Pular para o conteúdo principal

Força ancestral: dos 87 quilombos cearenses, 35 são liderados por mulheres

Lideranças femininas estão na linha de frente das lutas sócio-político-culturais dos quilombos do Ceará. Presentes no litoral, serra, sertão e região metropolitana, elas assumem o protagonismo em comunidades que ainda buscam por direitos básicos
detalhe-quilombodetalhe-quilombo
Estado do Ceará tem quilombo? Cristina, Socorro, Cleomar e Maria responderão quantas vezes for preciso que sim. Mulheres negras e quilombolas, elas exercem cargos de liderança nas comunidades as quais estão vinculadas, em quatro geografias diferentes: região metropolitana, serra, litoral e sertão. E num processo de autoafirmação, resistem à tentativa de apagamento de suas narrativas ancestrais, levantando a voz para contar “a história que a história não conta”. 
Se a “Terra da Luz” é assim reconhecida por um movimento abolicionista pioneiro em relação ao Brasil, afinal data de 25 de março de 1884 a Abolição em nossa província, quatro anos antes da Lei Áurea, há muito ainda que se discutir sobre as “correntes simbólicas” arrastadas ao longo dos últimos anos por negras e negros cearenses.
A disputa atual por questões territoriais, além de outros direitos básicos, como saneamento, segurança, saúde e educação, atravessam os 87 quilombos contemporâneos identificados pelo próprio movimento no Ceará, um mapeamento inédito divulgado em março deste ano. O levantamento foi realizado em dois meses, graças a uma força-tarefa das lideranças quilombolas do Estado. É possível esse número ser ainda maior, chegando a 115 comunidades. Até o momento, 50 deles têm o reconhecimento nacional da Fundação Cultural Palmares.
InfograficoInfografico
O historiador quilombola João do Cumbe, mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará (UFC), contextualiza essas necessidades, quando afirma que “assegurar o território, nesses casos, é fundamental, para que nós possamos estar nos recriando, inovando, desenvolvendo outras tecnologias, formas de existir, produzir, de viver. Rompemos com o conceito do quilombo histórico, em que teríamos que estar isolados, numa casa de taipa. Nós éramos os foragidos”. Hoje não são mais. 

Liderança

Detalhe 2Detalhe 2
Cristina e Cleomar ocupam o lugar da presidência nas comunidades de Caetanos, em Caucaia, e do Cumbe, em Aracati, respectivamente. Já Socorro e Maria, apesar de também estarem em cargos de diretoria, dedicam-se mais especificamente à transmissão de saberes como mestras da cultura; a primeira na Serra do Evaristo, em Baturité, e a segunda, no Quilombo de Souza, em Porteiras (Cariri).
Ainda que geograficamente separadas, as quatro se encontram numa luta comum, e que perpassa também a afirmação da cor da pele, dos traços do rosto, da ondulação do cabelo, e do próprio gênero que representam.
Apesar de alguns enfrentamentos, são consideradas por muitos como referências nos ambientes em que nasceram, e cultivam junto ao seu povo as perspectivas e garantias de direitos que historicamente lhe foram negados.
Assim como elas, outras mulheres assumem essa responsabilidade no Estado. Só na presidência das comunidades, o Ceará contabiliza pelo menos 35 lideranças femininas. Vinte estão em quilombos reconhecidos pela Fundação Cultural Palmares. Mas quando se amplia o olhar para a formação das diretorias, por exemplo, ou se observam as demais posições estratégicas que podem ser ocupadas num lugar, suas presenças são ainda mais expressivas.
As raízes negra e quilombola que as unem ultrapassam a data-marco para o movimento - 20 de novembro, dia da morte de Zumbi dos Palmares, transformado no Dia da Consciência Negra - e encontram tempo e espaço em diferentes gerações de Marias, Mahins, Marielles, Malês. Chegou, então, a vez de ouvi-las, a começar pelas cearenses.

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…