Pular para o conteúdo principal

Após ser empurrado no altar, Padre Marcelo Rossi lançará livro com capítulo sobre o perdão

* Com inforrmações da Folhapress
A força do perdão será um dos capítulos do livro que o Padre Marcelo Rossi pretende lançar em 14 de julho de 2020. Na obra, o sacerdote abordará a experiência vivida no dia 14 de julho de 2019, em que foi empurrado do altar, caindo de uma altura de dois metros.
Para Rossi, a ocorrência serviu como um "chacoalhão" para ele valorizar mais a própria vida e seguir com sua missão. Conforme o Padre, desde o episódio, ele ganhou estímulo, que se reflete em novos projetos, a exemplo do lançamento do EP "Maria Passa à Frente."
Foi a maior dor que eu já senti em 52 anos da minha vida".
Essa é uma das lembranças mais fortes que padre Marcelo Rossi tem do episódio, quando uma mulher invadiu o altar no qual ele celebrava uma missa em Cachoeira Paulista (a 212 km de São Paulo) e o empurrou do palco.
No início de dezembro, cinco meses depois do ocorrido, Rossi retornou ao local da queda e afirma ter vivido um milagre. “Não tem explicação, era para, no mínimo, eu ter me estourado todo ou estar tetraplégico ou não estar aqui (...) Não tenho dúvida nenhuma que foi um milagre", revela em entrevista à Folhapress.
Apesar da dor "que só de imaginar arrepia", ele conta que também teve uma força muito grande para voltar ao altar e continuar a rezar a missa. "Tinha dor? Tinha. Mas dentro do coração eu tive uma força, primeiro de perdão. Eles falavam em B.O., mas eu sou padre, a minha delegacia é a capela, o meu B.O. é Bíblia e oração."
O Padre ressalta que, em nenhum momento, sentiu raiva da mulher que o empurrou, porque está muito agradecido a "Deus pela vida". "Não é humano, não é possível alguém jogar com uma força tão grande... Depois eu vi o tamanho da pessoa, que tem a metade do meu tamanho, e fiquei mais impressionado ainda", afirma.
O sacerdote está convicto de que o fato de ter perdoado a responsável pelo empurrão foi fundamental para que ele não tivesse nenhuma sequela. "Se tinha alguma coisa quebrada no meu corpo, tenho certeza que lá eu fui curado [ao continuar a missa]."
Ele só foi ao hospital dois dias depois do acidente e, após uma bateria de exames, a única recomendação médica foi arnica para cicatrizar o ralado na perna, gerado ao cair na grade de ferro que estava no local.
Marcelo Rossi não chegou a se encontrar com a mulher que o empurrou, mas diz que não teria problemas em conversar com ela. Detida pela polícia, a mulher (que teve o seu nome preservado) declarou que sofre de transtorno bipolar e está em tratamento psiquiátrico.
Programa de rádio
Além do lançamento do livro, o sacerdote comanda o programa de rádio "No Colo de Jesus e Maria", de segunda a sábado, das 8h às 9h, transmitido, em Fortaleza, pela Rádio Verdes Mares.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…