Pular para o conteúdo principal

1ª Feira Literária de Canudos (Flican) movimenta sertão baiano até domingo

A 1ª Feira Literária de Canudos (Flican), que foi aberta dia 21, movimenta a cidade do sertão baiano, a 409 km de Salvador, até este domingo, 24, em uma iniciativa do campus local da Universidade Estadual da Bahia (Uneb).
“O Sertão vai virar arte” é o tema central do evento, que, com homenagem a Antônio Conselheiro e Euclides da Cunha, comemora 122 anos da Guerra de Canudos, uma das passagens relevantes da história do Brasil. Conhecido também como insurreição ou revolução de Canudos, o movimento viveu entre 1896 e 1897 um levante popular de raiz sócio-religiosa, liderado por Antônio Conselheiro.
Envolvendo os moradores do vilarejo e outros simpatizantes da causa, a guerra confrontou a população e o Exército da República, então recém-criada (1889), tendo o movimento sucumbido aos ataques dos militares.
A relevância da festa literária, de acordo com o professor Luiz Paulo Neiva, vai além da oportunidade para discutir e valorizar atividades artísticas e culturais, porque também alcança a economia e fomenta o turismo regional, que tem potencial acima do que é aproveitado.
Ele, que é o organizador geral da Flican, destacou que “Canudos já merecia uma feira literária há muito tempo” e salientou que o evento movimenta diretamente setores como hospedagem e alimentação, e reflete de forma positiva em outros empreendimentos, gerando empregos e renda.
Para o professor, a Flican “é fundamental para celebração do livro, da literatura, da cultura e da arte. Aqui o público encontra uma programação rica, com forte compromisso de preservação da memória, da história desse lugar e da cultura regional”.
Cordéis, pífanos e poesias - Tendas culturais tem a missão de cativar principalmente o público jovem, com oficinas de robótica produção textual e audiovisual. Estes espaços tem a participação de estudantes de seis escolas da região, com repertório artístico e científico, inspirados em Canudos e no sertão.
Também a petizada das séries iniciais tem lugar especial. É a Flicanzinha, que foi preparada para oferecer opções de música, encenação, contação de histórias, atividades lúdicas e educativas.
Outro atrativo é a exposição de fotos e objetos da época da guerra e a exposição Bello Monte/Canudos: A Terceira Margem, do artista plástico Silvio José. O evento oferece também exposição de vegetais citados por Euclides da Cunha no livro Os Sertões e projeção de diversos filmes com a temática de Canudos e a vida sertaneja.
No encerramento, dia 24, tem visita guiada aos pontos históricos e culturais da região, como o Parque Estadual de Canudos, o Mirante do Conselheiro, o Instituto Popular Memorial de Canudos (IPMC) e o Museu Manoel Travessa.

Fonte: A Tarde

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…