Pular para o conteúdo principal

Três escritoras negras que você precisa ler

No ano passado, o nome da  Maryse Condé apareceu  com força nas manchetes jornalísticas e listas leterárias. O motivo foi a escolha da escritora de Guadalupe, de 82 anos, para receber o The New Academy Prize, a premiação criada como alternativa à suspensão do Nobel de Literatura de 2018 - depois das acusações de assédio sexual dentro da instituição.
No vácuo da premiação internacional , a editora Rosa dos Tempos relança no Brasil o instigante romance Eu, Tituba: Bruxa Negra do Salem, que se debruça sobre o já conhecido episódio das acusações, prisões e mortes no povoado americano de Salem, no ano de 1692. Só que, na narrativa de Maryse, a  caça às bruxas ganha a perspectiva da escravizada Tituba.
Misturando história e ficção, Maryse resgata esta personagem real, acusada de ter começado os casos de possessões naquele local, mas sobre quem pouco se sabe o que aconteceu. Pois no romance, Tituba  ganha uma história que contextualiza estas e outras violências da escravidão e do racismo.
No prefácio, a escritora mineira Conceição Evaristo destaca que o livro “conclama a leitura” tanto  pela curiosidade sobre o desfecho quando pela lenta compreensão de que a bruxaria de Tituba nada mais é do que uma sabedoria construída em outros espaços culturais. “Modos diferentes de relação com a morte, com os mortos e com as forças ancestrais”, anota.
Conceição também destaca que, ao escolher o ponto de vista de uma  mulher negra, Maryse coloca seu texto no lugar de uma não tradição. Um lugar que a própria Conceição conhece bem e tem frequentado com seus romances e contos. Não por acaso, ela também assina o prefácio do livro Carta a Minha Filha, de Maya Angelou (1928- 2014), lançamento da editora Agir.
O livro testamento de Angelou, que ela pulicou na reta final da vida, em 2008, não é ficção, mas dialoga com o de Maryse na busca pelo protagonismo da própria história. No caso, a história da própria Angelou, nome essencial na luta pelos direitos civis americanos. A escritora, atriz e cantora premiada mistura prosa e poesia nos textos curtos e afetuosos que ela endereça às filhas que não teve, ou melhor, à todas as mulheres.
Tanto o livro de Maryse quanto o de Angelou atualizam o debate sobre a construção das identidades e o controle das narrativas. Temas centrais dos seis ensaios de A Origem dos Outros, livro da escritora americana Toni Morrison (1931- 2019) sobre literatura e racismo, outro lançamento deste novembro de letras negras. Os textos são resultado  de uma série de palestras que a ganhadora no Nobel de Literatura (1993)  proferiu na universidade de Harvard, em 2016, pensando o país e a questão racial  pós-Obama e já na era Trump. Um trio e tanto, caro leitores. 

ESTANTE
filha

Livro: Carta a Minha Filha  

Autora: Maya Angelou
Editora: Agir
Preço: R$24 (143 páginas)
 R$ 24,  143 páginas.

capa
Livro: A Origem dos Outros 
Autora: Toni Morrison
Editora: Companhia das Letras
Preço:  R$ 54,90 (152 páginas)
capa
Livro: Eu, Tituba: Bruxa Negra do Salem 
Autora: Maryse  Condé
Editora: Rosa dos Tempos
Preço:  R$ 44,90 (250 páginas) 
Fonte: Correio24Horas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…