Pular para o conteúdo principal

Prêmio São Paulo de Literatura 2019 anuncia classificados para a final

Vinte obras foram selecionadas entre 175 concorrentes de diversos estados; vencedores serão conhecidos em dezembro

Prêmio São Paulo de Literatura 2019 anuncia finalistas
Nesta sexta-feira (18), a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado anunciou os finalistas da 12ª edição do Prêmio São Paulo de Literatura, o maior do País em premiação individual para o gênero. Serão contemplados um autor pela categoria “Melhor Romance de Ficção do Ano de 2018” e um como “Melhor Romance de Ficção de Estreia do Ano de 2018”.
Cada ganhador receberá o prêmio de R$ 200 mil. A cerimônia de entrega do prêmio será realizada em dezembro. Permanecem na disputa autores naturais de sete estados brasileiros: São Paulo (6), Rio de Janeiro (5), Santa Catarina (3), Paraná (2), Goiás (1), Pernambuco (1) e Rio Grande do Norte (1), além de um finalista chileno.
Ao todo, 175 livros entraram na competição. A ênfase no romance é uma característica do Prêmio São Paulo de Literatura desde a criação, em 2008, inspirado no britânico Man Booker Prize.
Confira os finalistas da 12ª Edição do Prêmio São Paulo de Literatura:
Melhor Romance de Ficção de 2018
Alberto Mussa – A biblioteca elementar (Record)
Ana Paula Maia – Enterre seus mortos (Cia das Letras)
André de Leones – Eufrates (José Olympio)
Carola Saavedra – Com armas sonolentas (Cia das Letras)
Cristovão Tezza – A tirania do amor (Todavia)
Flavio Cafiero – Espera passar o avião (Todavia)
Ignácio de Loyola Brandão – Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela (Global)
Martha Batalha – Nunca houve um castelo (Cia das Letras)
Mauricio Lyrio – O imortal (Cia das Letras)
Ronaldo Correia de Brito – Dora sem véu (Alfaguara)

Melhor Romance de Ficção de Estreia do Ano de 2018
Daniela Stoll – Do lado de dentro do mar (Patuá)
Deborah Dornellas – Por cima do mar (Patuá)
Érico Nogueira – Contra um bicho da terra tão pequeno (Filocalia)
Fred Di Giacomo – Desamparo (Reformatório)
Giovana Madalosso – Tudo pode ser roubado (Todavia)
Gustavo Linhares – O infeliz das Costa Oca (Patuá)
Juliana Leite – Entre as mãos (Record)
Luciana Annunziata – Os cadernos do desencontro de Antônio Guerra (Quelônio)
Paulo Schmidt – Anjo negro (Cepe)
Tiago Ferro – O pai da menina morta (Todavia)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …