Pular para o conteúdo principal

Viva a Flup Mar!

A iniciativa ganha ainda mais relevância e necessidade nos dias atuais, em momento de cena conturbada, de manifestação de atos de censura
O MAR jamais seria indiferente, contrário ou insensível à força da FLUP
O MAR jamais seria indiferente, contrário ou insensível à força da FLUP (Divulgação)

Eleonora Santa Rosa**
O Museu de Arte do Rio – MAR tem a honra e alegria de acolher em seus espaços a oitava edição da FLUP – Festa Literária das Periferias, seja por sua importância estratégica, conceitual e cultural para a cidade do Rio de Janeiro, seja por sua exemplaridade e significado no cenário nacional.
A iniciativa ganha ainda mais relevância e necessidade nos dias atuais, em momento de cena conturbada, de manifestação de atos de censura, de perseguição religiosa, de discriminação crescente, de homofobia, de caça ao pensamento, à liberdade de expressão, de corte orçamentário nos campos da educação, cultura, meio ambiente e ciência e tecnologia, da retração de investimentos no campo social e na mitigação da pobreza, do retrocesso das políticas públicas de direitos humanos e de outras conquistas sociais arduamente alcançadas ao longo de anos, graças a lutas sem tréguas de milhares.
Em contexto político de persecução e autoritarismo e de raquitismo intelectual, moral e pessoal, tornam-se vitais ao corpo ético do país movimentos, ações estruturadoras compromissadas com a civilização, com a cultura, com a história, com a arte, com a literatura, como a FLUP. Os empreendedores dessa festa literária trazem em seu currículo, em sua trajetória individual e coletiva, um potente e vital trabalho compromissado com a resistência e transmutação da injusta, excludente e triste realidade que nos assola e sufoca, historicamente.
Se por um lado assistimos ao inegável encolhimento dos valores basilares da nação, no seu sentido mais amplo, por outro lado é inquestionável que a esperança de transformação e de um futuro mais solidário, íntegro e generoso, de compartilhamento e de justiça econômica e social reside na existência e atuação de agentes, de pessoas, de profissionais, de artistas, de jovens, de simpatizantes, de militantes, de aliados a movimentos como o encabeçado pela FLUP.
O MAR jamais seria indiferente, contrário ou insensível à força da FLUP. Nesta parceria estratégica, o museu, que tem atuado na zona portuária e em outros territórios da cidade com um alentado e ousado programa de atividades de formação, mobilização, sensibilização, cooperação, provocação e extensão desenvolvido por sua Escola do Olhar, não só abraça, mas assume, em sua face mais resiliente, a FLUP. Mais do lhe que ceder espaço ou colaborar para sua viabilização econômica, o MAR afirma sua crença e compromisso com a força e inteireza da arte, da cultura e da educação em território expandido de livre-pensamento, afeto e comportamento.

Viva a FLUP MAR!
*Este texto foi escrito especialmente para a abertura da FLUP esta semana no MAR.
**Eleonora Santa Rosa – ex-secretária de Estado de Cultura de Minas Gerais, dirige atualmente o Museu de Arte do Rio – MAR.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …