Anúncios Parceiro Magalu - Erigleissonevoce

Obra das mãos de Deus


A imagem pode conter: área interna
Padre Geovane Saraiva*
A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, close-up
Só a partir do amor verdadeiro, ao ocasionar uma experiência profundamente gratificante, como iluminador de uma existência repleta de sentido, no que Santo Agostinho nos assegura, em seu pensamento: “Meu amor é meu peso, por ele sou levado para onde quer que eu vá”. Evidentemente, no caminho para Deus, na feliz busca do sentido pleno da transcendência, não nos esquecendo de Deus, que no seu Filho, o primogênito redentor da humanidade, concede-nos, por vontade divina, a esperança de participarmos de sua glória.

O Pai, na sua essência, identificado na vida como o Deus dos vivos - e não dos mortos -, quer que vivamos bem atentos em nossa existência, que deve preencher um sentido, que nos garanta uma inesgotável vida após a morte. Claro que a vida humana se desenvolve diante do ininterrupto suceder de dias e noites, sendo natural, entre os povos, o forte simbolismo do dia e da noite, estando estes no centro da existência humana.

No suceder de dias e noites, a comunhão de vida através do casamento, aos olhos de Deus, é santo, é sagrado. Tal como nós o conhecemos, faz parte da existência humana, mas aponta, e é claro, o indicador de uma nova existência, com uma humanidade inteiramente nova, restaurada e pacificada no amor infinito de Deus. Na glória futura, o amor humano estará muito além dos limites e padrões vivenciados em família aqui na terra.

Na ressurreição, como no exemplo da mulher no Evangelho (cf. Lc 20, 33), que se casou com sete irmãos, tal preocupação não mais existirá, no sentido de ser esposa de um deles. Será uma vida comparada à dos anjos celestiais, e o que mais importa é a misteriosa realização das filhas e filhos de Deus, num presente eternamente seráfico e pleno, ao recordar São Francisco de Assis, o grande pai seráfico.
Aos seguidores de Jesus de Nazaré, casados e não casados, cabe pensar no referido tempo feito eternidade, os dias e as noites, como obra das mãos de Deus, conforme o sentido metafórico de Dom Helder Câmara: “Não deixe que o tempo escorra por entre os dedos abertos de tuas mãos vazias; segura-o de qualquer maneira para que ele vire eternidade”. Assim seja!

*Pároco de Santo Afonso, Blogueiro, Escritor e integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Morre o acadêmico Murilo Melo Filho

Como celebração dos 119 anos de José Lins do Rego, Global relança sua obra