Pular para o conteúdo principal

A Paz do Menino de Belém, a verdadeira Paz

A luz de BelémO Natal está se aproximando e é sempre mais difícil, ainda hoje, para todos nós, reconhecer o Deus que se faz homem. Os cristãos de todo o mundo se preparam para celebrar o nascimento d’Aquele a quem nos dirigimos como Príncipe da Paz.
 
Silvonei José – Cidade do Vaticano

Renova-se também este ano a tradição da Livraria Editora Vaticana de acompanhar os principais eventos litúrgicos do ano com uma publicação que ajude o leitor a descobrir o sentido profundo do Natal. O último volume deste gênero, como parte da série 'Vida no Espírito', intitula-se 'A maravilha do Natal': realizado por Lucio Coco e baseia-se numa antiga homilia de São João Crisóstomo pronunciada no ano 386. O prefácio deste livro é do arcipreste da Basílica de São Pedro, cardeal Angelo Comastri.
Numa conversa com Vatican News falou sobre o valor da iniciativa editorial, afirmando que é “uma ideia feliz". O cardeal sublinha em primeiro lugar, que é um testemunho de que a festa do Natal foi imediatamente sentida como uma festa de alegria, esperança e luz. Além disso, confirma a convicção de que Jesus nasceu em dezembro, porque - explica ele - esse foi o mês em que foi divulgado o edito de César Augusto, que ordenou o censo de todo o Império, e Maria e José se colocaram em viagem impulsionados por aquele decreto imperial. 
Ouça o Editorial
Lendo o prefácio do livro nos deparamos com a constatação do cardeal Comastri de que há algum tempo está em curso "uma operação desonesta para transformar o Natal numa festa sem o Menino Jesus", apesar do fato de a maior e mais benéfica transformação da humanidade ter começado a partir deste Menino. Diante da Natividade devemos parar, refletir e abrir nosso coração para a grande lição que ainda é atual e ainda verdadeira: a lição de Belém".

 'Admirabile Signum'

Segundo dom Comastri, a única coisa a fazer para recolocar esta mensagem no centro é "sintonizar-se com as escolhas de Belém": a do amor, da pobreza e da humildade, como sublinhou o Papa Francisco na carta apostólica 'Admirabile Signum' publicada por ocasião da sua recente visita a Greccio. Com a Natividade entrou no mundo uma luz que percorre toda a história, adverte o cardeal que cita vários pensadores - como Benedetto Croce e Emanuele Kant - que reconheceram no cristianismo e no Evangelho a única novidade na história como também a fonte da nossa civilização.
Não devemos esquecer que a nossa sociedade atual tenta de todas as maneiras revisitar o Natal, mas certamente não uma revisitação cristã. Recentemente – escreveu dom Comastri - alguns professores italianos pensaram em retirar o nome de Jesus de uma canção de Natal para substituí-lo pela palavra 'virtude': o nome de Jesus obviamente incomodou. Outros professores  chegaram a substituir a verdadeira história do Natal de Jesus pela fábula do Chapeuzinho Vermelho: este gesto é didaticamente inqualificável porque coloca a história e a fábula no mesmo nível. E mesmo assim fizeram isso.

Ter medo de Jesus

Quando nos distanciamos de Jesus a civilização do amor acaba. Falando sobre isso no seu prefácio dom Comastri evocou as confidências de Svetlana Stalin, a filha do ditador do século passado, segundo a qual a ferocidade de seu pai tinha apenas uma causa. Meu pai - disse ela - tinha virado as costas para Jesus e para o Evangelho. E quando morreu, o último olhar que deu foi coerente com a sua vida: um olhar de ódio para com todos os que o rodeavam. Um processo que é evidente ainda hoje. Sem Jesus torna-se quase impossível falar sequer de paz: o Papa o recordou isso no Japão, quando disse que é uma loucura até mesmo preparar as armas atômicas.

O Amor salva

O Natal está se aproximando e é sempre mais difícil, ainda hoje, para todos nós, reconhecer o Deus que se faz homem.  Os cristãos de todo o mundo se preparam para celebrar o nascimento d’Aquele a quem nos dirigimos como Príncipe da Paz. A paz disse esta semana o Papa recebendo alguns embaixadores que apresentaram sua cartas credenciais é um desejo profundo, inscrito no DNA do ser humano, que, mesmo que não o conheça, espera não tanto a paz como algo, mas a paz como Alguém. Vem a Paz. Contra o mal que invade a nossa sociedade, Francisco traça um caminho feito de palavras simples: honestidade, verdade, solidariedade fraterna, respeito mútuo, dignidade. Aqui está a esperança: vem a paz, mas não é tanto uma situação, é Alguém, é Jesus que nasce numa gruta à margem do mundo. É Jesus o senhor da história, da nossa história. É o amor que salva. E o amor é Deus: "Deus caritas est".
"O único que salva é o Senhor", lembrou Francisco na missa na Casa Santa Marta esta semana, e esta salvação é gratuita porque nenhum de nós pode se salvar sozinho, ninguém pode se orgulhar de ser justo. Podemos somente confiar-nos "à gratuidade da salvação do Senhor". Só assim o nosso deserto, a esterilidade do nosso egoísmo, florescerá: florescerá nas obras da fé, o amor que dá vida. Esta é a verdadeira paz, paz que nos traz o Menino de Belém. Feliz Natal a todos vocês.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…