Pular para o conteúdo principal

Onde vivem os mestres?


*A jornalista viajou a sobral a convite da secult
Alguns viajaram duas horas, outros dez. Partiram de geografias diferentes para "morarem" por quatro dias no Centro de Sobral e, sob o sol de dezembro, alumiarem os caminhos dos outros e os seus. Sabiam o que esperar e não sabiam. O Encontro Mestres do Mundo é, afinal, uma reunião de fazeres distintos, uma celebração ao conhecimento popular e tradicional, um terreiro aberto para a expressão da diversidade. Mas, para os Tesouros Vivos, pode ser muito mais do que isso.
"Quando o povo se junta, o poder se espalha", entoou a quilombola Maria de Tiê após uma sequência de emboladas com a irmã Francisca. A caririense foi uma das 11 mestras diplomadas nesta XIII edição do evento que, de 4 a 7 de dezembro, reconheceu também dois grupos e uma coletividade. O que todos eles representam, porém, não cabe em algumas letras escritas no papel. A maior expressão de arte é a própria vida, como bem ressaltou o pai da Carroça de Mamulengos, Carlos Gomide.
Image-3-Artigo-2618538-1Image-3-Artigo-2618538-1
A pequena Ana Gomide, caçula do grupo Carroça de Mamulengos
FOTO: FABIANNE DE PAULA
E para que servem os diplomas se os mestres não vivem neles? Nesse mundo-casa, há quem não valorize aquilo que é da natureza da oralidade, e é por esse motivo que o título timbrado no papel e na carteira de identidade também se faz necessário. Mas que fique registrado: um saber cultural não se perde nem se invalida, mesmo que a institucionalidade seja picotada.
Os mestres já sabem disso. Cresceram sendo questionados pelo que fazem. Muitos deles passaram por situações-limite pelo simples fato de entrarem na "brincadeira". "Olha esse cara aí, vive botando boneco e nunca foi preso; eu já tive que responder processo por causa da minha máscara no Reisado de Caretas", conta entre risos o mestre Antônio Luiz, de Potengi, apontando para Gilberto Calungueiro, de Icapuí. No dia, não deve ter sido tão engraçado. Mas o que realmente importa é o fato de, naquela data, a cultura ter vencido a arrogância dos homens fardados.
Image-2-Artigo-2618538-1Image-2-Artigo-2618538-1
Mestres Chico Bento, Antônio Luiz e Gilberto Calungueiro em conversa descontraída
FOTO: FABIANNE DE PAULA
Trocas
Lá em Sobral, além da "arena-anfitriã" na Praça São João, enfeitada com as cores do Boi Paz do Mundo, do Mestre Panteca (in memoriam), e os sabores do doce de fartes, da Mestra Rita, as ruas da cidade também se abriram para cortejos ou passeios solitários de bicicleta. O evento atravessou as grades e arquibancadas, ultrapassou as feirinhas e se fez dentro das vans, elevadores e quartos de hotel compartilhados.
Acordar 7h e dormir mais de meia-noite jogando conversa fora com velhos e novos conhecidos virou rotina. Era possível encontrar Espedito Seleiro numa esquina às 23h e receber um convite dele para uma viagem até Nova Olinda. Por trás dos holofotes, os mestres trocavam causos e segredos de suas respectivas regiões e manifestações, e mais: aprendiam uns com os outros o ritmo da novidade.
Uma quilombola tocou pífano com um dos irmãos Aniceto; indígenas acompanharam o som dos pandeiros com os maracás; um balaieiro de 92 anos ficou surpreso por conseguir dançar pé de serra por mais de 20 minutos; e alguns brincantes de reisado juntaram-se à quadrilha junina como se fosse a própria especialidade.
Image-1-Artigo-2618538-1Image-1-Artigo-2618538-1
A força da palavra do mestre cabaceiro Adrião Sisnando de Araújo (Juazeiro do Norte)
FOTO: FABIANNE DE PAULA
Os mestres ignoraram todo tipo de distância e fizeram do próprio corpo o templo de suas respectivas regionalidades. Abriram as janelas de si para mostrarem-se uns aos outros como casa. Foram transparentes, espontâneos, fortes, livres. Poderia apostar que Belchior, se ali estivesse, cantaria com todos eles e para todos nós que "o mundo inteiro está naquela estrada ali em frente".

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…