Pular para o conteúdo principal

Fotos raras capturam começo humilde dos Rolling Stones

A exposição 'Black & White Blues - Where it all began' mostra um início de carreira pouco conhecido por milhões de fãs em todo o mundo
Integrantes dos Stones contando o dinheiro para pagar o táxi em 1963.
Integrantes dos Stones contando o dinheiro para pagar o táxi em 1963. (Gus Coral/Zebraonegallery.com via REUTERS)

LONDRES - Uma série de fotos em preto e branco da época da primeira turnê de shows dos Rolling Stones, em 1963, será exposta no leste de Londres neste mês.
As imagens, feitas em um estúdio de gravação londrino e em uma apresentação em Cardiff, no País de Gales, ficaram guardadas sob a cama do fotógrafo Gus Coral durante mais de 50 anos até ele decidir resgatá-las.
As fotos capturam o começo humilde de uma banda que se tornaria um nome conhecido em todo o mundo, e incluem uma foto dos músicos juntando dinheiro para uma corrida de táxi e uma pequena plateia esperando debaixo de chuva antes de eles e outros grupos da turnê subirem no palco galês.
Coral, que tinha 26 anos quando tirou as fotos, lembra de ter pensado na época que a banda iria longe. "Obviamente... eu não sabia que eles durariam todos esses anos e seriam tão especiais, mas sabia que eram especiais", disse.
"Estávamos saindo da Segunda Guerra Mundial e havia certas pessoas que eram meio que líderes na descoberta de um novo caminho, uma nova cultura para ir adiante. E eles eram um deles."
Ao observar Mick Jagger e os colegas de banda Keith Richards, Bill Wyman, Charlie Watts e Brian Jones antes de gravarem I wanna be your man em Londres, Coral ficou impressionado com seu profissionalismo.
"(As pessoas) querem aquela coisa ‘destruímos o hotel e tínhamos uma fila de garotas de 16 anos esperando na porta‘", disse. "Não era nada assim. Era um homem sério fazendo um trabalho sério e fechando um contrato de gravação."
Coral e alguns amigos foram de carro a Cardiff para gravar o show e tiveram acesso total. A exposição Black & White Blues - Where it all began ficará no The Curtain entre 18 de novembro e 2 de dezembro.

Reuters / Dom Total

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…