Pular para o conteúdo principal

Livro relata jornada contra o Parkinson

Capa do livro de Alonso
O primeiro sinal veio em 2005: ao caminhar, o jornalista George Alonso sentiu uma ligeira dificuldade para caminhar, como se algo "travasse" o passo, especialmente o do pé esquerdo. Depois vieram as dores, especialmente naquela perna, que o impediam de ficar durante muito tempo sentado. Uma peregrinação por médicos só terminou no ano seguinte, quando surgiu o diagnóstico certo: doença de Parkinson, distúrbio no sistema nervoso que diminui a produção de dopamina, neurotransmissor que, entre outras funções, controla os movimentos.
A forma com que Alonso vem lutando contra a doença degenerativa desde então inspirou a escrita do livro Os Últimos Dias Antes dos Próximos (Editora Referência), relato sincero sobre sua jornada. "Comecei a escrever como um desabafo", conta o jornalista, que decidiu publicar a obra ao perceber que há muita desinformação sobre a doença, a qual ele passou a chamar de 'Fera'.
Em suas pesquisas, Alonso descobriu mais detalhes sobre como duas personalidades, o ator Michael J. Fox e o pugilista Muhammad Ali (1942-2016), lidaram com a doença. Suas reações são distintas - sobre o fato de Fox ter dito que, em certos dias, não parava de rir de seus sintomas, como a tremedeira das mãos, Alonso é taxativo: "Sinceramente, não consigo rir, até porque não são aparentes". E acrescenta: "Como não tenho tremor, ninguém percebe. Agora, levo alguns tombos que ninguém espera".
Já o fato de Ali ter convivido 32 anos com a doença é animador. "Pode surgir algum tratamento, mais eficaz, ou até mesmo a cura", diz ele que, em 2015, implantou o DBS (Deep Brain Stimulation), uma espécie de marca-passo cerebral que inibe os efeitos da doença. Com isso, Alonso voltou a pintar, uma paixão antiga. "Acho que, sem pintar, talvez pudesse ficar com depressão, porque tenho todo o tempo livre. É um megaexercício mental", conta ele, influenciado por Kandinski, Volpi e Tarsila do Amaral.
Fonte: Diário da Região

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…