Pular para o conteúdo principal

A ovelha e a moeda perdida

“Cada alma humana valeu (e vale) nada menos do que o próprio sangue redentor de Nosso Senhor Jesus Cristo”

Ocontexto no qual o Senhor Jesus conta essas parábolas (da ovelha e da moeda) é interessante: os fariseus, que se achavam puros, julgam o Senhor porque Ele recebe os pecadores e faz suas refeições com eles (cf. Lc 15,2). Ora, ante o legalismo farisaico, Cristo propõe a infinita misericórdia que alcança a cada ser humano realmente arrependido e o leva a superar os seus pecados com a graça divina.
  1. A ovelha desgarrada: Notemos que as duas parábolas são muito semelhantes, embora uma (a da ovelha) ocorra no campo e a outra (a da moeda) se dê na cidade.
Vejamos a primeira: um homem tem cem ovelhas e perde uma. Deixa as noventa e nove para buscar a que se perdeu e se alegra, com os amigos, por tê-la encontrado, assim como o Pai celeste se regozija por um só pecador que se converte. Alguns detalhes são, aí, importantes: a) cem ovelhas era um rebanho grande (quase incomum) na Palestina de então. Esse “exagero” da parábola reforça o interesse pela ovelha perdida (100/1); b) é o próprio dono quem cuida do rebanho e não um empregado. Esse dono é Jesus, o Bom Pastor; c) ter animais perdidos não era algo espantoso naquela região. Em Lc 14,5 já se fala no boi e no asno caído em uma fossa, daí também a procura do animal perdido ser uma atividade corriqueira, de modo que o Senhor Jesus indaga: qual dos seus ouvintes não deixaria a quase totalidade das ovelhas (99) para se colocar em busca daquela (1) transviada (cf. Lc 15,4)? É o amor de Deus. Cada uma dessas ovelhas tem o mesmo valor; d) no encontro da ovelha perdida é que se dá o gesto misericordioso, segundo Dom Estêvão Bettencourt, OSB: “Ao encontrar o animal desgarrado, o pastor não a pune nem censura, nem a obriga a caminhar, mas coloca-a sobre os ombros e leva-a para casa. Este traço é paralelo ao do pai do filho pródigo, que se atira ao pescoço do jovem e o abraça” (Parábolas e páginas difíceis do Evangelho, Rio de Janeiro: Mater Ecclesiae, 1991, p. 106); e) os amigos são chamados para a festa após o encontro, embora isso não fosse comum (sempre se perdiam animais), mas o Evangelho, por meio dessa parábola, usa do pastor e da ovelha para demonstrar o grande amor na alegria do reencontro entre Deus e os seus filhos; f) o Senhor ama a todos os seus filhos indistintamente: os próximos do pastor e aquele que se desgarra (a mãe cuida mais do filho doente que dos sadios e muito se alegra quando o enfermo sara); g) o pecador não é um ser estranho a Deus, mas tão somente um filho que se afasta do Pai e dos irmãos, mas sempre tem a chance de se converter. Ao fazê-lo merece festa e h) o pecado não tira o direito de alguém de ser filho de Deus, apenas o afasta momentaneamente do rebanho ou do caminho traçado pelo pastor. O Bom Pastor (Deus) sempre espera de braços abertos o retorno desse(a) filho(a).
  1. A moeda perdida: trata-se da história de uma mulher que tinha, em sua casa, dez moedas e perdeu uma, que poderia estar enrolada em um pano dentro de um vaso, como era costume na época. A casa, como várias daquele tempo na Palestina, devia ser baixa com uma simples janela que dava para uma ruazinha escura e estreita. Daí a necessidade, embora sendo dia, de que a dona da moeda acendesse a lâmpada e varresse a casa para encontrar o dinheiro perdido. Encontrou-o e, de alegria, chamou as amigas e vizinhas para comemorarem o importante fato.
É um caso semelhante ao da parábola anterior, desejosa de destacar a grande felicidade do encontro (há imensa alegria no céu pelo reencontro do que estava perdido, cf. Lc 15,10). A conversão de um pecador que volta aos caminhos do Senhor é sempre causa de festa no céu. Quer incutir a ideia de que todos têm valor único, por isso Deus não ama apenas de modo genérico, mas se alegra com o retorno de cada pessoa a Ele, como dá a entender o grande Apóstolo Paulo: “O Filho de Deus me amou e se entregou por mim” (Gl 2,20 – destaques nossos). Tudo isso, longe de demonstrar individualismo, mostra que Deus é nosso Pai (cf. Mt 6,9), porém ama a cada filho(a) de um modo todo especial ou individual. Cada alma humana valeu (e vale) nada menos do que o próprio sangue redentor de Nosso Senhor Jesus Cristo e isso é motivo de grande reflexão: que faço eu ao tomar conhecimento de tão grande herança divina: ser filho no Filho (cf. Gl 4,5)?
Aleteia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…