Pular para o conteúdo principal

Mostra reúne obras de artistas negras de Fortaleza e resgata história de Dandara dos Palmares


13/11/2019 14:26:36

Artistas que compõem a Mostra Dandaras
Artistas que compõem a Mostra Dandaras (Foto: Arquivo pessoal)

“Mulheres pretas movendo estruturas”. É a partir da potência dessa frase que Silvelena Gomes, designer e ilustradora, e Sis Martins, tatuadora e body-piercing, idealizaram a Mostra Dandaras, espaço voltado para reunir artistas negras de Fortaleza e resgatar a memória de Dandara dos Palmares, guerreira negra do período colonial no Brasil.
"A gente teve a ideia da Mostra observando outros espaços artísticos de Fortaleza e a falta de mulheres pretas neles. Com o mês da Consciência Negra, a gente pensou em homenagear Zumbi, mas pensou na nossa semelhança com Dandara, uma mulher guerreira que teve sua história invisibilizada", conta Silvelena, ou Sil, como gosta de ser chamada. 
Ainda de acordo com a ilustradora, a iniciativa também surgiu do desejo de pertencer. "Queria estar numa exposição que falasse comigo, sobre mim e que eu estivesse envolvida como sujeito, não como objeto", diz.
O evento é idealizado e realizado somente por mulheres negras, escolha consciente das organizadoras. "Somos mais de 15 mulheres pretas e nossa escolha foi feita muito pensando em um ambiente seguro e confortável de expressão artística. Esses passos pequenos que a gente deu ainda vão reverberar muito na gente e nas outras", continua. 
A Mostra Dandaras também propõe uma experiência sonora que busca aproximar os visitantes ao legado de Dandara dos Palmares. Narrado por Tainã Maciel, com texto dela e de Silvelena Gomes, ouça abaixo um áudio que também compõe o espaço. Para uma melhor experiência, ouça com fones de ouvidos.
Exposições e intervenções artísticas, apresentações culturais, feirinha, oficinas e rodas de conversa sobre temáticas relacionadas às vivências das negras também fazem parte do evento.
É o exemplo da multi-artista Tamires Ferreira, que está levando seis obras, cinco pinturas e um poema, sobre seu processo de redescoberta enquanto mulher negra. “As obras fazem parte de uma coleção que fala sobre a questão da energia escura, das transformações da nossa construção identitária”, afirma.
Em suas obras, Tamires faz um comparativo entre essa energia escura, uma descoberta científica, e o processo de descolonização por qual passa. “É uma energia que está sempre em expansão”, reflete. Tamires levará mais duas atividades para a Mostra: uma oficina de pintura autobiográfica utilizando o recurso da aquarela e uma roda de conversa sobre “Potentes Criativas”. Segundo a artista, Fortaleza se mostra um “campo árido” para receber artistas negros e negras e propostas como esse espaço são importantes para visibilidade. “A abertura no sábado (9) foi um momento de profunda conexão. Saí de lá muito cheia, muito oceânica”, comenta.

Uma das ilustrações de Silvelena Gomes para a Mostra. A artista atende como @ilustrasil no Instagram.
Uma das ilustrações de Silvelena Gomes para a Mostra. A artista atende como @ilustrasil no Instagram. (Foto: Reprodução)

Ela alerta, contudo, para que essas discussões tomem fôlego para além do mês de novembro. “A nossa existência enquanto artistas negras perpassa o novembro. É como se a gente existisse só no segundo semestre do ano. Parece que no começo do ano a gente fica sublimado. Essa Mostra é importante tanto para dar visibilidade quanto para dar espaço”, conclui.
Sil conta que as obras expostas são de cunho pessoal e biográfico, algumas mais leves e outras mais pesadas. A organizadora se mostra ansiosa para os próximos dias do evento e espera que a Mostra consiga tocar mais gente. "O nosso objetivo é ser vista, ouvida e tocada. Cada uma de nós está ali de forma muito evidente. Esse tipo de articulação nos deixa mais vivas", relata. 
A mostra Dandaras também é composta por Amanda Benevides, Caroline Sousa, Duda Xavier, Flávia Almeida, Izabel Accioli, Isabele Galeazzi, Jade Beatriz, Julianne Pinheiro, Lídia Rodrigues, Mairla Delfino, Maria Santos, Naryane Gomes, Sara Maria, Suellem Cosme, Tainã Maciel, Tamires Ferreira, Vitória Maria e Yara Canta.
SERVIÇO
Mostra Dandaras
Quando: 9 a 30 de novembro
Onde: Carnaúba Cultural (R. Instituto do Ceará, 164 - Benfica).

Confira a programação dos próximos dias:

>> 16/11 - Sábado
- Oficina Turbante com Isabele Galeazzi - 16h
(10 vagas, R$15 por pessoa)
- Oficina Linóleogravura com Suellem Cosme - 16h
(10 vagas, R$20 por pessoa)
- Visitação (a partir das 18h)
- Discotecagem (a partir da 20h)
>> 17/11 - Domingo - 12h
- Roda de Samba (a confirmar)
- Discotecagem Sil e Sis (a partir da 20h)
>> 20/11 - Quarta
- Jogo do Privilégios - 18h
- Cineclube Noir Blue - Ana Pi - 19h
- Roda de Conversa “Como Viver neste mundo?” sobre Saúde Mental da População
Negra com Coletivo Denegrir
- Festa Poder Preto - Clipes nacionais e internacionais
>> 21/11 - Quinta -18h
- Visitação
>> 22/11 - Sexta 19h
- Visitação
- Festa Black music (Dj Laura Silvestre)
>> 23/11 - Sábado
- Oficina de Aquarela com Tamires Ferreira (9h às 12h)
(10 vagas, R$30 por pessoa)
- Visitação (a partir das 18h)
>> 28/11 - Quinta
- Visitação (a partir das 18h)
- Roda de Conversa “Nem 'mula', nem 'cor do desejo': discutindo os estereótipos
impostos às mulheres negras” com Izabel Accioly - 19h
>> 29/11 - Sexta
- Feirinha colaborativa de mulheres negras - 16h
(Chamada no dia da abertura 09/11)
- Roda de Conversa ‘Potências Criativas’ com Tamires Ferreira - 19h
>> 30/11 - Sábado - Encerramento
Exposição Quilombo Vivo - Exposição de desenhos e pinturas de oficina desenvolvida na
comunidade Quilombola de Alto Alegre, em Horizonte.
- Visitação
- Roda de Conversa ‘Negros nas Universidades’ - 18h (a confirmar)
- Apresentação musical com Luiza Nobel - 20h
- Apresentação de dança com Dallyla Amaz
- Discotecagem Sil e Sis
O Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …