Pular para o conteúdo principal

Juíza de Criciúma estreia na literatura com livro que traz histórias reais do cárcere

A juíza Débora Driwin Rieger Zanini acaba de lançar sua primeira obra literária, intitulada "Regime Fechado: histórias do cárcere". O livro, com prefácio do juiz aposentado Rubens Sérgio Salfer, apresenta 17 histórias reais, registradas em unidades prisionais do Sul do Estado, e que se destacaram por serem engraçadas, inusitadas, alegres ou tristes, fruto dos anos de carreira em que a magistrada atuou nas varas da família e criminal. A juíza explica que a intenção de escrever um livro é antiga, pois reconhecia à sua frente histórias interessantes para publicação, mas o tempo passava e as narrativas não registradas se perdiam. Este ano, com esforço extra, a obra se materializou.
Desde 2017 como titular da Vara de Execuções Penais da comarca de Criciúma, a magistrada passou a ter maior contato com o cárcere e o considerado "universo paralelo", que são as dinâmicas dos presídios e penitenciárias. "Acho que uma das lições do livro é que o ser humano se adapta a qualquer realidade, se acostuma. Mas não existe comparação com o mundo exterior, mais uma vez reforçando que o crime não compensa", afirma. Os casos foram compilados com o apoio de agentes do Departamento de Administração Prisional (Deap) e, segundo a juíza, os relatos são reflexos da realidade como ela é, nua e crua, sem romantizar o crime e a cadeia.
Alguns exemplos de histórias que se destacam são a de uma jovem que havia sido miss de uma cidade pequena e conheceu o problema que é ser bonita dentro de uma unidade prisional feminina. Também a de um preso que fingiu ser tetraplégico por cinco meses, sob os cuidados dos colegas de cela, e após deferimento de prisão domiciliar foi preso novamente, correndo em fuga após um roubo. Por fim, uma presa que teria tido como animais de estimação um sapo e uma cobra, criada dentro de uma garrafa e descartada depois de descoberta.
A obra também conta com fotos coloridas do interior das unidades prisionais, dos agentes penitenciários que contribuíram com o conteúdo das narrativas e glossário de gírias utilizadas pelos detentos entre outras informações. Com dias de lançamento, a magistrada já celebra a boa aceitação dos leitores. "Fiquei muito contente com o resultado, com o feedback de quem está lendo e dizendo que está gostando muito", destaca a juíza.
Exemplares do livro estão à venda na Casa Guido e no Espaço do Bem Casa Guido, no Nações Shopping, em Criciúma. A renda será revertida para a entidade que presta atendimento a crianças e adolescentes em tratamento oncológico. Também na Banca Central, em Criciúma, na Ma&Na Turismo, em Araranguá, e, a partir de janeiro, estará disponível na Amazon, em versão física e digital. ​
Colaboração: Fernanda de Maman
Fonte: Engeplus.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…