Pular para o conteúdo principal

Mulheres debatem a presença feminina no mercado literário

No dia 7, evento na USP terá a presença de Lola Aronovich, criadora de um dos maiores blogs feministas do País

A presença das mulheres na literatura brasileira é marcada pela sensibilidade, reflexão e criatividade. Nas últimas décadas, Rachel de Queiroz, Lygia Fagundes Telles, Clarice Lispector, Cecília Meireles, Cora Coralina, Hilda Hilst – entre outras – vêm atraindo cada vez mais leitores. Porém, a inserção das mulheres no mercado literário brasileiro e internacional tem uma história marcada por muitos desafios. Esse questionamento é o tema do debate Compósito M: Diálogos Literários e Mulheres. Promovido pela Editora Com-Arte, a editora-laboratório do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, o evento será realizado nesta quinta-feira, dia 7, das 18h às 20 horas, na ECA. A coordenação é da professora Marisa Midori, daquele departamento.
“O objetivo do debate é promover a conversa com e entre mulheres sobre suas produções literárias”, explica o estudante Igor Alves Souza, aluno da ECA e integrante da equipe coordenadora da programação. “Queremos incentivar o diálogo entre diversas mulheres envolvidas com literatura, escritoras e pesquisadoras, e entender como é a relação da mulher na produção literária brasileira.”
Com mediação da professora Vima Martin, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, o evento terá a participação de Lola Aronovich, criadora e autora de um dos maiores blogs feministas do Brasil, Escreva Lola Escreva. Doutora em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Lola foi indicada ao Prêmio Liberdade de Imprensa 2019, da organização Repórteres Sem Fronteiras. Ela empresta seu nome à lei número 13.642, a Lei Lola, de abril de 2018, que atribui à polícia federal a investigação de crimes misóginos na internet.
O evento terá a presença também da escritora e jornalista Cristina Judar, autora do romance Oito do Sete, ganhador do Prêmio São Paulo de Literatura 2018, e uma das organizadoras da antologia de autores LGBTQs A Resistência dos Vaga-Lumes, e da poeta e astróloga Júlia de Carvalho Hansen, uma das editoras do coletivo editoral Chão da Feira, formado só por mulheres.
O debate Compósito M: Diálogos Literários e Mulheres será realizado nesta quinta-feira, dia 7, das 18 às 20 horas, na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP (Avenida Professor Lúcio Martins Rodrigues, 443, Cidade Universitária, em São Paulo). Entrada grátis. 
Jornal Da USP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …