obras assinadas por grandes nomes das nossas letras, seja na ficção, seja na pesquisa documental.
É a Expressão, inclusive, que traz ao público o novo volume da Scriptorium, feito comemorado por Lúcio. "No volume anterior, havia um texto de Olavo Bilac sobre a fatalidade do número 7 para as revistas editadas aqui no Brasil. Geralmente, elas não seguiam após essa marca. Com a recente edição, conseguimos ultrapassar esse desafio. E pretendemos, mesmo com toda a dificuldade referente a custos, persistir no objetivo de ter uma publicação dedicada à bibliofilia", situa.
img2img2
Questões ligadas à bibliofilia ultrapassam o fetiche ao livro
Foto: Nah Jereissati
O desejo é justificado: neste oitavo volume, a produção atesta a relevância no contexto em que está inserida. Personalidades do porte de Ana Miranda, Tales de Sá Cavalcante, Ingrid Schawamborn e Gizela Nunes da Costa escrevem textos em que se sobressai a paixão pelo estar entre letras. Ao mesmo tempo, elencam subjetividades que dialogam frontalmente coma audiência.

AMPLITUDES

A escritora e colunista do Verso, Ana Miranda, em "O Direito à Ficção", primeiro texto do volume, defende, por meio de detalhes da rotina, que "assim como não teremos equilíbrio emocional se não sonharmos, não teremos equilíbrio social sem a literatura, ou a ficção".
Mais adiante, Ésio Macedo Ribeiro escreve sobre a experiência desafiadora de um colecionador para obter uma obra desejada com afinco, em "A Conquista de A Cinza das Horas", de Manuel Bandeira.
Na sequência, em criativo ensaio, o cientista político e escritor Paulo Elpídio de Menezes Neto dialoga com um livreiro a fim de apresentar a arte da bibliofilia aos iniciados no ramo. Um farto cardápio, assim, de referências e panoramas.
"É também sobre o impacto da evolução dos meios eletrônicos na leitura e no livro, algo que está revolucionando o setor em muitos aspectos, inclusive na escrita. Toda reflexão que fomentar o debate é de nosso interesse, o que, para mim, explica a longevidade da revista", conclui Lúcio Alcântara.
Serviço
Lançamento do oitavo volume da Revista Scriptorium
Nesta terça-feira (1), às 18h30, no BS Design - Auditório Walter Nogueira, Mezanino (Av. Desembargador Moreira, 1.300, Torre Norte). Contato: (85) 3052.3511.

Image-1-Artigo-2589045-1Image-1-Artigo-2589045-1
Revista Scriptorium
Associação Brasileira de Bibliófilos
Expressão Gráfica e Editora
2019, 112 páginas
Distribuição gratuita


Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…