Pular para o conteúdo principal

Voluntários se reúnem para produzir 300 toucas para crianças com câncer

Material foi doado por indústria têxtil. Organizadores esperam ampliar o número de voluntários com ação

“Ninguém é feliz vivendo para si mesmo. Um rio não bebe a própria água. Uma árvore não come o próprio fruto”, parafraseando discurso do papa Francisco, a empresária Auxiliadora Félix, 52, abriu as portas da Casa Bendita, no bairro Meireles, em Fortaleza, para aproximadamente 100 voluntários, em sua maioria mulheres, confeccionarem gorros de crochê e lã para doarem a crianças diagnosticadas com câncer da Associação Peter Pan. A ação é organizada pelo grupo Cabeça Feita.
O encontro Tecendo Amor ocorreu na manhã deste domingo, 6. Entre agulhas, linhas e bordados, as mulheres, protegidas por barracas dispostas frente ao empreendimento, compartilhavam as histórias sobre a doença e o capricho em ajudar os mais novos que passam pela mesma situação de quem estava no local, mas não que não têm condições de arcar com as despesas do tratamento. Uma ação paliativa, mas importante para levar o sorriso aos beneficiados.
“É uma realização pessoal de tamanha felicidade e alegria. Viver só para si é uma vida muito vazia. A gente, como empresário e pessoa, precisa ajudar a comunidade onde vive. É como uma colcha de crochê. Se tiver um buraco, ela vai se desfazer”, considera Auxiliadora. A empresária conseguiu 300 novelos com a Coats Corrente, indústria têxtil, e doou outra centena.
A expectativa da anfitriã do evento é produzir até 300 gorros com o material. Ela detalha que cada novelo pode resultar em uma toca. No entanto, se a peça for destinada a crianças mais velhas pode consumir até duas unidades do material. “Se não conseguir agora, procure o projeto e ajuda. Ainda vai ter muita linha, só precisa de uma mão para tecer”, convida.
FORTALEZA, CE, BRASIL,06-10-2019:Multirão faz tocas para crianças com cancer. Casa Bendita.  (Foto: Fabio Lima/O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL,06-10-2019: Multirão faz tocas para crianças com cancer. Casa Bendita. (Foto: Fabio Lima/O POVO) (Foto: Fabio Lima)

Diagnosticada com câncer de mama em 4 de julho deste ano, a psicóloga Fátima Noronha, 65, marcou presença no evento, após convite da Auxiliadora, e aproveitou para estreitar os laços com outras companheiras. “Resolvi me engajar para ajudar crianças que precisam de apoio nesse momento tão importante da vida delas”. Fátima esbanjou estilo com uma touca cinza marcada por pérolas brancas.
Uma das idealizadoras do Cabeça Feita, a aposentada Nagélia Leite, 68, espera atender mais crianças e conseguir mais voluntárias para participar do projeto. Ela destaca a necessidade de ampliar a ação, já que pelo menos 150 crianças são atendidas diariamente na Associação Peter Pan. A iniciativa começou com cinco pessoas. Hoje, conta com quase 40 integrantes.
“Se envolver com problemas que não são meus me ajudou muito. Eu já tive quatro diagnósticos de câncer. Isso me dá uma força muito grande. Você vê que o diagnóstico de uma doença dessa não é muita coisa na frente do que muita gente tem de passar. Quem vem do interior, não tem onde ficar, não tem condições de custear tratamento, tem de depender do tempo e da disponibilidade do SUS (Sistema Único de Saúde)”.
O Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…